Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

sábado, 4 de setembro de 2010

Amor Incondicional

Tantos tipos de amor tenho visto por aí. Amores fracos, desnutridos de coragem; amores fortes, que atravessam muitas barreiras, mas que em certo momento tropeçam numa pequena pedra, caem e não conseguem mais se levantar.

De tantos e todos os tipos de amor que conheci, houve um que jamais esquecerei: o amor incondicional, aquele que existe apesar de, e que atravessa qualquer tipo de tempestade, tropeça em muitos obstáculos e mesmo assim não deixa de existir; não altera a sua rota, não diminui a sua dimensão, não perde o seu peso, não permite que o seu brilho seja ofuscado.

Só ama incondicionalmente quem é possuidor de uma alma grande, e esse tipo de alma normalmente é acompanhada de um espírito de luz.
Amar assim é não viver subjugado a "mas..." e "poréns...", é não ter critérios para doar esse amor, é não exigir troca e abrir mão de reciprocidade.
Quando se ama incondicionalmente tem um espaço dentro do cérebro que fica reservado em definitivo para que nas vinte e quatro horas do dia o pensamento não se afaste do objeto desse amor. Já no coração, não existe um espaço designado para guardá-lo, porque ele é todo esse amor, vivenciado e sentido enquanto ele bater.

Amor incondicional não tem orgulho de nenhuma espécie. Não se envaidece de sua capacidade, nem de sua força, não tem necessidade de alardear a sua existência, nem demonstrar o seu imenso universo, ele é simplesmente um amor humilde, puro e despretensioso e justo por isso se torna grandioso.

Corações que vivem esse tipo de amor, são generosos, eternos, mesmo depois que param de bater, são sublimes e por isso conseguem guardar dentro deles tanta ternura.
Amor incondicional não faz de conta que é, não se obriga a desistir de si mesmo, não precisa viver de fantasias, nem andar travestido de ilusões para prosseguir o seu caminho.

Esse amor do qual estou falando é por si só inteiro, não agoniza e muitas vezes inexiste aos olhos dos outros, mas quem ama incondicionalmente, sabe a receita exata de como vivê-lo sem dores.
Felizes daqueles que despertam essa maneira de amar em alguém, esses sim, têm motivos de sobra para se orgulhar por terem conseguido atingir de forma tão especial um coração carregado do mais puro dos sentimentos.

Amor se torna incondicional quando ele já se acomodou dentro do peito, já se conformou com a estrada que terá que percorrer e já não há mais possibilidade de derrapar em nenhuma curva desse caminho, nem ser atropelado por qualquer dúvida. É quando também, o que ficou para trás já não importa e o que está por vir não vai mudar nada.

O amor incondicional é aquele que doa o melhor de si, mesmo que esteja recebendo o pior de alguém, porque ele não depende de ser querido, nem de ser aceito e não esmorece se for ignorado.
Esse amor é daqueles amores que no passado já sangraram muito, latejaram, abriram enormes feridas, mas que ainda assim não deixaram marcas nem cicatrizes, porque a partir daí, resplandeceram e passaram a viver em eterno estado de graça até o instante que se eternizaram.

Há quem diga que o amor incondicional é masoquista, isso não é verdade, esse tipo de amor é o inútil. O amor inútil sim, alimenta-se de sofrimento, resiste a tudo com esperanças de alcançar o seu objetivo, que já ficou bem claro, não será conquistado. O amor inútil é aquele que já foi embora mas saiu tão mansamente que nem deixou que percebessem sua partida, ao contrário do incondicional, que se instalou dentro de alguém e não pretende procurar a saída.

O amor incondicional não corre atrás de sonhos impossíveis, não precisa disso. Ele já é maduro, há muito deixou de ser adolescente, e envelhecer também não está nos seus planos, porque o amor que se torna velho, é um amor cansado, desgastado, exaurido. Já o incondicional é e sempre será, ativo, independente, coerente, auto-suficiente, porque se reserva o direito de ser solitário e ainda assim completo e realizado, porque reside nele a certeza de sua inocência, pureza e sinceridade.

Osho
Quando uma pessoa busca defeitos em outra,a situação torna-se tensa e negativa;
ao contrário, quando se busca com sinceridade os pontos fortes dos outros, florescem as melhores conquistas humanas.
É fácil encontrar defeitos, qualquerum pode fazê-lo.
Mas encontrar qualidades...Isto é para os sábios."

Khalil Gibran

Entre dois pensamentos, mergulhe no céu interior...

Certa vez um buscador foi procurar Bayazid, um místico sufi, e perguntou:

"Mestre, eu sou uma pessoa muito irascível.

A raiva me toma muito facilmente; eu fico realmente furioso e faço coisas.

Nem posso acreditar, depois, que fui capaz de fazer tais coisas; eu fico fora de mim.
Então, como largar essa raiva, como superá-la, como controlá-la?".

Bayazid tomou a cabeça do discípulo em suas mãos e olhou-o nos olhos.
O discípulo mostrou-se um pouco intranquilo, e Bayazid disse: "Onde está essa raiva?
Eu gostaria de vê-la aqui".

O discípulo riu, pouco à vontade, e disse: "Agora eu não estou bravo. Às vezes acontece".

Então Bayazid disse: "Aquilo que acontece às vezes não é da sua natureza.
É um acidente. Vai e vem. É como as nuvens, então por que ficar preocupado com as nuvens? Pense no céu que está sempre ali".

Esta é a definição de atman, o céu que está sempre presente.
Tudo aquilo que vai e vem é irrelevante; não se aborreça com isso, é só fumaça.

O céu que permanece eternamente nunca muda, nunca fica diferente.
Entre dois pensamentos, mergulhe nele; entre dois pensamentos, ele está sempre ali.
Olhe dentro dele e de repente perceberá que você está na não-mente.

Osho

Lei de causa e efeito

Se pensamos no mal, atraímos o mal; se nutrimos ódio atraímos o ódio.

Mas se pensamos em harmonia, em saúde, em abundância e agradecemos antecipadamente,
com sinceridade ao Deus amoroso e sábio que sempre nos provê o melhor, é isso o que recebemos!

Paremos de pedir, de buscar e de bater à porta dos males deste mundo.

Sempre que nos descuidamos e pensamos neles e os tememos, eles vêm, porque os chamamos, porque acreditamos neles, porque os tememos!

Sabemos que isto acontece porque desde crianças recebemos idéias equivocadas.

Tornou-se mecânico.

Mas agora, adultos, esclarecidos, devemos decididamente pôr termo a esse engano.

Nós não somos os pensamentos e as emoções.

Por isso é que podemos e devemos transformá-los para melhor, a pouco e pouco.

Colocamos definitivamente de lado o pensar e sentir que somos azarados, feios, inferiores aos outros, enfermiços e fracos, etc...

Esses estados só nos podem prejudicar.

Não servem absolutamente para nada de bom.

Por que mantê-los, então?

Humberto de Campos

O que é equilíbrio

"Equilíbrio é a habilidade de olhar para a vida a partir de uma perspectiva clara - fazer a coisa certa no momento certo.

Uma pessoa equilibrada será capaz de apreciar a beleza e o significado de cada situação seja ela adversa ou favorável.

Equilíbrio é a habilidade de aprender com a situação e prosseguir com sentimentos positivos.

É estar sempre alerta, ser totalmente focado, e ter uma visão ampla. Equilíbrio vem do entendimento, humildade e tolerância.

O mais elevado estado de equilíbrio é voar livre de tudo e, ainda assim, manter-se firmemente enraizado na realidade do mundo."

Brahma Kumaris

Pare de reclamar e mude a sua vida!

Uma pessoa que deseja realmente crescer, melhorar e evoluir deve, em primeiro lugar e acima de tudo, desejar genuinamente que algumas mudanças ocorram em sua vida. Para tanto, ela deve saber que as mudanças externas, sejam em relação ao trabalho, à situação financeira, ao relacionamento com pais, filhos, namorado, enfim, sejam em qualquer área de sua vida, é essencial que haja, antes, uma mudança interna.

Ou seja, que ela mude sua forma de pensar, de agir e de se comportar diante da vida. Tem uma frase da Programação Neurolingüística (PNL) que diz assim:
Se você continuar tendo as mesmas atitudes que sempre teve, vai continuar obtendo os mesmos resultados que sempre obteve.
Isso significa que para obter novos resultados é preciso ter novas atitudes!

Certamente, muitas pessoas pensarão: Ah, mas isso é óbvio! No entanto, fico impressionada com a quantidade de pessoas que tenho visto reclamando da situação em que se encontram, da vida que têm levado e das conquistas que gostariam de fazer e não conseguem... Essas pessoas parecem estarem sofrendo de uma espécie de surdez, cegueira e mudez!

E mais: de certa forma, parecem estar com uma paralisia mental e espiritual. Reclamam, reclamam e reclamam, mas não se arriscam a mudar absolutamente nada! Continuam fazendo tudo igual, todos os dias, automaticamente, como se fossem máquinas, como se por trás dessas atitudes não houvesse uma nobre missão a ser cumprida, como se a vida fosse uma seqüência de atitudes sem sentido e mecânica...

E, muitas vezes, não é por falta de recursos ou de sugestões. Se a gente sugere um livro, dizem que não têm tempo. Se a gente sugere um curso, dizem que não têm tempo ou não estão com ânimo, que estão cansadas ou até que acham uma bobagem... Se a gente sugere um passeio ou um comportamento diferente, mostram-se desinteressadas ou, de repente, surgem vários compromissos do tipo: tenho que fazer a unha, preciso visitar o túmulo do vizinho da minha tia, preciso pintar a minha casa de roxo porque disseram que dá sorte!.

Enfim, escuto as desculpas que essas pessoas arrumam com praticamente o mesmo peso que as piadas acima...
Pois eu gostaria de ser um pouco menos educada e dizer umas boas para algumas pessoas que pensam que o ouvido dos outros é penico e desperdiçam os seus dias reclamando de tudo e nada fazem para mudar, para conquistar o que desejam (ou o que nem sabem que desejam, pois estão sempre mais interessadas em falar daquilo que não desejam mais!).

Aproveito então para sugerir em bom tom que se você não está satisfeito com a vida que tem levado, se deseja realmente mudar, melhorar, tornar-se uma pessoa mais feliz, que você comece a agir de modo diferente! Não sabe como?!? Tudo bem... isso não é motivo para desistir!

Procure ajuda, leia, faça cursos, observe pessoas bem-sucedidas, procure uma terapia (existem muitas), enfim, pare de reclamar e de poluir o planeta com suas frustrações e saiba, de uma vez por todas, que as mudanças em sua vida dependem de você. Você é o único responsável por ela!!! E, de coração, muita luz e amor para você, além de meus sinceros parabéns!, pois mudar é uma atitude digna de elogios!

Rosana Braga

Egrégora

Nós vivemos no mundo das formas e tudo o que nós percebemos pelos nossos cinco sentidos possuem forma. Os nossos sentidos superiores e supra-sensíveis, através das clarividências: etérica, astral e mental, mostram que respectivamente o mundo etérico, o mundo astral e o mundo mental, que interpenetram o mundo físico, também possuem formas.

No plano etérico as formas dos corpos vitais dos seres vivos, dos reinos: vegetal, animal e hominal, assim como as formas dos elementais, como as dos gnomos, fadas, salamandras, ondinas, duendes, silfos e outros, são bem definidas e conhecidas no ocultismo.

No plano astral os desejos, vícios, sentimentos e emoções possuem formas coloridas que lembram formas de animais, que se juntam às formas de almas de encarnados e de desencarnados, e às formas de seres e entidades típicas do astral.

No plano mental, os pensamentos de objetos e coisas concretas possuem formas definidas similares às do plano físico e pensamentos abstratos são vistos por símbolos típicos que podem ser interpretados pela linguagem simbólica superior estudada e pesquisada na Iniciação.

Estas explicações são necessárias para entendimento do egrégora, e principalmente para permitir a criação de egrégoras pessoais e coletivos.

Egrégora é uma forma-pensamento que é criada por pensamentos e sentimentos, que adquire vida e que é alimentada pelas mentalizações e energias psíquicas.
É uma entidade autônoma que se forma pela persistência e intensidade de correntes emocionais e mentais. Pensamentos e sentimentos fracos criam egrégoras mal definidos e de pouca vida ou duração, porém pensamentos e sentimentos fortes criam egrégoras poderosíssimos e de longa duração.

Existem egrégoras positivos que protegem, atraem boas energias e afastam cargas negativas, e egrégoras negativos que fortalecem o mal, canalizam forças negativas e repelem forças positivas.

O egrégora pode ser coletivo ou pessoal. Locais sagrados como Aparecida, Lourdes e Fátima, têm egrégoras poderosíssimos, formados pela fé e mentalizações dos devotos, que acumulam as energias psíquicas dos fiéis e quando alguém consegue canalizar para si as energias psíquicas acumuladas no egrégora, provoca o conhecido milagre.

Esta é a explicação oculta da realização de grande parte dos milagres que acontecem. Os locais possuem egrégoras formados pelas energias psíquicas de seus freqüentadores. O egrégora pessoal é formado pelas energias psíquicas da pessoa e principalmente pelos seus pensamentos.

Assim, uma pessoa psiquicamente equilibrada e com pensamentos positivos, cria um egrégora positivo. Do mesmo modo, uma pessoa desequilibrada emocionalmente e negativa cria um egrégora negativo.

Prof. Adhemar Ramos
É preciso reviver o sonho e a certeza de que tudo vai mudar.
É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão.
O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver.

Gabriel Garcia Márquez

Acreditar na vida

É ter esperança no amanhã.
Saber que após a noite vem o dia.
Viver intensamente as emoções!
Pular de alegria.
Não invadir o espaço alheio.
Ser espontâneo.
Apreciar o nascer e o pôr-do-sol.
Amar as pessoas incondicionalmente.
Aproveitar todos os momentos...
Fazer trabalho voluntário.
Vencer a depressão!
É cantar no chuveiro.
Confiar na voz da intuição.
Perdoar as pessoas.
Estimular a criatividade.
Não se prender a detalhes.
Brincar como uma criança.
Chorar de felicidade...
Deixar para lá.
Ter pensamento positivo.
Respeitar os sentimentos dos outros.
Rir sozinho.
Saber trabalhar em equipe.
Ser sincero.
Encontrar a felicidade nas pequenas coisas.
Entender que somos pessoas únicas.
É dançar sem medo.
Não se apegar a bens materiais.
Respirar a brisa do mar.
Ouvir a melodia suave de uma fonte.
Observar a natureza.
Adorar um dia de chuva.
Ter motivação!
Enxergar além das aparências.
Descobrir que precisamos dos outros.
Esquecer o que já passou.
Buscar novos horizontes.
Perceber que somos humanos.
Vencer a nós mesmos.
Ver a beleza da alma.
Sair da passividade.
Saber que a vida é conseqüência de nossas atitudes...
Não procrastinar as decisões.
Mimar a criança interior.
Deixar acontecer...
Beijar muito.
Praticar a humildade.
Adorar calor humano.
Curtir as pequenas vitórias.
Viver apaixonado pela vida!
Visualizar só coisas boas.
Entender que há limites.
Mentalizar positivo.
Ter auto-estima.
Colocar sua energia positiva em tudo que realizar!
Ver a vida com outros olhos...
Só se arrepender do que não fez.
Escutar música clássica ou new age.
Fazer parcerias com os amigos.
Crescer juntos.
Dormir feliz.
Emanar vibração de amor...
Saber que estamos só de passagem.
Melhorar os relacionamentos.
Aproveitar as oportunidades.
Ouvir o coração...
Acreditar na vida!

Mon Liu

Meu coração e minha língua

Meu coração e minha língua fizeram um trato: quando meu coração estiver enfurecido, minha língua guardará silêncio.

As palavras respondem aos sentimentos, e os sentimentos às idéias. Por isso é impossível dominar nossas palavras se não somos senhores de nossos sentimentos; e estes sentimentos irão se acalmando segundo a força de nossas idéias.

A um coração que não se domina, responderão palavras violentas e ferinas; a um coração fechado em si, sucederão palavras e atitudes que depreciam os demais.

Por isso, me calarei quando meu coração não estiver sossegado e em calma; não falarei, pois seguramente me arrependerei do que disser ou, pelo menos, do modo como o disser, ou do momento em que o disser.

Se em geral o coração não costuma ser bom conselheiro, menos o será quando não estiver em paz e não se sentir senhor de si mesmo.

-ad-

Imaginação

Nunca negue a imaginação. Ela é a única faculdade criativa nos seres humanos, a única faculdade poética, e você não deve nega-la. Negada, imaginação se torna muito negativa, ela se torna um pesadelo; negada, ela se torna destrutiva. Fora isso, ela é muito criativa. Ela é a criatividade e nada mais. Porém, se você negá-la, se não admiti-la, começará um conflito entre sua própria criatividade e você mesmo, e você perderá.

A ciência nunca poderá ganhar da arte; a lógica nunca poderá ganhar do amor (este não tem lógica), a história nunca poderá ganhar do mito; e a realidade, comparada com os sonhos, é pobre, muito pobre. Assim, se você carrega alguma idéia contra a imaginação, abandone-a, porque todos nós a carregamos – esta época é muito contrária a imaginação. Ensinaram as pessoas a serem factuais, realistas, empíricas e todos os tipos de tolices. As pessoas deveriam ser mais sonhadoras, mais inocentes, mais extasiadas. Elas deveriam ser capazes de criar entusiasmo, e somente através disso você alcançará sua fonte original.

Deus deve ser imensamente imaginativo. Olhe para o mundo! Seja lá quem for que o tenha criado ou sonhado, dever ser um grande sonhador... tantas cores e tantas canções... A existência toda é uma arco-íris; ele deve ter vindo de uma profunda imaginação.

Osho

Mente e Felicidade

Quando nos referimos à “mente” ou à “consciência”, há muitas variedades diferentes. Da mesma forma que acontece com as condições ou objetos externos, alguns aspectos são muito úteis, outros muito prejudiciais e outros são neutros. E, quando lidamos com assuntos externos, geralmente tentamos primeiro identificar quais dessas diferentes substâncias ou produtos químicos são benéficos para que possamos nos dedicar a cultivá-los, propagá-los e usá-los. E das substâncias que, são danosas nós nus livramos. De modo similar, quando falamos sobre a mente, há milhares de pensamentos diferentes ou de “mentes' diferentes. Entre eles, alguns são muito úteis. Esses, deveríamos nutrir. Alguns são negativos, muito prejudiciais. Esses deveríamos tentar reduzir.

Portanto, o primeiro passo na busca da felicidade é o aprendizado. Antes de mais nada, temos de aprender como as emoções e comportamentos negativos nos são prejudiciais e como as emoções positivas são benéficas. E precisamos nos conscientizar de como essas emoções negativas não são prejudiciais e danosas somente para nós mesmos, mas perniciosas para a sociedade e para o futuro do mundo inteiro.

Dalai Lama.
Em a "Arte da Felicidade"

Uma decisão sua

Todo o amor do mundo pode ser dado a você, mas, se você decidir ser infeliz, permanecerá infeliz. E você pode ser feliz, imensamente feliz, por absolutamente nenhuma razão – porque a felicidade e a infelicidade são decisões suas.

Leva muito tempo para perceber que a felicidade e a infelicidade dependem de você, porque é muito confortável para o ego achar que os outros estão fazendo você infeliz.
O ego insiste em dar condições impossíveis, e ele diz que primeiro essas condições precisam ser satisfeitas e
somente então você poderá ser feliz.
Ele pergunta como você pode ser feliz em um mundo tão
feio, com pessoas tão feias, em uma situação tão feia.

Se você observar corretamente, rirá de si mesmo.
É ridículo, simplesmente ridículo. O que você está fazendo
é absurdo. Ninguém está nos forçando a fazer isso, mas insistimos em fazê-lo – e gritamos por socorro.
E você pode simplesmente sair disso; trata-se de seu próprio jogo – ficar infeliz e depois pedir simpatia e amor.

Se você estiver feliz, o amor fluirá em sua direção... não há necessidade de pedi-lo. Essa é uma das leis básicas. Exatamente como a água flui para baixo e o fogo flui para cima, o amor flui em direção à felicidade.

Osho

Prece: Solução para tudo.

A prece é uma das formas de conversar com seu interior mais íntimo possível (Deus); é o buscar dentro de você mesmo a solução para todos os seus problemas; e, é além do mais, uma reflexão sobre o pretérito da própria pessoa, que tem momentos de lembrança do passado bonito de sua vida, como também, de um passado de tristeza, através de uma saudade.

A prece pode ter diversos nomes, estar em diferentes seitas, mas, um fim comum que é uma conversa com o seu interior, como uma solução para um determinado problema, ou um extravaso sobre qualquer angústia que esteja sentindo, cuja solução venha de Deus, ou de qualquer amigo espiritual. A prece é também denominada de oração, de reza, ou de concentração que se faça para obter da divindade Maior, que está dentro de cada um, um alívio para qualquer dificuldade que maltrata o ser humano em sua incoerência.

A forma como é feita a prece é de fundamental importância, para se obter algum resultado eficaz. Na Bíblia, dizem ser do apóstolo Lucas, um exemplo muito interessante, que diz o seguinte: dois homens subiram ao templo a fim de orar; um era farizeu e o outro publicano. O farizeu estando em pé, orava assim, consigo mesmo:

Meu Deus, eu vos rendo graças
porque não sou como os outros homens,
que são ladrões, injustos e adúlteros,
nem mesmo como esse publicano,
jejuo duas vezes por semana,
e dou o dízimo de tudo o que possuo.


O publicano ao contrário, mantendo-se distante, não ousava sequer erguer os olhos ao céu; mas batia no peito dizendo:

Meu Deus, tende piedade de mim
que sou um pecador .


Esta passagem evangélica levanta a questão sobre um sentimento de culpa muito forte, cuja prece não precisa de exposições, nem de alarido, nem de alto martirizar-se para entrar em sintonia com Deus.

Contudo, é fácil se observar que no século XX, encontram-se pessoas e mais pessoas, bem como dirigentes de trabalhos religiosos que se manifestam como se estivessem nos tempos dos farizeus, mostrando-se religiosos, adeptos de Deus, da Criação de tudo que existe, fragilizando ainda mais a sua própria inferioridade cristã. Orar, ou fazer prece é um processo de meditação, de compenetração, onde o homem pára para se ver no passado, tentando se libertar de suas pequenices espirituais, de suas ignorâncias do bem, para procurar reparar as suas faltas, pois, se não consegue pedir a Deus ajuda para tal. Assim, pede-se ajuda, porque muitos irmãos não têm condições de caminhar com os seus próprios pés, e somente a ajuda espiritual, dos irmãos bons, é que, fará com que se consiga força e coragem para suplantar as suas dificuldades.

A oração não é privilégio de católicos, dos protestantes, dos espíritas, ou de algumas outras seitas, é para todos, um contato com o seu interior, para implementar solução para todos aqueles que vivem nos umbrais do infinito, na ignorância do seu interior, em busca de luz e paz, em todos os momentos. Assim sendo, coloca Simão Abileno com habilidade:

Em verdade, meus amigos, todos nós podemos endereçar a Deus, em qualquer parte e em qualquer tempo, as mais variadas preces; no entanto, nós todos precisamos cultivar paciência e humildade, para esperar e compreender as respostas de Deus .

No entanto, é visível que a maioria das pessoas, que fazem prece, guardam dentro de si, as maledicências, cujas preces e orações feitas não têm o destino esperado pelos seus executores, que somente nas aflições pedem ajuda.

A prece é um instrumento poderoso na busca de solução dos problemas que as pessoas atravessam, quer sejam de angústia, de depressão, de perturbação espiritual, de doenças físicas; e, enfim, de todos os males que os seres humanos se encontram acometidos devido as suas incúrias. Mas, a eficácia da prece está em que as pessoas não tenham orgulho, façam-na com muito amor e fé, sejam sinceras, neste encontro com Deus, sem verificar os defeitos dos outros, não fazer comparações com alguém, detratando-o, realmente ter pureza na escala do progresso. Quando na verdade, a pessoa tem uma certa pureza em seu coração, com a prece, os males do corpo desaparecerão, a harmonia e a solução dos problemas levantados se cessarão, e habitarão a paz e o amor que todos almejam, mas, não sabem onde o encontrar.

Quem não possui condições de receber os efeitos de uma prece que se faça, não precisa desesperar, é necessário ter paciência, resignação, simplicidade, e deixar o tempo passar para restabelecer a harmonia. Neste sentido, expressa o apóstolo Paulo:

É indispensável persistir na oração.
Velando nesse trabalho com ação de graças.
É forçoso reconhecer que louvar não é apenas pronunciar votos brilhantes.
É também alegrar-se em pleno combate pela vitória do bem, agradecendo ao Senhor os motivos de sacrifício e sofrimento, buscando as vantagens que a adversidade e o trabalho nos trouxeram ao espírito .

Por isso, tendo vontade de arrependimento no que se pede, conseguir-se-á, basta que haja paciência, fervor, e humildade na busca de solução aos problemas mentalizados, e até doenças incuráveis serão sanadas.

Os efeitos da oração, ou prece, passam pelo interior de cada um, pois, dependendo dessa recepção, é que, conseguir-se-á algum efeito, tal como ainda explica Paulo, quando diz:

Se não entendo o que significam as palavras,
eu serei bárbaro para aquele com quem falo,
e aquele que me fala será para mim bárbaro.
Se oro numa língua que não entendo,
meu coração ora, mas minha inteligência está sem fruto.

- Se não louvais a Deus de coração, como um homem,
entre aquele que entende senão sua própria língua,
responderá amém, ao final de sua própria ação de graças,
uma vez que ele não entende o que dizeis?
Não é que vossa ação não seja boa,
mas os outros dela não estão edificados.


Esta explicação é de grande importância, pois, normalmente, isto significa fazer uma oração, sem qualquer ligação com a divindade como muitos fazem, limitando o valor de uma prece, em que o recitador não receberá nenhum benefício pelos seus pedidos.

Entrementes, dentro dos conhecimentos que se têm, pode-se extrair que a prece nada mais é, do que uma ligação dos mortais com as vibrações puras, especificamente, com os espíritos de luz, de amor e de paz, porque, somente eles, são quem manda força e coragem para suplantar todas as enfermidades da vida material.

A prece ao ser uma transmutação de energética, pode substituir as células malignas, ou enfermas, pois, o chamamento de energias boas, faz transformar as ruins em salutares, portanto, acontece a cura. A prece cura, e esta cura se dá quando ela se faz com amor, com muita fé e, sobretudo, com muita vontade de querer participar da lei do progresso, que é a eliminação de todas as maldades que foram praticadas em toda uma vivência que se passa.

Assim, observe que o poder da prece é muito grande, a vibração energética é tão fabulosa que a energia magnética que aparece na prece quando acontece a harmonização das energias surge a calma ambiental, tendo em vista que houve uma simbiose do bem com o bem, expulsando tudo de mal que existe.

A prece dá a todos, alegria, acalma àqueles que tenham conseguido interligar com o plano certo, normaliza a circulação sanguínea, porque é energia salutar, e faz com que os desejos do que é bom sejam satisfeitos, porque é energia que chama energia através do magnetismo que existe entre ambos. A cura que acontece não é privilégio de alguém, em particular, porém, de todos que têm condições de captar energias puras do mundo espiritual, passar aos que necessitam e haja condições de tal acesso, comandado pelos espíritos superiores.

Alguns irmãos que trabalham curando as pessoas que têm dificuldades, não a fazem se não tiverem a prece como primeiro ponto a executar para que as energias salutares possam adentrar no circulo onde o sangue circula, eliminar as moléculas deletérias que existem por todo o corpo humano causadas pelas imprudências do ser encarnado. As curas acontecem pelas condições dos espíritos que são dotados, ou designados para desempenhar tal atividade frente aos espíritos que não se libertaram do mundo material, e dos homens físicos que precisam dirimir as deficiências que são acometidas pelas inferioridades de cada um, que precisa continuar a sua caminhada. É com apoio na fé, e na condição espiritual que Marcos disse: o que pedirdes na fé, crede que o obtereis, e vos será concedido .

O poder da prece é tão forte que todos os agregados religiosos usam-na em todos os seus trabalhos, objetivando acalmar os endurecidos, proporcionar conforto àqueles que sofrem as torturas de sua ignorância; pois, sem a força da prece, não existem condições de que as pessoas, ou espíritos possam sentir a luz Divina bater em seu coração. A prece deve estar presente na vida do ser humano, e dos espíritos em todos os tempos, ao amanhecer o dia, na hora do almoço, ao deitar, ao iniciar um trabalho, e em todos os instantes em que necessite da oração. Os curandeiros, as rezadeiras, todos aqueles que têm como objetivo de curar enfermidades que circundam a humanidade, é a prece, o principal mecanismo que surge com objetivo de sanar aquele problema, e consegue.

Finalmente, se todas as pessoas do mundo praticassem a prece em todos os instantes de sua vida, as dificuldades na eliminação das maldades do mundo seriam bem menores, e as pessoas entenderiam que tudo que se passa com o ser humano decorre das vibrações de suas energias com as do universo, e a prece é uma manipulação dessas energias, buscando as boas e eliminando as ruins do meio onde vive. A prece é uma mentalização com a pureza da criação divina, indo dentro de seu interior, e trazendo o conhecimento sobre as coisas que fazem todos puros, perfeitos, tal como os espíritos de luz que dão fortaleza, e os espíritos iluminados que sempre clareiam com tanto amor a todos. Assim sendo, pode-se deixar claro que a prece é solução para tudo que existe, só basta que a faça, ligando-se com a pureza do mundo astral, onde somente o amor, a caridade, e a felicidade são ingredientes que todos precisam evoluir.

Luiz Gonzaga de Sousa

O dar e receber da vida

Apreciação e amor, e alinhamento com aquilo que é a Fonte, é o máximo do “receber de volta”, por assim dizer, pois em sua dor ou luta você não tem nada de volta.

O que você está vivendo é sempre uma réplica exata de seus padrões vibracionais de pensamento.

Nada poderia ser mais justo do que a vida quando você a está vivendo, pois quando você está pensando você está vibrando, e quando você está vibrando você está atraindo – assim você está sempre recebendo de volta a essencia do que está dando.

Abraham

Paralelas

As coisas que possuímos se apegam a nós e nós a elas. Os objetos contam histórias, nos fazem lembrar, até sentir de novo, mesmo se de forma mais suave, as mesmas sensações.
Na viagem da vida, as coisas que adquirimos depois que o coração desejou tanto e que nos deixaram orgulhosos da conquista, colam-se a nós como se às vezes não pudéssemos viver dissociados.

Nosso apego à matéria nos dá a sensação de que existimos, pois são provas materiais, tangíveis de que a nossa vida foi rica em acontecimentos.
É muito bom ter uma história passada, porém a história continua... e muitas vezes para que possamos avançar nela, temos que achar espaço para as novas coisas. Se não aprendemos a nos desprender das antigas, formaremos em nós entulhos que causarão desordem na nossa vida.

Não podemos querer avançar e guardar sempre um pé atrás. Podemos possuir o mundo inteiro, mas quando nossa última hora chega, tudo fica.
O que precisamos aprender é saber reconhecer o que é importante, o que realmente nos enriquece, o que ficará mesmo depois da nossa partida.
Ser feliz, fazer outros felizes, estar contente de si, ter amigos, um amor de verdade, valem mais que todo o ouro do mundo junto. E são essas riquezas que devem se impregnar em nós, são esses tesouros que devemos buscar.

Às vezes Deus nos dá a oportunidade de recomeçar um caminho e nós a perdemos porque não soubemos abrir mão do nosso passado. Mãos que recebem estão sempre abertas, numa atitude paralela de oferta e acolhimento.
As coisas passadas tiveram seu momento e ficarão guardadas em nós, mas é para frente que se anda.

O valor do que somos é muito maior que o do que possuímos. Lamentar coisas perdidas não acrescenta um mínimo à nossa vida, mas a esperança de dias melhores, que damos e que nos damos, é um tesouro de valor eterno e inestimável.

Letícia Thompson

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Os dois mares

Narra o escritor Bruce Barton que, na Palestina, existem dois mares bem distintos.

O primeiro deles é fresco e cheio de peixes. Possui margens adornadas com bonitas plantas e muitas árvores as rodeiam, debruçando seus galhos em suas águas, enquanto deitam as raízes nas águas saudáveis para se dessedentarem. Suas praias são acolhedoras e as crianças brincam felizes e tranquilas.

Esse mar de borbulhantes águas é constituído pelo rio Jordão. Ao redor dele, tudo é felicidade. As aves constroem os seus ninhos, enchendo com seus cantos a paisagem de paz e de risos. Os homens edificam suas casas nas redondezas para usufruírem dessa classe de vida.

Mas, o rio Jordão prossegue para além, em direção ao sul, em direção a outro mar.

Ali tudo parece tristeza. Não há canto de pássaros, nem risos de crianças. Não há traços de vida, nem murmúrio de folhas. Os viajantes escolhem outras rotas, desviando-se desse mar de águas não buscadas por homens, nem cavalgaduras, nem ave alguma.

Se ambos os mares recebem as águas do mesmo rio, o generoso Jordão, por que haverá entre ambos tanta diferença?

Num, tudo canta a vida, noutro parece pairar a morte. Não é o rio Jordão o culpado, nem causa é o solo sobre o qual estão, ou os campos que os rodeiam.

A diferença está em que o Mar da Galiléia recebe o rio, mas não detém as suas águas, permitindo que toda gota que entre, também saia, adiante.

Nele, o dar e receber são iguais.

O outro é um mar avarento. Guarda com zelo todas as gotas que nele ingressam. A gota chega e ali fica. Nele não há nenhum impulso generoso.

O Mar da Galiléia dá de forma incessante e vive de maneira abundante. O outro nada dá e é chamado de Mar Morto.

Tecendo um paralelo entre o coração humano e os dois mares descritos, podemos logo reconhecer se temos uma alma generosa igual ao Mar da Galiléia ou avarenta e ciosa qual o Mar Morto.

Os que estamos habituados a distribuir os dons e talentos que a Divindade nos concede, somos os seres agraciados com a alegria de viver, farto círculo de amigos, flores de carinho e folhagens de ternura.

Se nos habituamos a viver sós, sem nada repartir, dividir ou partilhar, estamos semeando solidão à nossa volta, tristeza e desamparo, porque a vida é qual imensa seara que retribui a sementeira, de acordo com os grãos cultivados.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Via do Sul e Via do Norte

....tudo na vida é uma questão de atitude que temos diante das coisas, e não das próprias coisas em si mesmas.

A história a seguir é contada pelo Sheikh Qalandar Shah, no seu livro "Asrar-i-Khilwatia" (Segredos dos Solitários): No lado oriental da Armenia existia um pequeno vilarejo com duas ruas paralelas, chamadas respectivamente
Via do Sul e Via do Norte.

Um viajante, vindo de muito longe, passeou pela Via do Sul, e logo resolveu visitar a outra rua; entretanto, assim que chegou ali, os comerciantes notaram que seus olhos estavam cheios de lágrimas.

"Alguém deve ter morrido na via do Sul", disse o açougueiro para o vendedor de tecidos.
"Veja como este pobre estranho, que acaba de chegar dali, está chorando!"

Uma criança ouviu o comentário e, como sabia que a morte era algo muito triste, começou a chorar histericamente.
Pouco tempo depois, todas as crianças daquela rua estavam chorando.

O viajante, assustado, resolveu partir imediatamente.
Jogou fora as cebolas que estava descascando para comer - e esta era justamente a razão de ter os olhos cheios de lágrimas - e sumiu...

As mães, entretanto, preocupadas pelo pranto das crianças, logo foram procurar saber o que estava acontecendo, e descobriram que o açougeiro, o vendedor de tecidos, e - a esta altura - vários comerciantes estavam preocupadíssimos com uma tragédia que ocorrera na Via do Sul.

Logo os boatos começaram; e como a cidade não tinha muitos habitantes, em breve todos os que moravam nas duas ruas sabiam que alguma coisa horrível havia acontecido.

Os adultos começaram a temer o pior; mas preocupados com a dimensão da tragédia, resolveram não perguntar nada, a fim de não piorar a situação.

Um homem cego, que morava na Via do Sul e não entendia o que estava acontecendo, resolveu indagar:

"Por que tanta tristeza nesta cidade que sempre foi um lugar tão feliz?"

"Algo muito grave aconteceu na Via do Norte", respondeu um dos habitantes.
"As crianças choram, os homens estão com a testa franzida, as mães pediram para que seus filhos voltassem para casa, e o único viajante que visitou esta cidade em muitos anos, partiu com os olhos cheios de lágrimas.

Talvez a peste tenha chegado à outra rua." Não foi necessário muito tempo para que o rumor de uma doença mortal, desconhecida, havia atingido cidade.

Como, entretanto, o choro havia começado com a visita do viajante à Via do Sul, ficou claro para os moradores da Via do Norte que a peste tinha começado ali.

Antes que anoitecesse, os habitantes de ambas as ruas já haviam abandonado suas casas, e partiam em direção as montanhas do Leste.

Hoje, séculos depois, o antigo lugarejo por onde passou um viajante descascando cebolas, ainda continua deserto.

Não muito longe dali, surgiram duas aldeias, chamadas Via do Leste e Via do Oeste.
Seus habitantes, descendentes dos antigos moradores do vilarejo, ainda não se falam, já que o tempo e as lendas se encarregaram de colocar uma grande barreira de mêdo entre eles.

Comenta o Sheikh Qalandar Shah:

"tudo na vida é uma questão de atitude que temos diante das coisas, e não das próprias coisas em si mesmas.

Eu tenho sempre a possibilidade de descobrir a origem de um problema, ou escolher aumenta-lo de tal maneira, que termino sem saber onde ele começou, qual a sua dimensão, como pode afetar minha existência, e como é capaz de me afastar das pessoas que antes amava."

Paulo Coelho
Se saímos à procura de um guru ou de um mestre, esperamos que ele seja piedoso, sereno, discreto, um homem simples e, não obstante, sábio. Quando descobrimos que ele não corresponde às nossas expectativas, começamos a nos decepcionar, começams a duvidar.

A fim de estabelecer um verdadeiro relacionamento mestre-discípulo, é necessário que renunciemos a todas as nossas idéias preconcebidas a respeito deste relacionamento e de como abrir-nos e entregar-nos. "Entregar-nos" significa abrir-nos completamente, tentando passar além da fascinação e da expectativa.

Entregar-nos também significa reconhecer as qualidades cruas, rudes, desajeitadas e chocantes do nosso ego, reconhecê-las e renunciar a elas. Geralmente, achamos muito difícil mostrar e entregar as qualidades nuas e cruas do nosso ego.
A abertura e a entrega constituem a preparação necessária para o trabalho com um amigo espiritual.

Nós reconhecemos nossa riqueza fundamental em vez de lastimar a pobreza imaginária do nosso ser.
Sabemos que somos dignos de receber os ensinamentos, dignos de relacionar-nos com com a riqueza das oportunidades de aprender.

Trecho do livro Além do Materialismo Espiritual de Chögyam Trngpa

Gratidão

Você já agradeceu hoje?

É com essa pergunta que gostaria de convidá-lo a refletir sobre a maravilhosa oportunidade que temos: a vida!

Nela, temos muitos motivos para agradecer, e, se você parar para pensar por apenas um minuto, é muito provável que encontre diversos motivos para agradecer à Deus, ao Universo ou ao nome que você preferir.

E, com tantas bênçãos em sua vida, voltamos à pergunta inicial: "Você já agradeceu hoje?"

Agradeça por todas as coisas boas em sua vida: saúde, trabalho, companheiro(a), animalzinho de estimação, comida, água que você bebe.... simplesmente agradeça, mas não de forma mecânica, agradeça do fundo de seu coração.

Contudo, se você me falar que não tem motivos para agradecer porque tudo vai mal, sinto lhe informar, mas agradeça também!! Agradeça pela doença, pelo chefe autoritário, pelo filho rebelde...., pois eles são instrumentos divinos que estão lhe mostrando um novo caminho.

Reflita comigo, muitas vezes estamos levando a vida no "piloto automático" quando acontece algo que achamos muito ruim. Porém, se olharmos para trás, foi este acontecimento que parecia ruim que fez com que melhorássemos, mudássemos hábitos e nos alinhássemos com a nossa verdadeira essência espiritual.

E, também, temos o costume de olhar os fatos apenas com ?os olhos da matéria?. Quem foi que disse que ter dinheiro, saúde ou determinada coisa é pré-requisito para sermos felizes e agradecermos. Claro que ter boas condições ajuda, mas é só olharmos para o lado e perceber quantos são os ?pobres? no mundo das formas e, ao mesmo tempo, são os felizes espiritualmente e que encontram muitos motivos para agradecer.

Evoluímos tanto pelo amor como pela dor. Por isso temos que agradecer.

Se incluirmos este sentimento de gratidão em nossa vida, com o hábito de agradecer a tudo que recebemos, vamos nos conectar com esferas superiores e vibrar numa freqüência elevada de amor, paz, prosperidade, felicidade....

O Universo é abundante, Deus é muito bom, por isso agradecemos.

Muito obrigada, e que a energia da gratidão permaneça vibrante em seu coração.

Amanda Dreher

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Por que você não é feliz

Por que você não é feliz? Porque o mundo externo está em desacordo com o seu mundo interno. A sua noção mental de certo, justo, bom não está sendo satisfeita, ou seja, você tem condicionalidades para ser feliz e não o é porque estas condições não estão sendo alcançadas. Em outras palavras, você acha que só poderá ser feliz quando o mundo externo se mudar para a sua noção mental de certo, justo e bom.

Então faça um teste. Durante a próxima semana tente mudar a realidade externa para que ela corresponda fielmente a sua realidade interna, ou seja, para que o mundo fique de acordo com sua noção de certo, justo e bom.

Veja os resultados e depois volte a ler este artigo.

Já fez o teste?

Se você acha que só pode ser feliz mudando o mundo externo, tente mudar para ver….

Não vai conseguir. Jamais o mundo vai se adaptar as suas expectativas e necessidades individuais. Ele não está aqui para lhe satisfazer. Veja, isso é algo até lógico. Seria impossível satisfazer quase 7 bilhões de humanos ao mesmo tempo, porque todos sempre querem algo diferente, sempre necessitam que algo aconteça para serem felizes. Teríamos que ter 7 bilhões de planetas Terra para que apenas acontecesse o que cada um quer, deseja, acha certo, bom e justo.

Por isso, faça o teste. Tente mudar o mundo externo para que ele se encaixe naquilo que você acha o certo, o bom, o justo. Vai perceber que buscar mudar o mundo é inútil. Depois que perceber esta insanidade da sua mente poderá mudar seu mundo interior para que possa se adaptar a qualquer situação externa, seja ‘boa’ ou ‘ruim’, sem sofrer, mantendo a paz interior. E depois poderá ajudar os demais a mudarem os seus mundos interiores.

Enquanto esta ‘ficha não cair’, você vai continuar enxugando gelo. Vai sofrer porque o mundo nunca é como você gostaria que ele fosse. E nunca será mesmo. Você só está vivo para aprender a ser flexível diante das vicissitudes da vida, das contrariedades e frustrações.

Isso é ser universalista na prática: não importa o que estiver acontecendo lá fora, dentro de você o mundo estará um paraíso, pois não haverá mais condicionalidades para ser feliz. Hoje os humanos precisam fazer algo, precisam ter algo, precisam ser algo, precisam estar em algum lugar, para só então, depois de tudo isso, racionalizarem se possuem motivos ou não para estarem felizes. Destruir todas estas condicionalidades para ser feliz é o caminho do universalista. Sem isso você sempre vai depender no mundo externo para alcançar a felicidade. E isso, claro, só vai lhe trazer sofrimento, porque muito raramente vai acontecer o que você acha bom, certo e justo.

Espiritualismo Ecumênico Universal

Léa Cristina Ximenes
Terapeuta Facilitadora Universalista

A importância do silêncio

Pense em alguém que seja poderoso.
Essa pessoa briga e grita como uma galinha ou olha e silencia, como um lobo?
Lobos não gritam.
Eles têm a aura de força e poder.
Observam em silêncio.
Somente os poderosos, sejam lobos, homens ou mulheres, respondem a um ataque verbal com o silêncio.
Além disso, quem evita dizer tudo o que tem vontade, raramente se arrepende por magoar alguém com palavras ásperas e impensadas.
Exatamente por isso, o primeiro e mais óbvio sinal de poder sobre si mesmo é o silêncio em momentos críticos.
Se você está em silêncio, olhando para o problema, mostra que está pensando, sem tempo para debates fúteis.
Se for uma discussão que já deixou o terreno da razão, quem silencia mostra que já venceu, mesmo quando o outro lado insiste em gritar a sua derrota.
Olhe.
Sorria.
Silencie.
Vá em frente.
Lembre-se de que há momentos de falar e há momentos de silenciar.
Escolha qual desses momentos é o correto, mesmo que tenha que se esforçar para isso.
Por alguma razão, provavelmente cultural, somos treinados para a (falsa) idéia de que somos obrigados a responder a todas as perguntas e reagir a todos os ataques.
Não é verdade!
Você responde somente ao que quer responder e reage somente ao que reagir.
Você nem mesmo é obrigado a atender seu telefone pessoal.
Falar é uma escolha, não uma exigência, por mais que assim o pareça.
Você pode escolher o silêncio.
Além disso, você não terá que se arrepender por coisas ditas em momentos impensados, como defendeu um pensador grego, mais de 300 anos antes de Cristo, ao afirmar:

"Me arrependo de coisas que disse, mas jamais do meu silêncio".

Responda com o silêncio, quando for necessário.
Use sorrisos, não sorrisos sarcásticos, mas reais.
Use o olhar, use um abraço ou use qualquer outra coisa para não responder em alguns momentos. você verá que o silêncio pode ser a mais poderosa das respostas.
E, no momento certo, a mais compreensiva e real delas.

Aldo Novak

O Poder das Palavras

As palavras têm poder, cada som, cada sílaba, cada letra é uma vibração que ao falar estamos soltando no ar. As ondas repercutem nos campos sutis das pessoas que as ouvem, mas mais ainda, repercutem em todo o universo, pois tudo está interligado.
É importante conscientizar-se do poder da palavra para utilizá-la sabiamente em nossas vidas.

Mas o pensamento também é energia que se materializa, e mesmo que isso ocorra num plano mais sutil, a influência se manifesta ao nosso redor, pois “tudo o que está em cima, está embaixo”, e portanto tudo está interligado. Todo pensamento é palavra, pois aprendemos a pensar assim. E todo pensamento é energia também, energia da mesma matéria-prima que nosso corpo, que os animais, que as plantas e tudo o que existe incluindo os minerais, o vento, a luz, etc.

Ocorre que há diferenças nas vibrações de cada elemento no universo, assim por exemplo, uma pedra vibra em uma freqüência baixa, por isso pode se tocar e vê-la. Já uma luz, vibra em uma freqüência muito superior, por isso, apesar de a enxergarmos, não podemos tocá-la, já um pensamento não podemos nem sequer vê-lo, mas ele está lá, existe e gera repercussões, mesmo à distância.

O mundo sutil onde as palavras se manifestam, se chama AKASHA. A influência deste mundo, afeta nossas vidas como um todo, não só no presente mas também no futuro.

Cada palavra expressada tem efeito em nossas vidas, e esta influência poderá ser a nosso favor ou contra nós, conforme a idéia nela expressa.

“No início era o verbo”, diz a Bíblia (João,1:1). E o verbo ainda hoje cria o universo humano.

A palavra é muito poderosa, pode condenar, salvar, iluminar e mandar a escuridão, pode fazer adoecer, curar e dar esperança, fazer alguém feliz ou triste. Através da palavra pode-se vampirizar uma pessoa, profetizar ou amaldiçoar. O pensamento correto leva à palavra e à ação corretas, e assim se faz à felicidade conforme dito em Tiago, 3:12-3 no novo testamento :

“Aquele que não tropeça ao falar é realmente um homem perfeito, capaz de refrear todo seu corpo. Quando colocamos um freio na boca dos cavalos, a fim de que nos obedeçam, conseguimos dirigir todo seu corpo.”

O Dhammapada, uma das escrituras do budismo, ensina:

“Tudo o que somos hoje é resultado do que temos pensado. O que pensamos hoje é o que seremos amanhã: nossa vida é uma criação da nossa mente. Se um homem fala ou age com uma mente impura, o sofrimento o acompanha como a roda segue a pata do boi que puxa a carreta. (...) Se um homem fala ou age com a mente pura, a felicidade o acompanha como sua sombra inseparável.”

Assim como a cabeça do cavalo, a palavra vai à frente, abre caminho e define as linhas pelas quais o futuro será construído.

Jesus Cristo ensina em Mateus, 12;34-37 : “A boca fala daquilo de que o coração está cheio. O homem bom do seu bom tesouro tira o bem, mas o homem mau do seu mau tesouro tira o mal. Eu lhes digo que de toda palavra inútil que os homens disserem darão contas no dia do Juízo. Pois por suas palavras você será justificado, e por suas palavras será condenado”.

No Ocultismo, sabemos que cada palavra mesmo que ociosa têm o mesmo poder de uma palavra pronunciada, isso significa dizer que mesmo as palavras pensadas, têm poder sobre o universo, como é pregado pelas várias e antigas tradições religiosas.

Segundo um antigo provérbio tibetano : “As palavras não têm nem pontas, nem corte, mas podem ferir o coração de um homem”.

Sabemos desse poder sobre as outras pessoas, quando somos crianças, nossos pais têm poder sobre nós e vão nos ensinando a entender palavras pronunciadas com vários sentidos, bons ou maus. Conscientizamo-nos de que as palavras têm poder criador e devemos pronunciá-las sabiamente.

No livro da Gênese, na Bíblia, a criação é realizada através do poder da palavra de Deus. Na medida em que Deus falava, sua criação surgia. (lembre-se de que somos a Sua imagem e semelhança).

O poder de Deus fluiu através da sua palavra. Encontramos referência ao poder da palavra em outros livros da Bíblia: "Nossas palavras também podem criar ou destruir", "Abençoai e não amaldiçoeis", "o Espírito Santo opera através da Palavra de Deus" ou o clássica "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus" de João Evangelista.

As forças invisíveis da natureza, influenciam favoravelmente na energia da pessoa que manifesta palavras (mesmo pensadas) de bondade, amor e alegria, já o contrário também é verdadeiro.

O poder da palavra e do pensamento é como o efeito de espadas de fogo. Este fogo, ao passo que ilumina, também pode queimar se não for tomado com cuidado e atenção. O fogo também representa uma força espiritual e tem o poder de transmutar qualquer energia. Assim, simbolicamente, a palavra também tem esse poder. Quem fala sem pensar, também age sem pensar e saber calar é a mais alta sabedoria que existe, além de ser obtida por muita disciplina. Saber calar, como se faz na meditação, faz com que se abram espaços no nosso ser, seduzindo o espírito a se manifestar, e assim obtemos além de autocontrole e saúde, uma maior consciência em tudo o que fazemos.

As palavras profetizam, por isso, antes de dizer algo de ruim para outra pessoa ou se lamentar sobre sua vida, pense, ou melhor, afaste pensamentos negativos, pois isso irá se manifestar no Akasha e certamente posteriormente, se fará em sua vida material.

Por isso, aproveite o livre-arbítrio dado por Deus, (o poder de escolher entre uma coisa e outra), e pense positivo, fale positivo e aja positivamente em sua vida. Desta forma, verá que seu mundo pessoal se iluminará e coisas incríveis acontecerão em sua vida, mas lembre-se; de acordo com suas aspirações é que isso irá ocorrer.

Para Madame Blavatsky, a palavra era uma das principais armas do guerreiro da luz.

Ela não deixava dúvidas: “O nosso lema é e será sempre ‘não há religião superior à verdade’. O que procuramos é a verdade, e, uma vez encontrada, nós a colocamos diante do mundo, aconteça o que acontecer.”

Referências à palavra também são encontradas no “Livro dos Vedas” da antiga religião da Índia, considerados um dos mais antigos documentos da literatura indiana datado de milhares de anos. O termo Veda significa conhecimento. Posteriormente, foi codificado na forma escrita.

Wittgenstein grande pensador ocidental, numa visão empirista e científica, escreveu sobre a palavra : que "os limites de meu mundo são os limites de minha linguagem".

Assim, somente o que é nomeável, ou seja, o que pode ser traduzido em palavras ou pensado, existe.

Os africanos sabem bem do poder da palavra, e não é à toa que lá na África, a palavra é considerada sagrada. Os africanos acreditam que a palavra tem enorme poder que pode ser perdido se for utilizada banalmente. Assim, eles falam somente o necessário, e escolhem muito bem as palavras a serem usadas. Na antiga religião judaica também, as letras do alfabeto são constituídas, cada uma com um poder específico e ligados à manifestação de Deus, e entendidos na antiga tradição cabalística.

Roberto Dantas
Psicanalista Clínico,
Psicoterapeuta, Sociólogo e Escritor.
psiroberto@terra.com.br
www.robertodantas.web.pt

Quando começamos a nos perder

Quando achamos que somos mais importantes do que os outros,
Quando achamos que, ao fazer somente a nossa parte, o mundo vai melhorar
Quando colocamos os valores materiais sempre à frente dos demais,
Quando achamos que o mais importante é vencer na vida,
Quando, para isso, colocamos de lado nossa família e amigos,
Quando o dinheiro se tornou nossa única meta,
Quando achamos que poder é ter dinheiro;
Quando pensamos que tudo que acontece na nossa vida é azar,
Quando pensamos sempre negativamente,
Quando achamos que estamos sozinhos,
Quando não somos capazes de pedir ajuda,
É porque temos que dar um pouco mais de nós!

Velho Sábio

Aprendendo a ser feliz

Às vezes penso que não somos mais felizes porque não queremos. Ou não nos esforçamos o suficiente. A mínima coisa pode mudar nosso humor e, se isso acontece de manhãzinha, para muitos o dia inteiro fica triste.

Talvez, ficando adultos, a gente se torne adulto demais. Perdemos a capacidade de nos alegrar com as coisas pequenininhas, ficamos talvez, guardando o riso para as grandes ocasiões, como as roupas bonitas, fechadas em armários. E se essas ocasiões tardam, então passamos boa parte da vida sem ter aproveitado. Uma pena...

A felicidade é um exercício diário de levantar a cabeça e seguir em frente apesar dos pesares. É não deixar que as tristezas dominem o dia, não deixar que as mágoas sejam mais fortes que as boas lembranças.

Felicidade é reconhecer-se pequeno e dizer-se: agora estou assim, mas nada me impede de abrir a janela e deixar que o sol penetre e traga luz para a minha vida. É sempre possível fazer um esforço... e geralmente são as coisas pelas quais lutamos com nosso coração que dão razão à nossa vida.

Faça da sua felicidade a sua luta. Seu riso será sua vitória!

Letícia Thompson

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Tempo certo

De uma coisa podemos ter certeza: de nada adianta querer apressar as coisas.

Tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto.

Mas a natureza humana não é muito paciente.

Temos pressa em tudo!

Aí acontecem os atropelos do destino, aquela situação que você mesmo provoca, por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo.

Mas alguém poderia dizer:

- Mas qual é esse tempo certo?

Bom, basta observar os sinais.

Geralmente quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, pequenas manifestações do cotidiano, enviarão sinais indicando o caminho certo.

Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, uma observação qualquer.

Mas com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa!

Basta você acreditar que nada acontece por acaso! E talvez seja por isso que você esteja agora lendo essas linhas...

Tente observar melhor o que está a sua volta. Com certeza alguns desses sinais já estão por perto, e você nem os notou ainda.

Lembre-se que o universo, sempre conspira a seu favor, quando você possui um objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento.

Mensagem esparsa

Uma decisão sua

Todo o amor do mundo pode ser dado a você, mas, se você decidir ser infeliz, permanecerá infeliz. E você pode ser feliz, imensamente feliz, por absolutamente nenhuma razão – porque a felicidade e a infelicidade são decisões suas.

Leva muito tempo para perceber que a felicidade e a infelicidade dependem de você, porque é muito confortável para o ego achar que os outros estão fazendo você infeliz.
O ego insiste em dar condições impossíveis, e ele diz que primeiro essas condições precisam ser satisfeitas e
somente então você poderá ser feliz.
Ele pergunta como você pode ser feliz em um mundo tão
feio, com pessoas tão feias, em uma situação tão feia.

Se você observar corretamente, rirá de si mesmo.
É ridículo, simplesmente ridículo. O que você está fazendo
é absurdo. Ninguém está nos forçando a fazer isso, mas insistimos em fazê-lo – e gritamos por socorro.
E você pode simplesmente sair disso; trata-se de seu próprio jogo – ficar infeliz e depois pedir simpatia e amor.

Se você estiver feliz, o amor fluirá em sua direção... não há necessidade de pedi-lo. Essa é uma das leis básicas. Exatamente como a água flui para baixo e o fogo flui para cima, o amor flui em direção à felicidade.

Osho

É preciso ir atrás do seu direito à Divindade

Se a pessoa não perceber a própria divindade, nada terá conquistado, a vida terá sido um fracasso.

E a divindade pode ser percebida, é o direito inato de todos.

Mas é preciso ir atrás desse direito, trabalhar por ele, ser muito criativo com relação a ele, usando toda possibilidade para crescer: crescer além da humanidade, superá-la, tornar-se divino — porque essa é a nossa realidade.

Osho, em "Meditações Para a Noite"

Caem as Máscaras

Quando paro para minhas reflexões, fico-me perguntando,
o porquê que as pessoas que se dizem amigas, amáveis, gentis,
educadas, cortês, que conseguem envolver as pessoas
com esses predicados, não tem tudo isso no coração?

São apenas máscaras que usam para conquistar as pessoas.
Porque se elas fossem como se mostram, jamais quando
um problema se apresenta teriam elas todos os predicados
citados para resolve-los.

Usariam da amizade para ajudar a desvendá-los.
Seriam amáveis e no mínimo procurariam se inteirar do assunto.
A gentileza permaneceria em seu lugar.
A educação jamais deveria perder seu posto.
A cortesia deveria fazer parte do ser humano.

Mas não é bem assim, no primeiro desagrado, essas pessoas
que se colocam perante aos outros com esses predicativos,
os perdem de imediato e mostram quem realmente são.
Passam por cima dos outros como um rolo compressor e ainda
se posicionando como sendo a deles a única verdade.

Não querem entender o que se passou.....
não aceitam nenhuma justificativa, se
considerando os donos do mundo e das verdades.

Amor no coração de pessoas assim, não existe...
Amizade é algo que elas não sabem o valor.
E quando a máscara cai.....
passamos a conhecer quem são elas na sua essência.

São pessoas, no meu entender, complexadas,
problemáticas e amarguradas...
Elas permitem que a tristeza viva nas suas vidas.

Todo aquele "finess" que sempre demonstraram cai por terra.
Perdão é algo que elas desconhecem,
pois afinal na sua concepção,
elas são as melhores pessoas do mundo, o resto é resto!
E assim caem as máscaras, e passamos a conhecer quem realmente elas são.

Teka Nascimento

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Para ativar mais a sua força curativa natural

Por vezes, Deus faz a Sua "força curativa" partir de dentro de nós para nos curar diretamente, mas também, às vezes, Ele nos indica o que devemos fazer de fora para completar essa cura.
A arte médica tem por finalidade eliminar aquilo que está impedindo a ação da força curativa natural; não consiste a arte médica em efetuar propriamente a cura.
Entre os fatores que impedem a ação da força curativa natural estão: a atitude mental incorreta -- ódio, ira, atrito, tristeza íntima, ciúme, ganância, insatisfação, melancolia, decepção, desânimo -- e todos os demais pensamentos e sentimentos negativos e destrutivos.
Eliminando esses pensamentos e sentimentos negativos do subconsciente e substituindo-os por sentimentos alegres e construtivos, e, mais ainda, por sentimento de gratidão, a força curativa natural começará a trabalhar com perfeição,
cessará rapidamente a evolução da doença e logo mais ocorrerá o restabelecimento completo.

Masaharu Taniguchi

Como alcançar a paz mental

A liberdade progressiva e o domínio sobre a própria mente estão perfeitamente dentro das possibilidades de todo aquele que tenha a fé e a vontade de empreender esta conquista. As possibilidades do ser mental não são limitadas; pode ser a livre testemunha e o Senhor em sua própria casa.

O primeiro passo é ter uma mente sossegada. O silêncio é um passo interior, porém, se faz necessário obter previamente o sossego. E por mente sossegada entendo uma consciência mental interior que vê os pensamentos acercar-se dela e mover-se em torno, porém, não se sente a si mesma pensando, nem se identifica com os pensamentos, nem os considera sujos.

Os pensamentos e os movimentos mentais podem passar através desta consciência mental interior tal como os caminhantes aparecem procedentes de qualquer parte e passam através de uma campina silenciosa; a mente sossegada os observa e nem sequer se incomoda de observá-los, porém, em nenhum caso participa na ação ou perde sua tranqüilidade.

O silêncio é mais que o sossego. Pode obter-se desterrando completamente os pensamentos da mente interior, mantendo-os mudos e completamente a parte. No entanto, se estabelece com maior facilidade por uma descida procedente do alto; quando sucede assim, se percebe como desce o silencio, como penetra e ocupa e rodeia a consciência pessoal, que tende então a submergir-se neste vasto silencio impessoal.

As palavras “paz, calma, sossego, silêncio”, têm cada uma delas sua própria matiz significativa, porém, não é fácil defini-lo exatamente.

O “sossego” é um estado no qual não há inquietude nem perturbação.

A “calma” é um estado de sossego inquebrantável que nenhum barulho ou inquietude podem alterar, é um estado menos negativo que o sossego.

A “paz” é um estado ainda mais positivo que comporta uma estabilidade e harmonia e um sentido de liberação e de repouso.

O “silêncio” é um estado no qual não há movimentos mentais ou vitais de nenhum gênero, e no qual existe uma profunda imobilidade que nenhum movimento na superfície pode penetrar ou alterar.

Não é possível construir os fundamentos de yoga se a mente está agitada. O primeiro que se requer é sossego mental. Ademais, a dissolução da consciência pessoal não é o objetivo primordial da yoga; seu propósito fundamental é abrir esta consciência a uma consciência espiritual superior, e para isso também é de primeira necessidade ter uma mente sossegada.

O primeiro que há que se fazer é estabelecer na mente uma paz e um silêncio estáveis (sadhana). Se não fazê-lo assim, será possível ter experiências, porém nada terá de caráter permanente. Somente numa mente silenciosa pode formar-se a verdadeira consciência.

Ter uma mente sossegada não significa a ausência total de pensamentos ou de movimentos mentais, mas sim, que estes permanecem na superfície e que o interior se sente o ser verdadeiro separado, observando-os sem deixar-se arrastar, capaz de vigiá-los e de julgá-los, de recusar todo aquele que tem que ser realizado, e de aceitar e de conservar todo aquele que é verdadeira consciência e experiência verdadeira.

Aspire que a Mãe te conceda este sossego e essa calma bem estabelecidos na mente e esta percepção constante do ser interior dentro de ti, separado da natureza exterior e dirigido até a Luz e a Verdade.

As forças que criam obstáculos no caminho da sadhana são forças da natureza inferior mental, vital e física. Por detrás delas se encontram os poderes adversos dos mundos mental, vital e físico sutil. Tão somente a partir do momento em que a mente e o coração tenham logrado adotar uma orientação unidirecional e se tenham concentrado numa aspiração exclusiva para o Divino se poderá conseguir lutar com êxito contra estes poderes adversos.

O silêncio é sempre uma boa coisa; porém, ao dizer sossego mental não me refiro a um silêncio completo. Quero dizer uma mente livre de desordem e inquietude, firme, ligeira e contente, para que possa se abrir para a Força que tem que mudar sua natureza. O importante é livrar-se da invasão habitual dos pensamentos perturbadores, dos sentimentos falsos, da confusão de idéias e dos movimentos nocivos. Tudo isso altera a natureza e a obscurece e cria obstáculos para a ação da Força; quando a mente está sossegada e em paz, a Força pode trabalhar mais facilmente. É necessário que se possam ver as coisas que temos que modificar sem experimentar nenhum transtorno nem depressão; a mudança se efetua assim com maior facilidade.

A diferença entre uma mente vazia e uma mente calma é esta: quando a mente está vazia não há nela pensamentos, nem concepções, nem ação mental de nenhum tipo, salvo uma percepção essencial das coisas sem formação de idéias; no entanto, quando a mente tenha conseguido a calma, a mesma substância de ser mental é a que permanece tranqüila, tanto que nada a perturba. E si se produzem pensamentos ou atividades, em nenhum caso surgem da mente, senão que vêem de fora e cruzam a mente como um vôo de pássaros cruza o firmamento quando o ar está imóvel. Passam sem alterar nada, sem deixar nenhum traço. Uma mente que tenha alcançado esta calma pode começar a atuar, inclusa, intensa e poderosamente, porém conservará seu sossego fundamental, sem produzir nada de si mesma, porém dando forma mental ao que recebe do Alto sem somar nada seu, com calma e imparcialidade e, sem dúvida com o gozo da Verdade e o poder e a luz felize de sua transmissão.

Não é uma coisa indesejável para a mente desaparecer no silêncio, estar imóvel e livre de pensamentos, uma vez que, ao silenciar-se a mente é quando mais a pequeno se produz a descida completa de uma vasta paz procedente do Alto e, nesta vasta tranqüilidade, a realização do Eu silencioso que está em cima da mente estendido por todas as partes em sua imensidão. O que ocorre somente, é que, quando há paz e silêncio, mental, a mente vital trata de precipitar-se para ocupar o lugar, se bem que a mente mecânica tenta, ao mesmo tempo, com o mesmo propósito, fazer surgir sua gama de pensamentos habituais e triviais. O que se deve fazer é ter o cuidado de recusar e calar esses intrusos de modo que, ao menos, durante a meditação, a paz e o sossego da mente o do ser vital sejam completos. A melhor maneira de conseguir fazê-lo é mantendo uma vontade forte e silenciosa. Esta vontade é a vontade da alma detrás da mente; quando a mente está em paz, quando permanece em silêncio, pode perceber-se a presença da alma, também silenciosa, separada da ação da natureza.

Manter a calma, ser firme e arraigado no espírito, possuir este sossego da mente, esta separação entre a Alma interior e a energia é muito útil, quase indispensável. Porém não é possível manter a calma e estar centrado no espírito enquanto o ser está sujeito ao turbilhão de pensamentos ou dos movimentos vitais. Desapegar-se, apartar-se deles, senti-los separados de si, é indispensável.

Uma grande onda (ou um mar) de calma e a consciência constante de uma vasta luminosa Realidade, tal é precisamente o caráter da realização fundamental da Verdade suprema em seu primeiro contato com a mente e a alma. Não se pode pedir um melhor começo nem melhor fundamento; é como uma grande pedra sobre a qual se pode construir o resto. Isso significa certamente, não só uma presença, senão “a Presença”, e constituirá um grande erro debilitar a experiência por uma falta de aceitação ou por alguma dúvida sobre seu caráter. Não é necessário defini-la, nem é conveniente tratar de configurá-la numa imagem; porque esta Presença é infinita em sua natureza. Tudo aquilo que tenha que manifestar ou exteriorizar de si mesma, o fará inevitavelmente por seu próprio poder, si existe uma aceitação sustentada.

Em verdade, sem duvida alguma, que é uma graça enviada, e a única maneira de responder a uma graça tal é aceitá-la com gratidão e, mantendo-se aberto, permitir ao Poder que tenha tocado a consciência desenvolver o ser no que tenha que ser desenvolvido. A transformação total da natureza não pode fazer-se num momento; requer necessariamente muito tempo e se produz por etapas; a experiência atual é somente o inicio, um fundamento para a nova consciência na qual será possível a transformação. A espontaneidade automática da experiência deve demonstrar por si mesma que não tem nada que ver com uma construção da mente, da vontade ou das emoções; que procede de uma Verdade que está mais além dessas coisas.

Recusar as dúvidas implica, com toda certeza, haver alcançado o controle de nossos próprios pensamentos. Porém, o fato de controlar nossos pensamentos é tão necessário, na yoga e fora da yoga, como o domínio de nossas paixões e de nossos desejos vitais e o controle dos movimentos de nosso corpo. Não é possível sequer alcançar o nível de um ser mental plenamente desenvolvido se não se é capaz de dominar os próprios pensamentos, se não se é sua própria testemunha, seu juiz e seu amo, da alma mental.

Não é menos inconveniente ao ser mental do que ser como uma bola de tênis submetida ao impacto dos pensamentos desordenados e incontroláveis, que ser como um barco a deriva em meio a tempestade das paixões e dos desejos, ou um escravo da inércia ou dos impulsos do corpo. Já sei que controlar os pensamentos é mais difícil, porque o homem, por ser primordialmente uma criatura de energia mental, se identifica a si mesmo com seus movimentos de sua mente e não pode, de repente, dissociar-se e permanecer a margem e livre dos redemoinhos e turbulências da torrente mental. É relativamente fácil para ele exercer um controle sobre seu corpo, ao menos sobre uma certa parte de seus movimentos. É-lhe menos fácil, porém, ainda que perfeitamente possível por meio duma luta efetiva, estabelecer um domínio mental sobre seus impulsos e desejos vitais; porém, sentar-se em cima do torvelinho de seus pensamentos, como o Iogue Tântrico sobre o rio, é menos fácil. Não obstante, também é possível. Todos são homens mentalmente desenvolvidos, aqueles que sobre passam ao término médio, de algum modo, ou a menos num determinado tempo e para certo propósito, tenham tido que separar as duas partes da mente, a parte ativa que é uma fábrica de pensamentos e a parte sossegada e soberana que é uma Testemunha e uma Voluntária, observando os pensamentos julgando-os, recusando-os, eliminando-os e aceitando-os, ordenando correções e mudanças.

O Iogue vai ainda mais longe. Não somente é o senhor de si, como permanecendo de alguma maneira na mente, consegue escapar da mesma sem por assim dizer, e se situa por cima e completamente por trás. Para ele a imagem da fábrica de pensamentos já não é completamente válida; posto que vê como os pensamentos nos vêem de fora da Mente universal ou da Natureza universal, às vezes formados e distintos, às vezes informes e embrionários, em cujo caso recebem forma em alguma parte dentro de nós. A tarefa principal de nossa mente consiste em responder, favoravelmente com aceitação, ou negativamente com repulsa, a essas ondas de pensamentos, ou em dar forma mental pessoal a substância dos pensamentos procedentes da Natureza-Força circundante.

Sri Aurobindo

domingo, 29 de agosto de 2010

Para refletir

"Diz a sabedoria indígena que quando não cumprimos o que prometemos, o fio de nossa ação que deveria estar concluída e amarrada em algum lugar fica solto ao nosso lado.

Com o passar do tempo, os fios soltos enrolam-se em nossos pés e impedem que caminhemos livremente...ficamos amarrados às nossas próprias palavras.

Por isso os nativos tem o costume de "por-as-palavras-a-andar" que significa agir de acordo com o que se fala; isso conduz à integridade entre o pensar, o sentir e o agir no mundo e nos conduz ao Caminho da Beleza onde há
harmonia e prosperidade naturais."

"Saber, e não fazer, ainda não é saber"

Lao Tsé

Iluminação


Por mais difícil que seja para nós acreditarmos nisto, o estado de paz, harmonia e felicidade que tanto buscamos, já se encontra dentro de nós.

Então, por que nos sentimos muitas vezes tão fracos, inseguros e infelizes? Certamente porque, em nossa trajetória de vida, nunca nos ensinaram a olhar para dentro.

Sempre fomos orientados para buscar as saídas no mundo exterior, e que era através da razão e do conhecimento que nos tornaríamos sábios.
Agora, precisamos desfazer este condicionamento, e isto não é fácil.

Aprender que o silêncio e o relaxamento nos levam ao encontro do divino, exige uma entrega e uma confiança absolutas, pois estamos sempre à espera de provas concretas, materiais, para poder embarcar em alguma nova direção.

Mas, precisamos aceitar que estas provas não virão de nenhum lugar, elas só poderão surgir a partir de nossa própria experiência. Somente se estivermos dispostos a insistir, perseverar e manter-nos alertas e conscientes, é que poderemos adentrar nesta dimensão ainda oculta de nós.

Quanto mais insistirmos em obter roteiros, mapas seguros e fórmulas infalíveis, menos chances teremos de obter o que tanto almejamos. No inicio, algum truque como a meditação pode ser necessário, mas apenas para que possamos treinar nossa capacidade de permanecer em estado de total atenção.

A partir do momento em que observar nosso próprio mundo interior se torne algo natural, e a consciência acerca dos pensamentos e dos sentimentos que nos dominam se estabeleça, mais familiarizados nos sentiremos com este desconhecido que habita em nós.

Então, começaremos a vivenciar um estado de ser em que a ausência de desejos e de condições para a felicidade, se torne a única realidade de nossa vida.

Eu finalmente compreendi que eu nunca vou ser iluminado... O que fazer?

Pratima,

Esta é uma grande realização. Ninguém se tornará iluminado, porque a iluminação não é algo que acontece. Já aconteceu, você é iluminado. Você apenas tem que olhar para dentro de si e encontrá-la, já é o caso.

Este é todo o meu tema, que eu estou pregando para vocês, dia após dia, ano após ano. Iluminação não é algo como uma conquista que acontecerá algum dia. Já aconteceu, você está iluminado, não há ninguém que não seja iluminado.

Mas o homem tem a capacidade de lembrar ou esquecer, e vocês têm esquecido. Vocês decidiram esquecer a respeito, vocês estão mantendo-a atrás de suas costas. Ela está aqui, vocês a tem mantido atrás de suas costas por milhões de vidas – mas ela está aqui, e permanecerá aqui. E em algum momento vocês decidirão mudar,- um giro de 180 graus -, você serão surpreendidos: ela sempre tem estado aqui esperando, esperando você virem para casa.

Pratima, você não se tornará iluminado porque você já está iluminado. Eu estou aqui não para fazer você iluminado, mas apenas para relembrá-lo. Apenas para relembrar você, que a função de um Mestre é sacudir você para dentro da vigília.

Deus é seu tesouro. Tudo que você precisa, tudo o que você pode precisar, já está dado. Já é provido a você. Mas vocês não têm buscado dentro de vocês, vocês não tem aberto os tesouros dentro de vocês. E vocês seguem olhando tudo sobre a Terra. Vocês podem seguir olhando e vocês não encontrarão, porque não há algo para ser encontrado. Veja a distinção, a diferença é vasta. É a diferença que faz uma grande diferença.

É como se você tivesse dinheiro em seu bolso, mas tivesse esquecido. E então, um dia, repentinamente, você lembra e ele está lá. Um dia, repentinamente, buscando por algo mais, você a encontrará.

Elisabeth Cavalcante

Iluminação não é algo no futuro, é seu presente. Torne-se consciente disto agora.
É isto.
OSHO - Unio Mystica - Something to be remembered.

O Agora

Este exato momento AGORA é a única coisa da qual você jamais conseguirá escapar, o único fator constante em sua vida.
Aconteça o que acontecer, e por mais que sua vida mude, uma coisa é certa: é sempre o AGORA.
Se não for possível fugir do AGORA, por que não acolhê-lo e tratá-lo bem?

A DIVISÃO DA VIDA EM PASSADO, PRESENTE E FUTURO É UMA CONSTRUÇÃO DA MENTE, EM ÚLTIMA ANÁLISE: ILUSÓRIA.

Passado e futuro são formas pensamento, abstrações mentais.
O PASSADO só pode ser lembrado AGORA.
O que você lembra é um fato que aconteceu no AGORA e do qual você se lembra AGORA.
O FUTURO, quando chega, é o AGORA.
Portanto, a única coisa real, a única coisa que sempre existe,é o AGORA.

Concentrar sua atenção no AGORA, não é negar o que é necessário em sua vida. É reconhecer o que é prioritário. Depois, você poderá lidar mais facilmente com o que é secundário.
Veja o que é prioritário e faça do AGORA seu amigo, não seu inimigo. Reconheça-o, respeite-o. Quando o AGORA é a base e o foco principal de sua vida, ela flui com facilidade.
Sinta a vida em seu corpo.
Isso enraíza você no AGORA.

Enquanto não se responsabilizar por este exato momento - O AGORA - você não estará assumindo qualquer responsabilidade por sua vida.

É POR ISSO QUE O AGORA É O ÚNICO LUGAR ONDE A VIDA PODE SER ENCONTRADA.

O AGORA é como é porque não pode ser de outro jeito.
Assumir responsabilidade por este momento presente é estar em harmonia com a vida.

Quando você passa a dar atenção ao AGORA, cria-se um estado de ALERTA. É como se você acordasse de um sonho, o sonho do pensamento, o sonho do passado e do futuro.

É TÃO CLARO E TÃO SIMPLES.
Não sobra lugar para criar problemas.
Só esse momento, tal como ele é.

Quando concentra sua ATENÇÃO NO AGORA, você se dá conta de que a vida é SAGRADA. Existe algo de SAGRADO em tudo que você percebe quando se encontra no presente. Quanto mais você viver no AGORA, mais vai sentir a simples e profunda alegria de SER e do caráter SAGRADO DA VIDA.

A maior parte das pessoas confunde o AGORA com o que ACONTECE no agora. Mas não é isso.
O AGORA é mais profundo do que qualquer conteúdo queocorre nele.
É o ESPAÇO no qual tudo ACONTECE.
Você sempre ignora o fato mais óbvio: o seu sentido mais profundo de ser não tem nada a ver com o que acontece na sua vida, nada a ver com o conteúdo de
sua vida.

O sentido de ser, de EU SOU, está intimamente ligado ao AGORA.
Ele sempre permanece o mesmo.
Na infância e na velhice, na saúde ou na doença, no sucesso ou no fracasso, o EU SOU, o espaço do AGORA permanece imutável no nível mais profundo. Mas como ele costuma se confundir com o que acontece em sua vida, você sente o EU SOU ou o AGORA muito tênua e indiretamente, através do conteúdo da sua vida.

Em outras palavras: sua noção de ser fica obscurecida pelas circunstâncias, por sua corrente de pensamento e pelos inúmeros fatos que ocorrem no mundo à sua volta.

O AGORA FICA ENCOBERTO PELO TEMPO.

No entanto, é tão simples lembrar a verdade e dessa forma voltar às
origens (...)

Eu NÃO SOU os meus pensamentos, NÃO SOU minhas emoções, minhas percepções sensoriais e minhas experiências.
NÃO SOU o conteúdo da minha vida.

SOU O ESPAÇO NO QUAL TODAS AS COISAS ACONTECEM.
EU SOU A CONSCIÊNCIA.

SOU O AGORA.


Eckhart Tolle

Trechos do Capitulo IV do livro:
"O Poder do Silêncio" de Eckhart Tolle

Postagens Recentes