Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Somente o necessário: Excessos costumam ser mais prejudiciais que as faltas

Embora as pessoas reclamem com imensa frequência daquilo que não possuem, existe outra questão que merece toda a nossa atenção: aquilo que possuímos em excesso.

Aliás, os excessos costumam ser mais prejudiciais que as faltas, mas demoram mais para serem percebidos. As faltas nós notamos imediatamente, os excessos só quando despertam a nossa consciência.

Comemos em excesso (observe você mesmo), trabalhamos em excesso (anda cansado, não é?), guardamos coisas em excesso (dê uma olhada em suas gavetas), nos importamos em excesso com a opinião dos outros... Há um excesso de preocupações e acúmulo de “gorduras” em diversas áreas de nossas vidas.

Em geral, possuímos mais do que necessitamos para ser feliz, mas continuamos insistindo na desculpa de que não somos felizes porque nos falta alguma coisa. E de fato falta: falta assumirmos um estilo de vida mais franco, sincero e liberto.

Tudo o que temos em excesso demanda tempo e energia para ser administrado. Roupas demais, CDs demais, bagunça demais, lembranças demais (fique com as que valem a pena, pelo aprendizado ou felicidade que trouxeram), compromissos demais, pressa demais.

Todos nos beneficiaremos com a prática de determinado nível de minimalismo (sem excessos, porque isso também pode ser demais). Podemos reinventar nossa maneira de viver para viver com o necessário. Não precisa ser o mínimo necessário, pode haver algumas sobras, mas sem os exageros de costume.

Viver melhor com menos. Isso traz uma sensação de leveza e felicidade tão maravilhosa que todos devemos, ao menos, experimentar. Na melhor das hipóteses, aprendemos e adotamos um novo estilo de vida.

Quem está em processo de mudança, reconhece rápido o quanto acumulou de coisas em excesso, e aprende que pode viver tão bem, ou melhor, com muito menos!

Se vamos acampar, somos felizes apenas com uma mochila...

Liberte-se dos excessos de todo o tipo: excesso de informação (aliás, muita coisa é só ruído, nem mereceria sua atenção); excesso de produtos e serviços (consumismo é uma válvula de escape para não olharmos para nossa própria existência e para o vazio que buscamos inutilmente preencher com compras); excesso de relacionamentos (nem todos valem a pena, não é verdade?). Viva mais com menos, experimente algum nível de minimalismo. Permita-se sentir-se livre dos acúmulos e excessos.

Nada é mais gratificante que a liberdade, a sensação de que você se basta sem precisar de um arsenal de coisas, sons e cores a seu redor. Dedique-se a experimentar essa libertadora sensação. Quem sabe viver com pouco, sempre saberá viver em quaisquer situações, mas aqueles que só sabem viver com muito, nas mínimas provações e ausências sofrem e se desesperam. Esses últimos se confundiram com seus excessos... e na falta deles, não se reconhecem.

Nunca sabemos se viveremos com o que temos, com mais ou menos no dia de amanhã, mas se aprendermos a viver com o que é essencial, viveremos sempre bem.


Todo excesso é energia acumulada em local inapropriado, estagnando o fluxo da vida. Excesso de excessos corresponde à falta de si mesmo. E se o que te falta é você, nada poderá preencher esse vazio...

domingo, 2 de junho de 2013

Recuperando o poder pessoal

Ao ouvir a palavra "poder" muitas sensações podem aflorar em nós e nem sempre estas sensações são positivas. Por muitas encarnações ouvimos e também pregamos sobre os males do poder, ou o perseguimos desmedidamente prejudicando a outros causando arrependimento e associando a ele um sentimento de culpa, ou até mesmo já estivemos em posições de muito poder e por isso fomos perseguidos, traídos ou mal interpretados.

Por esses e muitos outros motivos, a situação hoje é que rejeitamos e temos medo de assumir nosso próprio poder. Porém, assim como o dinheiro, o poder não tem culpa do uso que fazem dele. O poder é sagrado, divino, e resgatar nosso poder em toda sua potência faz parte do nosso aprendizado espiritual aqui neste plano.

Neste processo de resgate do poder pessoal nos deparamos com muitas situações que trazemos em nossa bagagem emocional e que precisamos curar para podermos fazer nossa vida deslanchar de vez. É preciso, então, primeiramente humildade para reconhecer nossas próprias fraquezas e identificar as crenças que estão por traz delas.

Ao contrário do que pensam, poder pessoal não está relacionado com dominar ou mandar nos outros, estar acima da lei ou passar por cima de qualquer um para atingir seus objetivos, isso são falhas de caráter. O poder pessoal vem do terceiro chakra (Plexo Solar) e está relacionado com a força e convicção necessárias para definir nossos limites pessoais, confiar na nossa capacidade de ser bem-sucedido e realizar as aspirações de nossa alma aqui na matéria. Este também é o chakra da ação e sem o poder não há ação, nem realização.

Dessa forma, o Plexo Solar relaciona-se com o "amar a si mesmo", o chakra cardíaco com o "amar ao próximo" e o laríngeo com o "amar a Deus", ou seja, sem poder pessoal nossa consciência não tem a estrutura necessária para vivenciar o amor incondicional e muito menos sustentar a união com Deus.

Quando dizemos sim querendo dizer não, quando damos mais atenção à opinião dos outros do que a nossa, quando desvalorizamos nossas vontades e desejos ou quando nos comparamos negativamente em relação a alguém, estamos diminuindo nosso poder e dando-o aos outros.

Para conduzir nossa vida da maneira que desejamos e receber as bênçãos que merecemos, precisamos primeiramente estar do nosso próprio lado. Aprender a nos automotivar e nos autoimpulsionar a irmos para frente, a não aceitarmos menos do que aquilo que merecemos, a não entrarmos na postura de vítima, a não nos deixarmos abater nos momentos difíceis e a não deixar de acreditar em nós mesmos por causa de opiniões alheias.

Poder é a força que dá sustentação para que a alma se sinta segura de estabelecer-se aqui sem sentir-se agredida ou presa por crenças, medos ou culpas captados de pessoas ou do ambiente.

Assumir a responsabilidade pelo que somos, pelo ambiente onde vivemos e pelas situações que criamos, até então, em nossas vidas é essencial para sairmos do papel de vítima e assumirmos nossa qualidade de criadores conscientes daquilo que vivenciamos. Dessa forma, a chave para recuperar o poder pessoal é decidir agora, não importa como você esteja se sentindo, que fará o melhor que pode para extrair o melhor daquele momento. Seja mudando seu foco, sua postura ou sua atitude, desapegue do sentimento atual e busque pensamentos que possam levá-lo a outros sentimentos até que esteja se sentindo melhor.

Outro ponto é a disciplina necessária para insistir na própria cura. Disciplina é fundamental e disciplina é Poder. Disciplina significa que quando você diz algo a você mesmo, você faz. Significa que sua palavra tem valor, que você sabe que pode contar com você mesmo e que não ficará desapontado. A maioria das pessoas não podem contar consigo mesmas, por isso elas associam disciplina com ser metódico ou com falta de liberdade, mas na verdade disciplina é liberdade.


Finalizando, assumir as rédeas da própria vida significa livrar-nos da dependência dos outros para a felicidade, lutar pelos próprios ideais e ir atrás do que desejamos e necessitamos. Assumimos nosso poder quando amamos a nós mesmos em todos os nossos aspectos e respeitamo-nos como seres dignos e sagrados, lembrando sempre que somos todos iguais, mas que a pessoa mais importante de nossas vidas somos nós mesmos.


por Rodrigo Durante

Afaste-se de pessoas que lhe fazem sentir mal

De fato estamos cercados de pessoas tóxicas.
Pessoas que são egocêntricas, manipuladoras, interesseiras, arrogantes, rancorosas, amarguradas, mal amadas, invejosas ou fracassadas, que não conseguem ver o sucesso ou a felicidade alheia. Enfim, pessoas sombrias que minam os relacionamentos e amizades com intrigas, críticas excessivas, falta de consideração e respeito pelo outro e abusos verbais ou físicos. Pessoas muito perigosas de se conviver.

Essas pessoas tóxicas acabam, de alguma forma, nos envenenando. Direta ou indiretamente, acabamos agindo por influência delas, seja com atitudes ou omissões. Muitas vezes acabamos agindo por impulso para evitar essas pessoas, ou, na pior das hipóteses, acabamos agindo da mesma forma. São pessoas nocivas, intoxicando nosso comportamento e nos levando a agir e a tomar decisões que, em outras circunstâncias poderiam ser completamente diferentes.

São "tóxicas", porque conseguem despertar o que há de pior dentro de nós, não apenas no sentido de maldade ou crueldade, mas no sentido de perdermos a identidade, a autonomia, a energia, a iniciativa e o poder de decisão. Ficamos estagnados, hipnotizados, paralisados. São verdadeiros vampiros, sem Luz própria, que consomem nossa energia vital, que exploram e manipulam pessoas de acordo com os seus interesses e vivem às custas da energia dos outros para se sustentarem.

Tóxicas são aquelas pessoas que sabem tudo a respeito da vida das outras pessoas, mas não conseguem administrar a própria vida. Sabem dar conselhos como ninguém (há até terapeutas nessa categoria!) tem um discurso lindíssimo para o mundo lá fora, mas que, na vida pessoal, nos bastidores, na vida íntima, são pessoas frustradas, isoladas, verdadeiras ilhas no meio da sociedade, que não tomam para si os próprios conselhos.

Sabem olhar de fora, apontar defeitos, problemas, erros. Mas não sabem participar, não conseguem enxergar os próprios problemas ou defeitos. Apontam os erros alheios para, de certa forma, esconder os seus próprios. São os "sabe-tudo" e só a sua forma de pensar é que está certa. Não suportam ser contrariados e confrontados. Quando o são, perseguem a pessoa até "livrarem-se" dela ou então se vingam. Seu Ego é Superlativo para compensar a sua extrema falta de Amor-Próprio. Usam as pessoas conforme seus interesses e, quando estas discordam de suas idéias, são descartadas e eliminadas, sem a menor consideração.

A "toxicidade" reside exatamente no fato de não nos darmos conta de que estamos sendo manipulados ou influenciados. Ficamos hipnotizados, fascinados, imersos numa imensa ilusão, até o dia em que despertamos e tomamos consciência de que estamos muito mal, morrendo por dentro, e que algo urgente necessita ser feito. Um corte para a nossa libertação, para resgatar a nossa sanidade, saúde, alegria de viver.
Em nossa busca pela felicidade, por tudo aquilo que nos traz bem-estar e alegria, o grande segredo é não se deixar influenciar, se afastar e evitar a convivência com esses tipos. Isso não significa alimentar sentimentos negativos dentro de si com relação a eles, mas de preferência visualizá-los felizes e agradecidos em sua vida, emanando energias e vibrações positivas.

Reflita, você convive intimamente com alguma pessoa tóxica, seja na família, no trabalho, ou nas "amizades"?
Tenha cuidado, afaste-se, fique longe o quanto antes dessas pessoas...
Cuide-se, preserve-se, seja você mesmo, seja pleno e feliz..
E acima de tudo SEMPRE perdoe essas pessoas,

muitas vezes, elas não tem consciência de seus próprios malefícios.

Postagens Recentes