Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Etiquetas

Uma das coisas mais difíceis para qualquer ser humano é o não julgar. O que chamamos de primeira impressão é em si um julgamento e afirma-se mesmo que é o que conta, o que fica, o que importa.

É difícil colocar-se em lugar neutro diante de um primeiro encontro, um primeiro olhar, uma primeira conversa. Julgar faz parte da nossa natureza e se uma pessoa não causa impressão nenhuma à outra deve haver algo muito errado.

O que não podemos fazer é continuar nessa impressão, sobretudo se for negativa, sem dar ao outro a oportunidade de fazer-se conhecer ou a uma situação a oportunidade de ser esclarecida.

Se julgar pode parecer natural, fechar-se nesse julgamento pode nos impedir de ver o outro com a luz clara do dia, de outra maneira, com outros olhos.

Nesse meu aprendizado da vida, já me enganei muitas vezes e sei que já se enganaram comigo. As pessoas nem sempre são o que parecem e muitas vezes parecem o que não são.

Frequentemente, por detrás de uma capa de indiferença, existe um coração sofrido e endurecido pela vida e que só pede um pouquinho mais de atenção. Escondido atrás de alguém que fala demais pode existir um ser que sente-se infinitamente só.

Se não cavamos a terra e não procuramos, não achamos ouro e os diamantes precisam de muito mais trabalho para serem encontrados.

A simpatia cria laços imediatos e a antipatia direta corta toda possibilidade de encontro real com o outro.

Dizem que quando isso acontece há sempre uma ligação daquela situação a alguma outra coisa, ou seja, se julgamos imediatamente uma pessoa antipática é porque algo nela nos faz lembrar outra pessoa ou outra situação.

Transferimos nossos sentimentos e impressões segundo aquilo que vivemos e não levamos em conta que duas pessoas não são iguais. Deixamos de ver o indivíduo como exemplar único da criação Divina e cometemos um grave erro.

Por que não damos oportunidades, perdemos, invariavelmente, oportunidades.

Nossos corações são cegos e por isso nos fechamos tanto.

Muitas e preciosas são as pessoas preciosas que passam por nós. Algumas, entretanto, precisam de um olhar um pouco mais longo e cheio de atenção.

Se quero que todos vejam a dor ou o amor dentro de mim para que eu possa me justificar, devo agir de maneira igual para com todos. Devo ver além da pele, da situação, da aparência enganosa. Devo me esquecer das etiquetas que colamos sem perceber, devo abrir mais vezes os olhos do meu coração.

Pense nisso...

Letícia Thompson

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Solidão

Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo...
Isto é carência.
Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar...Isto é saudade.
Solidão não é o retiro voluntário que
a gente se impõe, às vezes,
para realinhar os pensamentos...
isto é equilíbrio.
Solidão não é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente para que revejamos a nossa vida...
Isto é um princípio da natureza.
Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado..... Isto é circunstância.
Solidão é muito mais do que isto.
Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma...

Chico Buarque de Holanda

Ser transparente

Às vezes, nos perguntamos por que é tão difícil ser transparente.
Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero e não enganar os outros. No entanto, é muito mais do que isso.
É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que sentimos. É desnudar a alma, deixar cair as máscaras e baixar as armas.
É destruir os imensos e grossos muros que insistimos tanto em levantar e permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche e transborde.
Infelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana.
Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam da profundeza do nosso ser.
Preferimos nos perder na busca insensata por respostas imediatas a simplesmente nos entregar diante de Deus e admitir que não sabemos todas as respostas, que somos frágeis, que temos medo.
Por mais doloroso que seja construir uma máscara que nos distancia cada vez mais do que realmente somos e de Deus, preferimos manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção.
E vamos nos afogando mais e mais em atitudes, palavras e sentimentos que não condizem com o nosso verdadeiro eu.
Não porque sejamos pessoas falsas, mas porque nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor mais intenso.
Com o passar dos anos, um vazio escuro nos faz perceber que já não sabemos oferecer e nem pedir aos que nos cercam o que de mais precioso temos a compartilhar: a doçura, a compaixão e a compreensão.
Muitas vezes sofremos e nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos sozinhos, num silêncio que nos remete à saudade de nós mesmos.
Saudade daquilo que pulsa e grita dentro de nós e que não temos coragem de mostrar àqueles que nos querem bem e que nos amam.
Aprendemos que nos mostrar com transparência é sinal de fraqueza, é ser menos do que o outro. Na verdade, se agíssemos deixando que a nossa razão ouvisse o nosso coração, poderíamos evitar muita dor.

Quando formos surpreendidos pelo sofrimento de qualquer natureza, lembremos primeiramente de Deus, Pai amoroso, que nunca desampara um filho Seu. Fortaleçamo-nos na prece e na fé que conforta e acalma.
Ao partilhar as dores com os nossos afetos, tenhamos a certeza que elas serão abrandadas, pois dividir as angústias, medos e aflições, as torna menores.
Quando partilharmos as alegrias, estaremos fazendo felizes também aqueles a quem estimamos, pois a alegria dos amigos é nossa também.
Expor a nossa fragilidade aos amigos e amores jamais será sinal de fraqueza.
Procuremos, pois, de forma equilibrada, não prender tanto o choro, não conter a demonstração da alegria, não esconder tanto o nosso medo e nossas aflições. Enfim, abandonemos essa ideia de desejarmos parecer tão invencíveis.

Redação do Momento Espírita, com base em texto de autoria desconhecida.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Aprendamos a Viver

Viva cada dia intensamente, não deixando se envolver pela onda de pessimismo.
Se errar, recomece, quantas vezes for necessário.
Sorria mais e dê boas gargalhadas, assim, não haverá tristeza que permaneça ao seu lado.
Console aqueles que estão feridos e verá como o maior beneficiado será sempre você.
Leve otimismo por onde andar, muitos padecem por não encontrarem uma palavra que lhes devolva a esperança.
Não enxergue os desafios com desespero, mas sim com a confiança de que poderá vencê-los.

Chore quando for preciso, reconheça suas fragilidades, mas jamais deixe de acreditar em seu potencial interno, porque ele é enorme.
Ouse sempre e ame cada vez mais, sem bloqueios.
Aprenda com cada lição que a vida lhe apresentar e saiba que ainda há muito a ser aprendido.
Enumere suas qualidades que certamente não são poucas.
Elogie sinceramente, porque um carinho verdadeiro aquece a alma.
Pratique pequenos gestos e compreenda o quanto eles são importantes.
Envie flores para as pessoas especiais, mesmo que as elas sejam em forma de vibração.
Faça uma prece, ligue-se ao Alto e mentalize a imagem do Mestre a nos estender a mão nos momentos de dor.

Busque um novo horizonte e sinta-se capaz de trilhá-lo.
Converse com o Pai, exponha os seus medos e confie, porque Ele não lhe deixará sem resposta.
Liberte-se dos enganos e invista em novos ideais.
Não deixe de prosseguir, quando uma porta se abrir, porque nunca estamos sozinhos.
Levante a cada manhã já com a confiança ao seu lado e assim verá que nenhuma adversidade o abalará.
Não permita que as dificuldades afetem a sua serenidade, acredite que a espiritualidade maior estará ao seu lado, lhe auxiliando.
Conte muitas piadas e jamais deixe que o otimismo e alegria deixem de ser a sua marca.

Cative a todos que encontrar sem se preocupar com retribuição.
Peça ajuda quando for necessário, compartilhe suas dores, busque um ombro amigo e verá como muitas mãos se estenderão, fazendo com que a sua angústia diminua.
Compartilhe os momentos alegres e tristes, lembrando que todos estamos no mesmo caminho, que muitas dúvidas e dificuldades também são comuns aos que estão ao nosso lado.
Pratique o perdão e quando a ferida ainda não tiver cicatrizada e o perdão for difícil, comece pedindo ao Pai que o ajude a limpar o seu coração e enquanto Ele faz isso, procure fazer as pazes com a vida, vivendo mais momentos de alegria, assim, pouco a pouco, a mágoa e o ódio perderão a sua razão.
Se ontem sofreu uma perda, resista ao desânimo, enxugue as lágrimas, descruze os braços e volte a caminhar, lentamente, e verá como outras conquistas chegarão.
Admire a natureza, caminhe pela praia, tenha flores pela casa, admire o canto dos pássaros, alimente um animal e ligue-se intimamente com a obra do Pai, assim, suas energias também se renovarão.

Faça algo novo, um curso ou um penteado diferente, preencha a sua vida com pequenas gotas de felicidades e em breve, elas se multiplicarão e a harmonia fará parte do seu cotidiano.
Cante a sua música predileta, dance mesmo quando não souber, mas não deixe os minutos passarem em vão.
Escreva a sua história, mude, reescreva, adote um novo enredo, você pode, afinal, é o autor do livro de sua existência.
Rasgue as páginas velhas, traga um novo colorido, ouse, escreva palavras de amor, de felicidade e faça com que a sua história venha sempre a valer a pena.
Aproxime-se dos seus amigos e juntos, riam e chorem, compartilhem segredos e aventuras, conheçam novos lugares e descubram que a eternidade irá selar a amizade que hoje existe.
Faça também novos amigos, nunca feche a porta para o novo, muitas outras coisas estão por vir, deixemos que o novo venha fazer parte da sua vida.

Não tenha medo, nada acontece por acaso.
Reveja suas atitudes, analisando se algo não precisa ser mudado, se descobrir que sim, não se envolva com a angústia, e sim com a serenidade que é o primeiro passo para que a mudança ocorra.
Lembre do passado como um aprendizado, não como uma prisão; viva o presente, semeando no hoje os frutos do amanhã.
Não duvide de sua força íntima, porque és uma centelha de luz e como tal ainda tem muito a brilhar, acredite, tome o seu lugar no palco da vida e seja a estrela do espetáculo, você pode, acredite.
Viva o luto, porque se não chorarmos nossas dores, não podemos fechar um ciclo e iniciar outro e a vida é constante renovação, então, não paralisemos nossos passos e nem nos tornemos descrentes, aprendamos a viver.
A vida se renova a cada momento, por isso, devemos acreditar e buscar, com fé e determinação pela renovação.
E com certeza, ela virá...

Sônia Carvalho

Postagens Recentes