Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

domingo, 8 de dezembro de 2013

Um homem mal no céu

Um anjo estava recebendo as almas que acabavam de morrer. Uma fila foi formada e aos poucos foram separando aqueles que iriam para os planos elevados e aqueles que iriam as zonas inferiores.

Um homem, que estava na fila reservada aqueles que deveriam descer as zonas inferiores ficou revoltado e gritou: INJUSTIÇA!

Todos ouviram o grito e prestaram atenção ao homem. O anjo também olhou para ele. O homem prosseguiu:

- Isso nada mais é do que uma grande injustiça! Por que apenas os “escolhidos” podem ir a zonas celestes, e nós, os marginalizados, vamos para zonas inferiores? Somente por causa dos nossos erros na Terra Deus deixou de nos amar? Desafio os anjos de Deus a darem um tratamento igual a todos os seus filhos, aqueles que fizeram o bem e também aqueles que fizeram o mal! Onde está o perdão divino?

O anjo foi na direção do homem e disse:

- Meu filho, já que você está questionando isso, permitirei então que você vá aos planos celestes, você quer?

- Sim, respondeu o homem.

O anjo então deu a mão ao homem e o conduziu a um plano elevado do cosmos infinito, para onde vão as almas bondosas, caridosas, compassivas e humildes.

Assim que chegou lá, o anjo desapareceu. O homem pensou: “Puxa, consegui vir a um local melhor, sem que eu precise ficar sofrendo, que bom!”

Começou a caminhar pelo local. Sentiu uma energia muito calma, tranquila, pacífica. Ele estava acostumado com agitações, barulho, confusões, etc, e por isso começou a sentir um pouco de saudade dos bares, das boates e casas noturnas onde frequentava.

Continuou caminhando, e viu um homem tocando uma melodia belíssima, bem calma. Começou a ouvir um pouco da música, mas rapidamente achou aquela melodia muito chata e monótona. Saiu de lá e continuou caminhando.

Logo depois, viu um senhor ensinando filosofia a um grupo de almas. Parou para ouvir os ensinamentos: o mestre falava de amor, caridade, meditação, paz, e outros princípios sagrados da vida. O homem ficou muito entediado com aquela conversa, não concordava com quase nada do que era dito, sentiu uma certa ansiedade e saiu de lá rapidamente.

Continuou caminhando, mas dessa vez estava sentindo-se mal com toda aquela atmosfera benéfica. Viu a sua volta que se irradiavam pelo espaço correntes de luz branca, e todas as almas que passavam por lá eram transpassadas por aquela vibração divina. Assim que teve contato com essas correntes de pura bondade e harmonia, sentiu-se ainda pior do que antes. Não estava acostumado com energias boas, elevadas, pacíficas. Começou a sentir-se muito angustiado com tudo aquilo. Chegou num ponto em que não estava mais aguentando aquelas vibrações luminosas, aquela paz e bondade. Chegou ao seu limite e resolveu então clamar pelo anjo dizendo: “Ser agélico, por favor, estou me sentindo péssimo aqui. Suplico-te, leve-me para outro lugar!”

O anjo apareceu e o conduziu a uma zona inferior. Mostrou ao homem que lá havia sexualidade desregrada, prazeres, barulho, energias densas, pessoas tomando as coisas das outras, confusão, agitação, etc.

O homem olhou para o anjo e disse:

- Obrigado!

O anjo disse:

- O local onde vivemos e nos sentimos atraídos, tanto na vida física quanto na vida após a morte, tem total relação com nossos desejos, afinidades e nosso modo de ser. As almas vão para onde seus desejos, crenças e afinidades as guiem. Cada qual está no lugar que tem que estar, de acordo com a lei das afinidades e vibrações. Não há qualquer discriminação nem injustiça na perfeição do plano divino.


Autor: Hugo Lapa

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A Gazela e o Leão


Certa parábola africana conta o seguinte:  
Todos os dias a gazela acorda pela manhã. Ela sabe que deverá correr mais rápido que o mais rápido dos leões; caso contrário, será morta.
Um leão acorda todas as manhãs. Ele sabe que precisa ser mais rápido que a mais lenta das gazelas se não quiser morrer de fome.
Não importa se você é uma gazela ou um leão:
Quando o sol nasce, você precisa correr!
Agora, se você teve dificuldades para dar a volta por cima, então precisa manter-se em movimento.
Não importa o que fez você parar ou há quanto tempo você está inativo.
A única forma de quebrar o ciclo é encarar seus medos e tomar uma atitude, mesmo que ela seja pequena ou pareça insignificante. 
Muitas pessoas fracassadas ficam retidas no ciclo do medo. O mesmo acontece aos grandes empreendedores. A diferença é que os empreendedores, quando o sol nasce, começam a correr. 
Quando a questão é recuperar-se das feridas emocionais provocadas pelo fracasso, realmente não importa quão boa ou ruim seja sua história pessoal. A única coisa que importa é que você encare seu medo e comece a correr.
Recuse-se a se concentrar apenas na situação presente.
O que acontece quando nós ficamos presos ao sofrimento presente?
De duas uma, ou nós culpamos alguém, o que pode facilmente nos tornar amargos, ou nos afundamos na nossa autopiedade, o que nos paralisa. 
Nunca conseguiremos prosseguir em nossas vidas enquanto concentrarmos toda a nossa atenção em nossa dor presente.
Vamos, mova-se, aja. Prossiga!

sábado, 23 de novembro de 2013

Lixos existenciais

Se é verdade que a cada dia basta a sua carga, por que então teimamos em carregar para o dia seguinte nossas mágoas e dores? Há ainda os que carregam para a semana seguinte, o mês seguinte e anos afora...

Nos apegamos ao sofrimento, ao ressentimento, como nos apegamos a essas coisinhas que guardamos nas nossas gavetas, sabendo inúteis, mas sem coragem para jogar fora. Vivemos com o lixo da existência, quando tudo seria mais claro e límpido com o coração renovado.

As marcas e cicatrizes ficam para nos lembrar da vida, do que fomos, do que fizemos e do que devemos evitar. Não inventaram ainda uma cirurgia plástica da alma, onde podem tirar todas as nossas vivências e nos deixar como novos. Ainda bem.

Não devemos nos esquecer do nosso passado, de onde viemos, do que fizemos, dos caminhos que atravessamos. Não podemos nos esquecer nossas vitórias, nossas quedas e nossas lutas. Menos ainda das pessoas que encontramos, essas que direcionaram nossa vida, muitas vezes sem saber.

O que não podemos é carregar dia-a-dia, com teimosia, o ódio, o rancor, as mágoas, o sentimento de derrota.
Acredite ou não, mas perdoar a quem nos feriu dói mais na pessoa do que o ódio que podemos sentir toda uma vida. As mágoas envelhecidas transparecem no nosso rosto e nos nossos atos e moldam nossa existência.

Precisamos, com muita coragem e ousadia, abrir a gaveta do nosso coração e dizer: eu não preciso mais disso, isso aqui não me traz nenhum benefício e  eu posso viver sem.
E quando só ficarem as lembranças das festas, do bem que nos fizeram, das rosas secas, mas carregadas de amor, mais espaço haverá para novas experiências, novos encontros. Seremos mais leves, mais fáceis de ser carregados mesmo por aqueles que já nos amam.

Não é a expressão do rosto que mostra o que vai dentro do coração? De coração aberto e limpo nos tornamos mais bonitos e atrativos e as coisas boas começarão a acontecer.

Luz atrai, beleza atrai. Tente a experiência!... Sua vida é única e merece que, a cada dia, você dê uma chance para que ela seja rica e feliz.

Letícia Thompson
"Quem procura colocar os outros a serviço dos seus interesses ganhará, certamente, muitas coisas, mas as perderá ainda mais.
Se a pessoa não faz os esforços necessários, e que lhe cabem fazer, para obter aquilo que deseja em um determinado campo, fica ameaçada pela enfermidade física ou psiquicamente.
Aquele que não exerce as suas faculdades,  torna-se cada vez mais vulnerável, e elas são perdidas. Mas aquele que adota a filosofia do esforço individual, aprende a dominar a própria vontade e se reforça.
A cada dia, descobre em si possibilidades que não lhe eram conscientes e sente uma alegria que nada e nem ninguém lhe pode tirar.
Acreditem, a filosofia do esforço nos revela que a alegria reside no próprio esforço. Por isso, não descarreguem para outros aquilo que vocês mesmos devem fazer.
E se for possível, façam sem a ajuda deles. E ainda acrescentarei que vocês não devem esperar que os esforços lhes sejam impostos de fora.  
São vocês mesmos que devem impô-los."


Omraam Mikhaël Aïvanhov 

É para frente que a vida segue. E o amor também!

A vida vem em ciclos e você precisa saber identificar quando acaba um e quando começa outro! Cada ciclo, cada etapa tem seu valor, seus ensinamentos e seus encantos.

Você não pode ser filho eternamente, nem viver como se fosse um adolescente pra sempre! E muito menos querer manter vínculos com quem não quer mais você! Tudo nessa vida passa: os acontecimentos, os relacionamentos, os empregos, as pessoas, a alegria, a tristeza, até a saúde...

Pra que ficar dando voltas achando que uma fase de sua vida vai voltar, achando que aquela pessoa vai voltar? É um grande erro viver no presente mas sentindo falta do passado. Ou do futuro! O que passou, passou!

Pare de ficar esperando que devolvam o seu passado, viu? Nem tão pouco espere ser reconhecido pelo que você verdadeiramente é! E o que há de vir, virá a seu tempo e na sua hora! Nunca mais perca o seu precioso tempo do presente tentando modificar ou consertar o seu passado.

É para frente que a vida segue, viu? E o amor também! Às vezes se ganha e às vezes se perde! Por isso, aprenda a conviver com as perdas e com os ganhos. Mas continue a viver! Rasgue os papéis velhos, mude de casa, viaje, faça novos amigos, jogue fora os presentes desbotados, dê suas roupas e seus livros que não usa mais... Esqueça de lembrar, pô! Faça a energia girar e fluir!

Você já não é mais a mesma pessoa de ontem. Certo? Já não é mais tão orgulhoso, tão soberbo.... Que bom, né? Veja quanta coisa você construiu aí dentro do seu coração! Veja como você ficou experiente e competente!

Vire a página! Feche a porta! Encerre o ciclo! Passe a régua!

Sabe por que você não precisa ser sempre a mesma pessoa? Porque a vida não é estática! É bom lembrar sempre que nada, nem ninguém é indispensável. Mas você é indispensável!

Assim, continue aquele trabalho pessoal de aprender a conviver com a dor! Aprenda a desapegar-se e desprender-se! Você sabe que isso vai ajudá-lo a seguir em frente com tranqüilidade! Você merece uma vida colorida e cheia de prazeres! Administre bem o seu viver e reencontre o caminho da esperança!

"É essa a vida que você precisa a aprender a viver. O aqui e o agora é todinho seu"



Luis Carlos Mazzini

sexta-feira, 18 de outubro de 2013


Muitas vezes quando nos julgamos muito inteligentes, estamos apenas no meio do caminho que essa palavra significa. Ser inteligente não é saber tudo ou ter a curiosidade de tudo saber. Ser inteligente é tirar proveito das lições da vida, olhar os acontecimentos com objetividade e não permitir que as emoções dominem a situação.

Desistir na metade do caminho só porque alguém disse que seria difícil continuar, não é uma atitude inteligente. É importante continuar e até com mais ânimo e vontade de vencer quando as dificuldades apontarem na esquina. Fazemos isso com as crianças quando queremos obter alguma coisa delas dizendo "aposto que você não vai conseguir" porque sabemos que ela vai pegar aquilo como um desafio e vai se desdobrar em esforços. E por que baixamos os braços, nós, adultos, conscientes e tão sábios?

Há quem diga que tomou esse ou aquele caminho porque não teve opção. É a vida, o que podemos fazer? Devemos aceitar as situações porque esse é o nosso destino. Será? Se fosse assim, melhor seria não fazer nada, se sentar num canto e esperar o destino acontecer.

Temos opções sim, mesmo se não são as que esperamos, as que desejamos. Podemos desistir, podemos perseverar, podemos ficar parados para ver o que acontece. O que não podemos, geralmente, é voltar atrás. Não... nós voltamos atrás nas nossas decisões, mas não nas conseqüências que elas já ocasionaram em nós... e nos outros!

Quando a caminhada parecer longa e dura demais e as pessoas acharem que você vai desistir, encha o peito de fôlego e prove do que você é capaz. Volte a ser criança e aceite o desafio, sem duvidar um instante que você vai conseguir.  Lute até o último instante e se você não mudar a situação, vai ter deixado pelo menos nos outros e em você mesmo a impressão de um batalhador, que não se deixa facilmente vencer.

Não deposite nas mãos de ninguém e em nada a chave para a sua felicidade. Guarde consigo o poder de ser dono da sua própria vida e diga-se que se você for um bom condutor, vai saber evitar acidentes. E se eles vierem, apesar de tudo, nem por isso condene-se! Muitas quedas acontecem para nos acordar para uma outra realidade, para nos ensinar a parar um pouco e, quem sabe, encontrar outras direções e saídas. E caminhar sem parar pode ser extremamente entediante e cansativo.

Guarde no seu coração o amor a si mesmo e aos outros, cultive a fé como arma de luta, como escudo, seja guerreiro na história, nem que seja a sua e vença, porque se o próprio Deus acredita em você, não há razão para duvidar.

Pense nisso...

Muita Paz!



Letícia Thompson

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Estratégias

Um senhor idoso vivia sozinho em sua casa. Ele queria virar a terra de seu jardim para plantar flores, mas era um trabalho muito pesado. Seu único filho, que sempre o ajudava nesta tarefa, estava na prisão. O homem então escreveu a seguinte carta ao filho:

"Querido Filho... Estou triste pois não vou poder plantar meu jardim este ano. Detesto não poder fazê-lo porque sua mãe sempre adorava flores e está na época do plantio. Mas eu estou velho demais para cavar a terra. Se você estivesse aqui, eu não teria esse problema, mas sei que você não pode me ajudar, pois está na prisão. Com amor, Seu pai."

Pouco depois o pai recebeu o seguinte telegrama:

- PELO AMOR DE DEUS, pai, não escave o jardim! Foi lá que eu escondi os corpos!!!

Como as correspondências eram monitoradas na prisão, às quatro da manhã do dia seguinte, uma turma de Agentes da polícia apareceram e cavaram o jardim inteiro, sem encontrar nenhum corpo.

Confuso, o velho escreveu uma outra carta para o filho contando o que acontecera.

Esta foi a resposta:

- Pode plantar seu jardim agora, pai. Isso é o máximo que eu posso fazer no momento.

Moral da estória:

Nada como uma boa estratégia para conseguir o que seria impossível.

Ter problemas na vida é inevitável, ser derrotado por eles é opcional.

Estratégia é tudo!!!

Assim, é importante repensar sobre as pequenas coisas que muitas vezes nós mesmos colocamos como obstáculos em nossas vidas.



Autor(a) Texto: AD

sábado, 5 de outubro de 2013

Transforme-se e tudo se transformará!

Qualquer milagre no mundo material deve ser precedido por uma mudança milagrosa em nossa personalidade. A realidade física e a natureza humana estão intimamente conectadas. Quando criamos uma transformação extraordinária dentro de nós, o universo expressa externamente esta mudança interna.


Yehuda Berg.

A vida está nos olhos de quem sabe ver

É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver.


- Gabriel García Marquez

Nada, mas nada mesmo, é tão sério...

"Olhe para a Vida como se assistisse uma Tragi-Comédia.
A parte Trágica nos faz percebera fragilidade e delicadeza de tudo que nos cerca e constrói, e a nos solidarizarmos com todos os Seres, na Compaixão.
A parte Comédia nos lança em direção ao Coração da Criança, simples, inocente, e que sabe que tudo muda a cada instante, e nada, nada, mas nada mesmo, é sério"


texto por Nirava Prabhodi. Gratidão!

Quando houver conflito, dissolva-o com risadas;

A luta precisa de uma mente muito inconsciente. Se você for um pouco consciente, você não pode brigar, porque a coisa toda parece ser absurda, destrutiva, não ajuda ninguém de maneira nenhuma. E por ela você não está só destruindo o outro, você também está se destruindo e você prossegue destruindo todas as possibilidades de um relacionamento feliz, harmonioso.

É muito fácil ficar com raiva e brigar, mas é muito difícil eliminar esse veneno do sistema, porque isso cria veneno. Esse veneno persiste. Cada briga tem um remanescente e o remanescente irá novamente gerar a mesma situação na qual você começa a brigar novamente. Desse modo, luta gera luta; um conflito gera outro conflito. Eles são muito reprodutivos. Eles não acreditam em nenhum controle da natalidade.

Consciência, atenção, não tem filhos. Ela é bastante em si mesma. Mas a inconsciência gera muitos filhos. Assim basta lembrar mais e mais... apenas apanhe a si mesmo em flagrante. E então não se sinta embaraçado, não se sinta envergonhado. Imediatamente abandone isso aí mesmo. Mesmo que você esteja no meio de uma sentença, pare aí mesmo e dê uma boa risada.

A risada é muito medicinal. Não existe nada como a risada... ela é muito terapêutica. Se as pessoas puderem rir mais, o mundo certamente será melhor. E se as pessoas puderem rir nas situações onde a risada não acontece facilmente, o mundo pode ser tremendamente diferente...realmente um mundo muito feliz.


- Osho, Extraído de: Be Realistic: Plan for a Miracle.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Use sua energia para ser feliz.

Nós somos uma incrível máquina energética e temos vários campos.
Cada campo é um conjunto de atitudes que costumamos tomar.
Ou seja, é o lugar onde a gente se põe.
Por exemplo: por um motivo qualquer você achou que sua irmã era a protegida.
Aí, você se auto-avalia como uma pessoa menor, rejeitada por todos.
À medida que incorpora essa ideia, você cria um campo de rejeição que gera ainda mais rejeição.
É um ciclo vicioso e, por mais que você faça tudo para agradar e ser legal, será rejeitada.
Então, cuidado com o alimento da sua alma.
Se você crê no ruim, cria uma energia negativa em torno de si.
Resultado: não há plano que dê certo.
Os campos regulam nosso destino.
Então, pergunte a si mesma: “Onde estou me colocando?”.
É preciso desenvolver um campo próspero.
Você tem de sair dessa coisa de achar que não tem poder.
Tem, sim. A mensagem pregada pela sociedade é a de que devemos ser modestos.
Assim, você fica aí, acanhada com a sua energia, e as coisas não andam.
Por outro lado, quando veste a ideia do “sou mais eu”, seu campo produz uma realidade positiva.
O que você precisa começar a fazer desde já é cuidar da sua energia, do seu campo.
A ideia é conquistar o próprio poder e, assim, criar apenas campos prósperos. Invista nisso para colher os melhores frutos.

Você Pode


 Você pode estar se sentindo espremido(a), louco para isolar-se de tudo e de todos, chateado com tantas coisinhas, que juntas, perturbam a nossa paz.

 Acreditando até que anda numa fase muito ruim.

 Que tudo para você dá errado e pior: - Que a felicidade não é para você.

 Não acredite nisso!

 A felicidade é um bem que se conquista e está disponível.

 Sempre que alguém acredita e vai a luta.

 Por isso, relaxe e ria!

 Se não dá para sorrir, vamos rir.

 Rir de nós mesmos, das coisas engraçadas que fazemos.

 Das besteiras que pensamos e até cometemos.

 Mesmo que você esteja se sentindo assim, digamos, meio estranho:

 Ainda assim, a vida é bela e só pede uma fita amarela para enfeitar nossos sonhos e recomeçar na estrada que escolhermos.

 E esse é o grande barato da vida.

 Nós podemos escolher o caminho que queremos seguir.

 Nesse momento, ele pode estra cheio de espinhos, mas nada impede você de plantar rosas e frutos.

 Pois o mundo é redondo e sempre volta ao mesmo ponto.

 E na sua volta, encontrará de pronto, um caminho florido.

 Cheio de frutos e sabores que você plantou.

 A esperança é essa menina que estende a mão com um sorriso, e te pede apenas: não desista de você!



 Paulo Roberto Gaefke

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Vida que passa


Haverá dias em que você estará tão feliz,
que vai rir de tudo, até da situação ruim.
Vai dormir como passarinho e acordar cantando.
Todos vão perceber a sua alegria,
e até o que era para dar errado, vai dar certo.

Mas, também haverão dias em que a tristeza vai te pegar.
Se bobear, não vai ter coragem nem para levantar.
Seu rosto vai estampar a dor, seu hálito será um terror.
E até o que era para dar certo vai dar errado.
Aumentando a sensação de infelicidade.
Parece que está numa tumba,
ou vítima de uma macumba...

Mas, a maioria dos nossos dias, passam por passar.
Não prestamos atenção e nos deixamos nos levar.
Dias onde nos surpreendemos com a velocidade do tempo, que passa...
E nos pegamos no fim do mês, acreditando que ainda estamos no meio dele.
E se mal pulamos a semana do Carnaval,
acordamos assustados com os sinos do Natal.

Não deixe os dias escorrer pelos dedos!
Valorize a vida.
Valorize suas conquistas diárias.
Acordar é uma vitória.
Trabalhar é uma honra pessoal.
Estudar é progredir.
Servir é oportunidade de crescimento.
Amar, necessidade urgente.
E a Vida, o seu maior presente.
 
Paulo Roberto Gaefke

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Mania de Explicação

Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue.
Lembrança é quando, mesmo sem autorização, seu pensamento reapresenta um capítulo.
Angústia é um nó muito apertado bem no meio do sossego.
Preocupação é uma cola que não deixa o que não aconteceu ainda sair de seu pensamento.
Dificuldade é a parte que vem antes do sucesso.
Sucesso é quando você faz o que sabe fazer só que todo mundo percebe.
Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer, mas acha que devia querer outra coisa.
Certeza é quando a idéia cansa de procurar e pára.
Intuição é quando seu coração dá um pulinho no futuro e volta rápido.
Pressentimento é quando passa em você o trailer de um filme que pode ser que nem exista.
Vaidade é um espelho onisciente, onipotente e onipresente.
Vergonha é um pano preto que você quer pra se cobrir naquela hora.
Ansiedade é quando faltam cinco minutos sempre para o que quer que seja.
Interesse é um ponto de exclamação ou de interrogação no final do sentimento.
Sentimento é a língua que o coração usa quando precisa mandar algum recado.
Raiva é quando o cachorro que mora em você mostra os dentes.
Tristeza é uma mão gigante que aperta seu coração.
Felicidade é um agora que não tem pressa nenhuma.
Amizade é quando você não faz questão de você e se empresta pros outros.
Desilusão é quando anoitece em você contra a vontade do dia.
Culpa é quando você cisma que podia ter feito diferente, mas geralmente não podia.
Perdão é quando o Natal acontece em maio, por exemplo.
Desculpa é uma frase que pretende ser um beijo.
Beijo é um carimbo que serve pra mostrar que a gente gosta daquilo.
Gostar é quando acontece uma festa de aniversário no seu peito.
Amor é um gostar que não diminui de um aniversário pro outro. Não. Amor é um exagero... Também não. É um desadoro... Uma batelada? Um enxame, um dilúvio, um mundaréu, uma insanidade, um destempero, um despropósito, um descontrole, uma necessidade, um desapego? Talvez porque não tenha sentido, talvez porque não haja explicação, esse negócio de amor ela não sabia explicar...


Adriana Falcão, roteirista e escritora; escreveu “A Máquina” e “Mania de Explicação”, de onde esse texto foi retirado. 

Quando perceber a irritação.

Meu irmão, não creia em milagre. Procure compreender que cada homem vive, sofre, o resultado de sua própria evolução. Para alcançar o equilíbrio é necessário alcançar o autoconhecimento que permite a disciplina pessoal.

Não estrague o seu dia; coragem, o seu mau humor, a sua ira, o seu ódio, não fazem outra coisa senão destruir, criar desolação, angústia, provocando insegurança em todos os que o cercam.

Não esqueça que para vencer a dor o homem precisa conhecer os seus objetivos, saber administrar o seu interior, pois assim fará sublimação com dignidade. A provação aumenta a visão interior, abre os horizontes da alma, liberta o ser.

Mostre a sua boa vontade em qualquer situação. Revele- se, colabore, seja solidário, trabalhe em benefício de todos; guarde a calma, faça a paz, seja sensato.

Intensifique a consciência do bem, estude, pesquise, trabalhe, não reclame, não se deixe amedrontar pelo desânimo; esteja sempre preparado para não perder o sentido inteligente da vida.

O acadêmico da espiritualidade tem certeza de que o exercício do bem se traduz pela luz no espírito, na qual a visão interior amplia os horizontes, elucida, promove grandes transformações.

Na escolaridade da Terra, aquele que compreendeu o seu significado é solidário, respeitoso e justo com o seu igual; está sempre pronto à renúncia do “EU”, portanto sua vida significa dedicação ao trabalho, compreensão, serenidade, esperança, resignação, calma, perdão, amor, paz, humildade, permanente renovação, alegria constante.

O homem que faz autoconhecimento percebe que o silêncio interior é a celebração plena da vida, o encontro do ser com o SER em todo o Universo, dentro de cada um, num processo constante de aprendizado.

Quando você perceber que a irritação está tomando conta de sua pessoa, reaja, procure em seu interior os momentos de alegria vividos, revise os seus ideais, não lastime, caminhe com determinação. A prece e a vigiliatura respondem a todas as questões humanas, são responsáveis pelo equilíbrio.

O homem marca o seu lugar na Terra pela força de seu trabalho, pelo desprendimento, pela renúncia moral, pelo caráter, pela consciência de seus objetivos; a dignidade humana está sempre presente quando a intenção é boa.

Aquele que crê na justiça do Criador é paciente, benigno, aplicado ao bem, caritativo, esperançoso; sabe suportar, esperar, sofrer as provações com altruísmo; reconhece que não há efeito sem causa, tem perene juventude, é feliz sem exigências.

Amor, trabalho, evolução.


Mensagem extraído do livro "Na luta do cotidiano, A força do amor" pelo espírito Leocádio José Correia
Psicografado pelo médium Maury Rodrigues da Cruz 

Eu, melhor!


Qual foi a experiência de vida que transformou você em alguém melhor?
Esta foi a pergunta feita pela redação de uma revista de circulação nacional, aos seus leitores.
A questão gerou uma matéria muito inspirada, intitulada Eu, melhor, apresentando diversos relatos de pessoas e acontecimentos que as transformaram.

Encontros, desencontros, doenças, surpresas. Diversos tipos de experiências foram narradas e, ao final de cada relato havia uma pessoa agradecida e melhor.

Uma delas, ainda muito jovem, lembra o dia em que o pai recebeu o diagnóstico de câncer e veio contar à família.

Pediu que não ficassem tristes pois, caso não conseguisse a cura, aproveitaria mesmo assim a oportunidade para se transformar em alguém melhor.

O homem buscou perdão e reconciliação com familiares. Um dia, ao ouvir de alguém a expressão doença maldita, rebateu dizendo: Para mim, ela é bendita!

Dois meses depois ele morreu. A filha, emocionada, afirma que não só ele se transformou em alguém melhor, mas mudou para melhor a vida de todos ao seu redor.

Seu exemplo é lembrado até hoje e sua conduta sempre será referência para aquele núcleo familiar.

A vida tem costume de surpreender. De repente, aparece alguém que, com um gesto, abre nossos olhos. Ou um acidente no percurso, apontando para novas direções.

Às vezes, é uma viagem ou um encontro programado que segue rumos inesperados e nos transforma.

É a soma de eventos assim, belos e gratuitos, que nos faz melhores, mais fortes, mais maduros.

Pode ser uma soneca no ônibus, um encontro com um desconhecido, um raio que clareia tudo ou a proximidade da morte.

O que importa é olhar para essas experiências e reconhecer que elas nos ensinaram e, do seu jeito, nos fizeram mais felizes.

Sem pedir nada em troca, são pequenas graças plantadas no cotidiano. Como se fossem sinais, apontando para lugares onde podemos ser mais leves e alegres.

Então, quando olhamos para trás e enxergamos o caminho percorrido, só nos resta agradecer, do fundo do coração, à vida, que nos faz uma versão melhor de nós mesmos.

Todas as forças da natureza nos impulsionam para frente, rumo ao progresso inevitável. Progresso da alma, que vai se tornando mais sensível, mais amorosa, mais madura.

Progresso também da mente, mais esclarecida, com capacidade de tomar decisões com mais segurança.

Aproveite esses momentos de reflexão, onde você estiver, para lembrar que experiências fizeram de você alguém melhor, e se você soube ou está sabendo aprender com os acontecimentos da vida.

Todos eles, julgados como bons ou maus por nós, trazem dentro de si o objetivo de depurar o Espírito aprendiz.


Qual foi a experiência de vida que transformou você em alguém melhor... 
Os efeitos destrutivos do ódio são muito visíveis, muito óbvios e imediatos. Por exemplo, quando um pensamento muito forte ou intenso de ódio brota dentro de nós, naquele mesmo instante, ele nos domina totalmente e destrói nossa paz mental.

Nossa presença de espírito desaparece por completo. Quando um ódio ou raiva surge com tanta intensidade, ele sufoca a melhor parte do nosso cérebro, que é a capacidade de distinguir o certo do errado assim como as conseqüências a curto e longo prazo dos nossos atos. Nosso poder de discernimento torna-se totalmente inoperante, sem pode mais funcionar.

É quase como se tivéssemos enlouquecido. Essa raiva e ódio costumam nos lançar num estado de confusão, que só serve para tornar muito mais graves nossos problemas e dificuldades. Logo, ao nos conscientizarmos desse fato, deveríamos tomar a resolução de nunca dar oportunidade para que esse inimigo, o ódio, surja dentro de nós.


Dalai Lama 

Código de Ética dos Índios Norte-Americanos

Levante-se com o Sol para orar.
Ore sozinho. Ore com frequência.
O Grande Espírito o escutará, se você ao menos falar.

Seja tolerante com aqueles que estão perdidos no caminho.
A ignorância, o convencimento, a raiva, o ciúme e a avareza, originam-se de uma alma perdida.
Ore para que eles encontrem o caminho do Grande Espírito.

Procure conhecer-se por si mesmo.
Não permita que outros façam seu caminho por você. É sua a estrada, e somente sua.
Outros podem andar ao seu lado, mas ninguém pode andar em seu lugar.

Trate os convidados em seu lar com muita consideração.
Sirva-os o melhor alimento, a melhor cama e trate-os com respeito e honra.

Não tome o que não é seu.
Seja de uma pessoa, da comunidade, da Natureza ou da cultura.
Se não lhe foi dado, não é seu.

Respeite todas as coisas que foram colocadas sobre a Terra. Sejam elas: pessoas, plantas ou animais.

Respeite os pensamentos, desejos e palavras das pessoas.
Nunca interrompa os outros, nem ridicularize, nem rudemente os imite.

Permita a cada um o direito da expressão pessoal.
Evite as maledicências.
A energia negativa que você colocar para fora, no Universo, voltará multiplicada para você.

Todas as pessoas cometem erros.
Pratique o perdão.

A Natureza não é para nós, ela é uma parte de nós.
Toda a Natureza faz parte da nossa família terrena.

As crianças são as sementes do nosso futuro.
Plante amor no seu coração e regue com sabedoria e lições de vida.
Quando forem crescidos, dê-lhes espaço para que continuem a crescer.

Evite machucar o coração das pessoas.
O veneno da dor causada a outros, retornará a você.

Seja sincero e verdadeiro em todas as situações.
A honestidade é o grande teste para a nossa herança do Universo.

Mantenha-se equilibrado.
Seu corpo Espiritual, seu corpo Mental, seu corpo Emocional e seu corpo Físico, todos necessitam ser fortes, puros e saudáveis.

Pensamentos maus causam doenças da mente, do corpo e do espírito.
Trabalhe o seu corpo Físico para fortalecer o seu corpo Mental.
Enriqueça o seu corpo Espiritual para curar o seu corpo Emocional.

Tome decisões conscientes de como você será e como reagirá.
Seja responsável por suas próprias ações.

Respeite a privacidade e o espaço pessoal dos outros.
Não profane as propriedades de outras pessoas. Especialmente, objetos religiosos e sagrados.

Comece sendo verdadeiro consigo mesmo.
Se você não puder nutrir e ajudar a si mesmo, você não poderá nutrir e ajudar os outros.

Respeite outras crenças religiosas.
Não force suas crenças sobre os outros.

Pratique o otimismo.
Participe com caridade e compartilhe sua boa fortuna com os outros.



Criado pelo "Conselho indígena intertribal norte-americano

sábado, 13 de julho de 2013

Esta existência terrena se assemelha a uma viagem...

A primeira estação, a do embarque, é a mesma para todos, e se chama: Nascimento.

Quanto tempo durará essa viagem, qual a duração de uma vida, quem o saberá...?

Da mesma forma que bela, breve é a vida...

A última estação, a do desembarque, é a mesma para todos, e se chama: Eternidade...

O ingresso na Eternidade é um ato solitário...

Os jornais do mundo continuarão repletos de notícias, carros continuarão a cruzar avenidas e estradas, mas, para aqueles que adentra a Eternidade, já não terão a menor importância...

Desta existência terrena levaremos apenas aquilo que trazemos no coração.

Todo o resto não nos pertence de fato, sendo nos confiado por um breve intervalo de tempo...

Na hora da morte, teremos plena consciência do real valor de cada ato que praticamos...

Colhemos aquilo que plantamos, ações tem consequências...

O corpo físico se assemelha a uma gaiola, e a alma, a uma ave que nela habita.

Existe a matéria...e existe o espírito...

A matéria é limitada pelas leis do tempo e do espaço, pelo visível pelo findável, pelo finito...

O espírito pertence a um mundo sem fronteiras ou limitações, um mundo onde as aparências se desmancham , e as essências reveladas...

Durante um breve lapso de tempo, espírito e matéria dividem o mesmo palco, findo tal prazo, cada qual segue seu rumo...

O corpo material, o necessário abrigo do espírito, recolhe-se ao pó...enquanto que o espírito segue sua jornada pelos mundos invisíveis, eternos, celestiais.Purificar o coração, lapidar a alma, ser solidário, generoso, atento, desperto de modo a estar apto a deixar o palco da vida terrena, quando a hora final chegar, com a sensação de dever cumprido, com uma consciência tranquila...


Pense nisso!

A Pena do filme "Forrest Gump"

( extraído do texto:"A pena de Forrest Gump",
de Marco Antonio Spinelli-Psiquiatra e Psicoterapeuta)

- Vó?
- O que?
- Ontem eu vi de novo aquele filme que você gosta.
- Qual, minha querida?
- Aquele , daquele homem que é meio bobo e fica contando
histórias no ponto de ônibus...

- Ah, sei ... Forrest Gump...
- Isso.
- E você gostou do filme?
- Gostei, mas não entendi uma coisa...
- O que?
- Quando começa o filme, tem uma pena voando, que voa, voa, e cai no
colo do Forrest Gump.
Ele guarda "ela"no livro e começa a contar a história para
um monte de gente.
- Exato.

- Então, no final, ele abre o livro e ela sai voando outra vez.
Para que serve essa pena, heim, Vovó?
- Talvez você não tenha percebido minha linda, ele explica isso no final.

- Forrest Gump não é uma pessoa igual às outras:
ele tem uma inteligência limítrofe.
Não fale que ele é meio bobo que isso é muito feio.
Ele tem uma inteligência de uma criança de cinco anos,
por isso tem dificuldade de entender as coisas
como as outras pessoas.
Você quer saber por que a pena começa voando
até pousar no colo do Forrest Gump, e depois sai
voando de novo, não é?
- Isso.

- Então..., no final do filme, ele conta que na sua vida houve
duas pessoas que o influenciaram muito: uma foi a sua mãe,
a outra, seu amigo, que ele conheceu na guerra do Vietnã,
que é o tenente Dan.

A mãe ensinou para ele que ter uma deficiência não é
desculpa para desistir da vida.
Ela se recusou a colocá-lo em uma escola para deficientes,
e sempre empurrou o filho para frente, ensinou-o
a não se conformar com as suas próprias limitações.

Forrest foi para a escola, estudou, teve um problema
na coluna que o obrigou a usar aquele aparelho horrível,
você se lembra?
- Lembro sim.

- Tem uma cena que é a minha preferida , que é aquela em que os meninos valentões correm atrás dele numa caminhonete.
Eles querem caçoar dele e até machucá-lo, e a sua amiguinha grita:
- Corra, Forrest, corra !

E ele sai correndo, de aparelho e tudo, a caminhonete
atrás dele, os meninos caçoando..., e à medida que ele corria,
o aparelho vai caindo, pedaço por pedaço, e quanto mais
ele se livrava do aparelho ortopédico, mais rápido
ele conseguia correr, mais ele deslanchava, até entrar
correndo em um campo gramado e sumir ao longe,
deixando para trás os seus perseguidores...

- Vó?
- O que?
- Você está chorando?
- Não, ... é que eu esquecí de pingar o colírio
(falou isso enquanto enxugava algumas lágrimas).

- Por que você gosta tanto dessa cena, Vovó?

- Porque eu acho essa cena muito emocionante. Ela tem um significado maior
do que está na tela.
- Qual o significado?

- Na vida, a gente fica tentando endireitar tudo, e às vezes temos que passar muito, muito medo para podermos nos livrar de nossos aparelhos, de nossas muletas.

Forrest descobre que já está pronto, que pode correr como ninguém, e mais longe do que qualquer menino valentão e bobo que se acha grande coisa ...

Olhou para a neta, que a olhava fixamente.
- Vó?
- O que?
- É para isso que temos medo?
- Acho que sim.
- Temos medo para tirar as muletas?
- E os aparelhos. E ir para frente.
- Legal.

- Fala vovó..e a pena?
- É mesmo meu amor, já ía me esquecendo...

Eu te contei que a mãe de Forrest Gump o ensinou a nunca sentar sobre seus problemas, a nunca se intimidar com as suas dificuldades.
Ela ensinou pra ele que, na vida, Deus dá uma série de cartas para a gente jogar o jogo, e temos que aproveitar as nossas cartas do melhor jeito possível.

- E a pena?
- Já vai, já vai... a outra pessoa importante na vida de Forrest Gump é seu amigo,o tenente Dan, certo?
Juntos, eles foram para a guerra, tiveram um pesqueiro, montaram uma empresa e ficaram muito ricos.

E o tenente Dan ensinou que na vida, a gente é como uma peninha levada pelo vento, de um lado para outro, e nunca tem como descobrir para onde vai o sopro de Deus..., nunca a gente sabe para que lado vai a pena.

Fez um silêncio grave.
- Como assim?
- Quando você crescer, vai perceber como nosso destino é caprichoso, meu amor..

Um dia estamos aqui, outro dia estamos lá, como se tivesse alguém assoprando a vida pra lá e pra cá, pra lá e pra cá.

- Quer dizer que a gente não sabe para onde vai essa pena ?
- A gente não sabe... mas, quando você chegar na idade que chegou a Vovó , vai perceber os caminhos misteriosos que a pena toma no ar, até pousar, segura, no colo de Deus.

Mas isso a gente só descobre depois de passar muito tempo tentando
adivinhar.

- Vó?
- Oi?
- O que acontece quando a gente pára de tentar adivinhar
para onde vai essa pena?
- A gente se deixa levar pelo vento, minha querida.

A gente joga da melhor forma que puder, com o máximo de empenho, mas também respeita as linhas do vento.

- Gostou?
- Gostei, gostei muito... sabe, Vó, será que um dia esse vento vai te levar pra longe de mim?
- Não, meu anjo... por mais longe que vão nossas penas,
nosso coração vai estar sempre perto um do outro, tá bom?
- Tá bom.

Ficaram num silêncio de fim de conversa.
- Eu vou brincar um pouco, tá?
- Isso, vai brincar de Forrest Gump.
- Vou correr até cansar.
- Isso. Vai mesmo.


Mal conseguiu disfarçar a voz embargada de lágrimas.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Fingindo ser um “Buda”

Fingindo ser um “Buda”

“Quando todas as outras maneiras de lidar com situações difíceis falham, por que não fingir que você é um Buda?

Sente-se silenciosamente e deixe que a situação – inclusive as circunstâncias externas e suas próprias reações a ela – passem por você como uma onda. Sinta aquilo que estiver sentindo, mas não responda, de maneira alguma.

Em uma cena do filme ‘O Pequeno Buda’, visões sedutoras e imagens assustadoras de exércitos em ataque confrontam Keanu Reeves, mas ele não se move. Imite o artista. Esta técnica pode não ter uma sofisticação espiritual, mas pode ajudá-lo a passar por algumas situações difíceis sem piorá-las. Além disso, quem sabe? Se você imitar um Buda por muito tempo, poderá, de fato, se tornar um.”

Jonathan Landow – Stephan Bodian

Em “Buddhism for Dummies”

terça-feira, 25 de junho de 2013

O tempo perguntou pro tempo...

“O tempo perguntou pro tempo,
quanto tempo o tempo tem.
O tempo respondeu pro tempo,
que o tempo tem o tempo
que o tempo tem”.

A cada um é dado um tempo.
Completo.
Absoluto.
Tempo de plantar...
Tempo de colher...
E, às vezes, os dois.

A todos, sem exceção,
é dada a tarefa de fazer
com o tempo recebido
apenas o necessário.
Nem mais, nem menos.

Ninguém parte cedo
ou tarde demais.
Felizes aqueles que,
aparentemente frágeis,
encontram forças
e corajosamente lançam sementes,
e as regam com lágrimas de amor sem medida,
e, generosos,deixam que outros
colham e saboreiem os frutos que plantaram
ao longo do tempo que lhes foi dado.

Ninguém parte cedo
ou tarde demais.
Porque a cada um
é dado um tempo.
Nem mais nem menos.
Apenas o necessário
para fazer o que é preciso.


Até quem sabe..um dia...em outro tempo!

sábado, 22 de junho de 2013

A vida me ensinou



A Vida me ensinou a compreender as pessoas, pois uma pessoa é diferente da outra.
A Vida me ensinou a Respeitar os animais, eles fazem parte da nossa vida.
A Vida me ensinou que muitas vezes Amamos e não somos Amados na mesma proporção, mas Amar sempre vale a pena.
A Vida me ensinou a Cuidar da flor, ela é sensível e enfeita o mundo muitas vezes Cruel.
A Vida me ensinou a Estender a mão a quem Precisa, embora seja um inimigo.
A Vida me ensinou a Sorrir, embora esteja com Lágrimas nos olhos, o outro pode estar mais Triste do que eu.
A Vida me ensinou que o sofrimento nos faz mais Fortes e assim Compreender melhor o outro.
A Vida me ensinou que de cada pedra encontrada no Caminho, se faça uma escadaria para se chegar ao topo de mais uma Realização.
A Vida me ensinou que a Beleza esta no Coração e não na Aparência.
A Vida me ensinou a Compreender os infelizes que não Conhecem e nem sabem o que é o Amor.
A Vida me ensinou a Perdoar aqueles que não são Amigos, pois não sabem o significado de Amizade.
A Vida me ensinou que a Solidão é bom para refletir.
A Vida me ensinou que a essência da Vida é o Amor.


(AD)

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Somente o necessário: Excessos costumam ser mais prejudiciais que as faltas

Embora as pessoas reclamem com imensa frequência daquilo que não possuem, existe outra questão que merece toda a nossa atenção: aquilo que possuímos em excesso.

Aliás, os excessos costumam ser mais prejudiciais que as faltas, mas demoram mais para serem percebidos. As faltas nós notamos imediatamente, os excessos só quando despertam a nossa consciência.

Comemos em excesso (observe você mesmo), trabalhamos em excesso (anda cansado, não é?), guardamos coisas em excesso (dê uma olhada em suas gavetas), nos importamos em excesso com a opinião dos outros... Há um excesso de preocupações e acúmulo de “gorduras” em diversas áreas de nossas vidas.

Em geral, possuímos mais do que necessitamos para ser feliz, mas continuamos insistindo na desculpa de que não somos felizes porque nos falta alguma coisa. E de fato falta: falta assumirmos um estilo de vida mais franco, sincero e liberto.

Tudo o que temos em excesso demanda tempo e energia para ser administrado. Roupas demais, CDs demais, bagunça demais, lembranças demais (fique com as que valem a pena, pelo aprendizado ou felicidade que trouxeram), compromissos demais, pressa demais.

Todos nos beneficiaremos com a prática de determinado nível de minimalismo (sem excessos, porque isso também pode ser demais). Podemos reinventar nossa maneira de viver para viver com o necessário. Não precisa ser o mínimo necessário, pode haver algumas sobras, mas sem os exageros de costume.

Viver melhor com menos. Isso traz uma sensação de leveza e felicidade tão maravilhosa que todos devemos, ao menos, experimentar. Na melhor das hipóteses, aprendemos e adotamos um novo estilo de vida.

Quem está em processo de mudança, reconhece rápido o quanto acumulou de coisas em excesso, e aprende que pode viver tão bem, ou melhor, com muito menos!

Se vamos acampar, somos felizes apenas com uma mochila...

Liberte-se dos excessos de todo o tipo: excesso de informação (aliás, muita coisa é só ruído, nem mereceria sua atenção); excesso de produtos e serviços (consumismo é uma válvula de escape para não olharmos para nossa própria existência e para o vazio que buscamos inutilmente preencher com compras); excesso de relacionamentos (nem todos valem a pena, não é verdade?). Viva mais com menos, experimente algum nível de minimalismo. Permita-se sentir-se livre dos acúmulos e excessos.

Nada é mais gratificante que a liberdade, a sensação de que você se basta sem precisar de um arsenal de coisas, sons e cores a seu redor. Dedique-se a experimentar essa libertadora sensação. Quem sabe viver com pouco, sempre saberá viver em quaisquer situações, mas aqueles que só sabem viver com muito, nas mínimas provações e ausências sofrem e se desesperam. Esses últimos se confundiram com seus excessos... e na falta deles, não se reconhecem.

Nunca sabemos se viveremos com o que temos, com mais ou menos no dia de amanhã, mas se aprendermos a viver com o que é essencial, viveremos sempre bem.


Todo excesso é energia acumulada em local inapropriado, estagnando o fluxo da vida. Excesso de excessos corresponde à falta de si mesmo. E se o que te falta é você, nada poderá preencher esse vazio...

Postagens Recentes