Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

sábado, 11 de fevereiro de 2012

A dança chamada amor

Eu nunca disse que o amor é destruído pelo casamento. Como pode o casamento destruir o amor? Sim, ele é destruído no casamento, mas é destruído por você, não pelo casamento. Ele é destruído pelos parceiros.

Como pode o casamento destruir o amor? É você que o destrói porque você não sabe o que é o amor. Você finge que sabe, você simplesmente tem esperança de saber; você sonha que sabe, mas você não sabe o que o amor é. Amor tem que ser aprendido; é a maior arte que existe.

Se as pessoas estão dançando e alguém lhe pede, “Venha e dance”, você diz, “Não sei dançar”. Você não salta e começa a dançar e deixa todos pensarem que você é um grande dançarino. Você irá apenas provar que é um bufão. Você não irá provar que é um grande dançarino. A dança precisa ser aprendida – a graça dela, seus movimentos. Você precisa treinar o corpo para isso.

Você não vai e começa a pintar apenas porque a tela, o pincel e as tintas estão lá disponíveis. Você não começa a pintar. Você não diz, “Tudo que é necessário está aqui, então eu posso pintar”. Você pode pintar, mas assim você não será um pintor.

Você encontra uma mulher – a tela está presente. Você imediatamente se torna um amante; você começa a pintar. E ela começa a pintar em você. É claro que ambos demonstram serem tolos – tolos pintados – e cedo ou tarde vocês entendem o que está acontecendo. Contudo, você nunca pensou que o amor fosse uma arte. Você não nasce com a arte; ela não tem nada a ver com seu nascimento. Você precisa aprendê-la. É a arte mais sutil.

Você nasce somente com a capacidade. É claro, você nasce com um corpo; você pode ser um dançarino porque você tem um corpo. Você pode movimentá-lo e pode ser um dançarino, mas dançar precisa ser aprendido. Muito esforço é necessário para aprender a dançar. E dançar não é tão difícil porque só depende de você.

O amor é muito mais difícil. É dançar com outra pessoa. O outro também é necessário para saber o que é dançar. Ajustar-se com alguém mais é uma grande arte. Criar uma harmonia entre duas pessoas... duas pessoas implicam em dois mundos diferentes.

Quando dois mundos se aproximam, uma colisão está fadada a acontecer se você não souber como harmonizar. Amor é harmonia. E felicidade, saúde, harmonia, tudo procede do amor. Aprenda a amar. Não tenha pressa de casar, aprenda a amar. Primeiro se torne um grande amante.

E qual é a exigência? A exigência é que um grande amante está sempre pronto para dar amor e não se sente incomodado se isso irá retornar ou não. Isso retorna sempre; está na própria natureza das coisas. É como se você fosse para as montanhas e você canta uma canção, e os vales respondem. Você viu algum ponto de eco nas montanhas, nos montes? Você grita e os vales gritam, ou você canta e os vales cantam. Cada coração é um vale, se você derramar amor sobre ele, ele irá responder.

A primeira lição do amor é não pedir por amor, apenas dar. Torne-se um doador.

As pessoas estão fazendo exatamente o oposto. Mesmo quando dão, eles dão apenas com a idéia de que o amor deve retornar. É uma barganha. Eles não compartilham, não partilham livremente. Eles partilham com uma condição. Eles vão observando pelo canto do olho se o amor retorna ou não. Pessoas muito pobres... eles não conhecem o funcionamento natural do amor. Você simplesmente derrama, isso virá.

E se não vier, nada com o que se preocupar porque um amante sabe que amar é ser feliz. Se isso acontecer, ótimo; assim a felicidade é multiplicada. Mas mesmo que nunca retorne, no próprio ato de amar você fica tão feliz, tão extático, quem se importa se isso tem retorno ou não?

Amor tem sua própria felicidade intrínseca. Isso acontece quando você ama. Não há nenhuma necessidade de esperar por resultado. Apenas comece a amar. Aos poucos você verá que muito mais amor está voltando para você. A gente só ama e vem a conhecer o que é o amor somente amando. Assim como a gente aprende a nadar somente nadando, amando a gente ama.

As pessoas são muito mesquinhas. Elas estão esperando por algum grande amante aparecer, então elas amarão. Elas permanecem fechadas, recuadas. Elas apenas esperam. De algum lugar uma Cleópatra virá e então eles irão abrir seus corações, mas nessa hora já esqueceram completamente como abri-lo.

Não perca nenhuma oportunidade de amar. Mesmo passeando numa rua, você pode ser amoroso. Mesmo para com o mendigo você pode ser amoroso. Não há necessidade de dar a ele alguma coisa; você pode pelo menos sorrir. Isso não custa nada, mas seu próprio sorriso abre seu coração, torna seu coração mais vivo.

Segure a mão de alguém – de um amigo ou de um estranho. Não espere só amar quando a pessoa certa aparecer. Assim a pessoa certa nunca irá aparecer. Continue amando. Quanto mais você amar, maior é a possibilidade da pessoa certa aparecer, porque seu coração começa a florescer. E um coração florescendo atrai muitas abelhas, muitos amantes.

Você tem sido treinado de uma maneira bem errada. Primeiro, todo mundo vive sob uma impressão errada de que todo mundo já é um amante. Apenas por nascer, você pensa que é um amante. Não é tão fácil assim. Sim, existe uma potencialidade, mas a potencialidade precisa ser treinada, disciplinada. Uma semente existe, mas ela tem que se tornar uma flor.

Você pode continuar carregando sua semente; nenhuma abelha virá. Você já viu alguma vez abelhas vindo para as sementes? Não sabem elas que sementes podem se tornar flores? Mas elas só chegam quando as sementes se tornam flores. Torne-se uma flor, não permaneça uma semente.

Duas pessoas, separadamente infelizes, criam mais infelicidade para cada um quando se juntam. Isso é matemático. Você era infeliz, sua esposa era infeliz e ambos têm esperanças de que ficando juntos serão felizes? Isso é... isso é uma aritmética tão simples, como dois mais dois são quatro. Tão simples assim. Não faz parte de nenhuma matemática complicada; isso é muito simples, você pode contar nos seus dedos. Ambos serão infelizes.

Cortejar é uma coisa. Não dependa do cortejar. De fato, antes de você se casar, livre-se do cortejar. Minha sugestão é que casamento deve acontecer após a lua de mel, nunca antes disso. Só se tudo correr bem, só então o casamento deve acontecer.

A lua de mel depois do casamento é muito perigosa. Tanto quanto eu sei, noventa e nove por cento dos casamentos acabam quando a lua de mel acaba. Mas então você foi apanhado, assim você não tem como fugir. Então toda a sociedade, a lei, o tribunal – se você deixar a esposa todo mundo fica contra você, ou se a esposa lhe deixar todos ficarão contra ela.

Portanto, toda a moralidade, a religião, o padre, todos estão contra você. Na verdade, a sociedade devia criar todas as barreiras possíveis para o casamento e nenhuma barreira para o divórcio. A sociedade não devia permitir que as pessoas casassem tão facilmente. O tribunal deveria criar barreiras – viva com a mulher por pelo menos dois anos, desse modo o tribunal pode lhe permitir casar-se.

Agora mesmo estão fazendo exatamente o contrário. Se você quer se casar, ninguém pergunta se você está preparado ou se é apenas um capricho, só porque você gosta do nariz dela. Que tolice! A pessoa não pode viver só pelo nariz longo. Após dois dias o nariz será esquecido. Quem olha para o próprio nariz da esposa? A esposa nunca parece bonita, o marido nunca parece bonito. Uma vez que se torna familiarizado, a beleza desaparece.

Duas pessoas devem ser permitidas viverem juntos tempo bastante para ficarem familiarizadas, conhecidos um para com o outro. E mesmo que eles queiram se casar, não devia ser permitido. Assim os divórcios desapareceriam do mundo. Os divórcios existem porque os casamentos são errados e forçados. Os divórcios existem porque os casamentos são realizados num clima romântico.

Um clima romântico é bom se você for um poeta... e os poetas não são tidos como bons maridos ou boas esposas. De fato, poetas são quase sempre solteiros. Eles ficam por aí mas nunca são apanhados e desse modo seu romance permanece vivo. Eles vão escrevendo poesias, lindas poesias. A pessoa não devia se casar com um homem ou com uma mulher num clima poético. Deixe que o clima de prosa venha, então estabeleça. Porque a vida do dia a dia é mais como prosa do que como poesia. A pessoa deve ficar bastante amadurecida.

Maturidade significa que a pessoa não é mais um tolo romântico. A pessoa entende a vida, entende a responsabilidade da vida, entende os problemas de viver junto com uma pessoa. A pessoa aceita todas essas dificuldades e assim decide viver com uma pessoa. A pessoa não está esperando que haverá somente paraíso, todas as rosas. A pessoa não está esperando bobagem; ela sabe que a realidade é dura. É áspera. Existem rosas, mas entre elas, existem muitos espinhos.

Quando você se torna alerta para todos esses problemas e ainda assim você decide que vale a pena arriscar e ficar com a pessoa ao invés de ficar só, então se case. Dessa maneira o casamento nunca irá matar o amor, porque esse amor é realístico.

O casamento só pode matar o amor romântico. E o amor romântico é o que as pessoas chamam amor de filhote. A gente não deve depender disso. A gente não deve pensar nisso como nutrição. Pode ser apenas como um sorvete. Você pode comê-lo de vez em quando, mas não dependa disso. A vida tem que ser mais realística, mais em prosa.

O casamento em si nunca destrói coisa alguma. Casamento simplesmente traz à tona o que quer que esteja escondido em você; expõe isso. Se o amor estiver escondido por trás de você, dentro de você, o casamento o expõe. Se o amor era só fingimento, apenas uma isca, então cedo ou tarde tem que desaparecer. E assim surge sua realidade, sua feia personalidade. O casamento é simplesmente uma oportunidade, o que quer que você tenha para mostrar irá aparecer.

Não estou dizendo que o amor é destruído pelo casamento. O amor é destruído pelas pessoas que não sabem amar. O amor é destruído porque em primeiro lugar o amor não é. Você esteve vivendo num sonho. A realidade destrói esse sonho. Do contrário amor é algo eterno, parte da eternidade. Se você crescer, se você conhecer a arte, e você aceita as realidades da vida-amor, então isso vai crescendo a cada dia. O casamento se torna uma tremenda oportunidade de crescer no amor.

Nada pode destruir o amor. Se ele estiver lá, vai crescendo. Mas meu sentir é que, em primeiro lugar o amor não está presente. Você engana a si mesmo; alguma outra coisa estava lá. Talvez o sexo estivesse lá, o apelo sexual estava lá. Assim isso vai ser destruído, porque uma vez que você amou uma mulher, então o apelo sexual desaparece, porque o apelo sexual é apenas com o desconhecido.

Uma vez que você prova do corpo da mulher ou do homem, então o apelo sexual desaparece. Se seu amor era somente apelo sexual assim ele está fadado a desaparecer. Portanto nunca interprete mal o amor por alguma outra coisa. Se o amor for realmente amor...

O que quero dizer quando falo “amor verdadeiro”? Quero dizer que só estando na presença do outro você subitamente se sente feliz, apenas estando juntos você fica extático, apenas a presença do outro preenche algo profundo em seu coração... alguma coisa começa a cantar em seu coração, você entra numa harmonia. Somente a presença do outro lhe ajuda a ficar junto; você se torna mais individual, mais centrado, mais baseado. Isso é amor.

O amor não é uma paixão, não é uma emoção. Amor é um profundo entendimento que alguém de alguma maneira lhe completa. Alguém lhe torna um círculo completo. A presença do outro valoriza sua presença. O amor dá liberdade para ser você mesmo; não é possessivo.

Então, observe. Nunca pense em sexo como amor, senão você ficará decepcionado. Fique alerta e quando você começar a sentir com alguém que só a presença, a pura presença – nada mais, nada mais é necessário; você não pede coisa alguma – só a presença, apenas porque o outro está, é bastante para lhe fazer feliz... alguma coisa começa a florescer dentro de você, mil e um lótus brotam... assim você está apaixonado e então você pode passar através de todas as dificuldades que a realidade cria.

Muitas angústias, muitas ansiedades – você será capaz de superar todas elas, e seu amor estará florescendo cada vez mais, porque todas essas situações se tornarão desafios. E seu amor, superando-os, ficará cada vez mais forte.

Amor é eternidade. Se estiver presente, então ele vai crescendo cada vez mais. O amor conhece o princípio, mas não conhece o fim.

Osho, em "The Discipline of Transcendence"

Tua alma

Tua alma é uma luz - não a extingas...

Tua alma é uma harpa - não a destemperes...

Tua alma é um espelho - não o embacies...

Tua alma é uma flor - não a deixes murchar...

Tua alma é uma fonte - não lhe turves as águas...

Tua alma é um santuário - não o profanes...

Tua alma é um poema - não lhe roubes a poesia...

Tua alma é uma virgem - respeita-lhe a pureza...

Tua alma é um mistério - silencia-lhe os segredos...

Tua alma é um arco-íres - contempla-lhe os primores...

Tua alma é livre - não a escravizes...

Tua alma é um sopro de Deus - defende-lhe a vida divina...

Se tudo isto é tua alma, ó homem, por que não fazes a tua vida à imagem e semelhança de tua alma?...

Não foi o corpo que produziu a alma é a alma que produz o corpo...

É a alma espiritual que arquiteta o edifício material de teu ser...

É a alma que forma as carnes, que difunde o sangue, que arma os ossos,

que distende os nervos, que desdobra a pele que confere vida ao organismo inerte...

É a alma o princípio ativo que domina o elemento passivo...

É a alma que pensa e quer, que sente e ama, que imagina e recorda...

É a alma que de maravilhas de ciência e arte inundou a face da terra...

É a alma que sobrevive imortal ao corpo mortal...

É a alma que para uma vida nova ressuscita a matéria desfeita...

Se tudo isto faz a alma, meu amigo,por que dás ao corpo as 24 horas do dia e nenhuma hora à alma?

Por que não lhe dás, em carinhosa solicitude, ao
menos uma hora por dia?...

Por que não a enriqueces, quando pobre?

Por que não a curas, quando enferma?...

Por que não a libertas, quando escrava?...

Por que não a robusteces, quando fraca?...

Por que não a alimentas, quando faminta?...

Por que não lhe dás de beber, quando sequiosa?...

Por que não lhe dás um banho solar, quando saudosa de luz?...

Por que não a fazes respirar na atmofera divina quando desejosa de Deus?...

Tem caridade com tua alma, ó homem porque tua alma é tua vida...

Tua alma és tu mesmo...

-Huberto Rohden-

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Sempre é tempo de recomeçar...

Em qualquer situação podemos abrir novas portas, conhecer novos lugares, novas pessoas, ter outros sonhos. Renovar o nosso compromisso com a vida e assim, renascer para a vida e alcançar a felicidade.
Não importa quem te feriu, o importante é que você ficou.
Não interessa o que te faltou, tudo pode ser conquistado.
Não se ligue em quem te traiu, você foi fiel.
Não se lamente por quem se foi, cada um tem seu tempo.
Não reclame da dor, ela é a conselheira que nos chama de volta ao caminho.
Não se espante com as pessoas, cada um carrega dentro de si, dores e marcas que alteram o seu comportamento, ora estamos felizes e transbordamos de alegria e paz, ora estamos melancólicos e só queremos ficar sozinhos...
O mundo está cheio de novas oportunidades, basta olhar para a terra depois da chuva. Veja quantas plantinhas estão surgindo, como o verde se espalha mais bonito e forte depois da tempestade.As portas se abrem para os que não tem medo de enfrentar as adversidades da vida, para os que caíram, mas se levantam com o brilho de vitória nos olhos.
Todo o caminho tem duas mãos, uma que seguimos ainda com passos inseguros, com medo, porque não sabemos ainda o que vamos encontrar lá na frente, na volta, mesmo derrotados, já sabemos o que tem no caminho, e quando um dia, resolvemos enfrentar os nossos medos e fazer essa viagem novamente, somos mais fortes, nossos passos são mais firmes, já sabemos onde e como chegar ao destino, o destino é a vitória, o seu destino é ser feliz, eu creio nisso, e você?

Vanessa Pimentel

O outro lado da doença

A maioria das pessoas encara uma doença como se fosse uma provação ou até mesmo um castigo dos deuses. Batemos na madeira, nos benzemos dez mil vezes, passamos por baixo do arco-íris se preciso for… Fazemos de tudo para evitar doença – xô xô xô! Pelo menos tentamos.

Sim, porque as doenças em geral exigem que mudemos a nossa rotina, que tenhamos despesas extras com consultas médicas, medicamentos, tratamentos, etc e, dependendo do caso, que até deixemos de trabalhar por alguns dias. E, tudo isso é muito incômodo, penoso até, porque gastar é complicado e mudar é mais ainda.

É claro que ter saúde é o ideal de qualquer um de nós. Para se viver bem, ter equilíbrio emocional, muita disposição para enfrentar esse nosso dia-a-dia recheado de estresse e dar conta das nossas incontáveis incumbências multidisciplinares, é preciso, antes de qualquer coisa, ter saúde. De nada adianta termos uma situação profissional e financeira estável, uma casa bem montada, um relacionamento maravilhoso se não tivermos saúde. Saúde é fundamental, é básica, vem em primeiro lugar.

Mas aí, quando do alto das nossas vidas super bem organizadas, com tudo funcionando como manda o figurino, nos deparamos com uma doença, a nossa primeira reação é nos sentirmos vítimas, às vezes até nos revoltar ou achar que não merecíamos aquilo de forma alguma. De repente, a vida da gente vira de cabeça para baixo, perdemos o chão, as cartas se embaralham, e só nos resta apontar o dedo para quem veio tirar o nosso bendito sossego: a famigerada doença!

Mas será que as doenças só aparecem para nos dar despesas, desmanchar a nossa vida arrumadinha e nos tirar do sério? Será mesmo? Será que todo esse incômodo não teria nenhum objetivo útil? Ou será que viria para nos mostrar alguma coisa, que de outra feita jamais perceberíamos?

Vivemos num tempo em que cada vez mais se consolida o entendimento de que a doença tem um outro lado: o de chamar a atenção do doente para aspectos da sua personalidade que precisam de aperfeiçoamento. Ou seja: a doença provoca toda uma revolução na vida do doente para lhe dizer que há alguma coisa na sua vida que precisa de reformulação. Exatamente por isso, vem com força e fazendo tanta arruaça. Mas é preciso afinar os sentidos para entender a mensagem que a doença vem trazer.

Profissionais de saúde consagrados internacionalmente, como por exemplo o dr. Deepak Chopra, a dra. Candace B. Pert, o médico e psicoterapeuta Rudiger Dahlke, o psicólogo Thorwald Dethlefsen, a filósofa Louise Hay, o dr. Edward Bach, entre outros, através das suas obras vêm lançando luz sobre esse assunto que ainda não é compreendido em toda a sua dimensão pela grande maioria.

O dr. Rudiger Dahlke, em seu livro A doença como caminho afirma que a medicina convencional, apesar de oferecer soluções concretas e intervenções eficientes para os casos de emergência, falha no que diz respeito à cura das doenças, porque perdeu de vista que o ser humano é um todo composto pelo corpo e pela alma que, juntos, formam uma unidade.

O famoso médico inglês, dr. Edward Bach, descobridor do sistema de cura natural dos remédios florais, sustenta que o indivíduo adoece quando contraria o desejo da sua alma, ou seja, quando não ouve o seu coração.
Em seu best-seller Você pode curar a sua vida Louise Hay se aprofunda no tema e correlaciona os sintomas das mais variadas doenças à emoção e ao pensamento que os originaram.

Essa forma de entender a doença, aliás, não é bem o que se pode chamar de novidade. Na verdade, as medicinas tradicionais e milenares como a Medicina Ayurvédica (hindu) e a Medicina Chinesa interpretam as doenças como desequilíbrios da pessoa como um todo. A maneira como a pessoa sente, vê e vive a vida, como se relaciona, o tipo de trabalho que desempenha, o que realiza, assim como o que não consegue realizar… tudo isso entra na composição das variadas doenças que acometem o ser humano.

As medicinas tradicionais, assim como os experimentos e descobertas desses eminentes pesquisadores nos revelam que a dor que originou um câncer de estômago, por exemplo, na verdade, é uma dor que se instalou na alma e que não foi digerida. Assim como as doenças de pulmão expressam profundas tristezas. Da mesma forma que os problemas cardíacos surgem quando a pessoa não dá vazão aos seus sentimentos, não se atreve a demonstrá-los ou não ouve a voz do seu coração. E, por aí vai… a lista é grande.

O dr. Edward Bach afirmava que a experiência de cada indivíduo em relação a tudo o que lhe acontece é única, por isso, não existem doenças, mas sim doentes. O grande médico inglês dizia que era preciso tratar o doente e não a doença.
É por isso que nem todo mundo desenvolve câncer, fica diabético, hipertenso ou é contaminado por uma epidemia de gripe. Cada pessoa reage de forma diferente às mesmas doenças, que são causadas por fatores internos e, não externos.

Não existem fatos isolados. A vida é uma trama misteriosa e infindável, na qual estamos inseridos e conectados a tudo que existe. Absolutamente tudo, começando pelo nosso corpo que funciona em uníssono e, em conjunto com as nossas emoções e pensamentos. Somos conectados aos nossos semelhantes e ao meio ambiente, incluindo todos os reinos da natureza.

A maneira como funcionamos dentro dessa mega trama vai determinar o nosso padrão de saúde e os tipos de doença aos quais nos tornamos suscetíveis. Afinal, a doença faz parte da nossa trajetória em busca do equilíbrio. Para vencermos a doença, precisamos compreendê-la, para que possamos compreender a nós mesmos.

E a única forma de compreendermos a doença e ouvirmos a mensagem que ela vem trazendo para nós, é nos conectarmos profunda e sinceramente com tudo o que nos cerca, começando por nós mesmos.

fonte: http://alternativassaudaveis.com.br

A síndrome do blá blá blá

Você é uma dessas pessoas que quando entra numa roda de conversa magnetiza todo mundo falando o tempo todo e discorrendo sobre o assunto e deixando o resto do grupo com aquela cara de quem perdeu a língua?
E no final, ainda se sente o rei ou a rainha da cocada preta?
Ou você é uma dessas pessoas que quando alguém, um amigo, sei lá, chega para contar alguma coisa, você simplesmente ignora a história dele e atropela contando as suas experiências relacionadas àquele assunto? O amigo, em geral, fica com aquela cara de tonto e se pergunta arrependido: por que eu ainda insisto em conversar com ela…?

Tem muita gente que tem uma espécie de desejo incontrolável de se sobressair nas interações com as outras pessoas, através da fala. Não importa qual seja o assunto ou quem esteja na frente delas. Em frações de segundos, tudo ao redor passa a ser secundário e invisível. O que importa é a força na língua, o que elas têm para dar e vender, para falar, falar, falar… até o sol raiar. Vichii! Será que esse comportamento extremamente desagradável é movido por uma necessidade premente de provar algo muito importante para elas? Será que é uma tentativa de ter poder?
Alguém aí arrisca um palpite?

Já vi pessoas que não deixam nem professores falarem. Quando os coitados começam a entrar em um assunto, seja em salas de aula, em conferências, seja em oficinas de congressos, nas ocasiões mais inconvenientes … essas pessoas os interrompem e como se estivem em grandes tribunas despejam seus discursos inflados tentando desesperadamente mostrar as suas presunçosas aquisições intelectuais. E, com certeza, se achando “o máximo”! Parecem não perceber que além de atrapalharem os colegas e desrespeitarem os professores, estão pagando o maior mico. Caramba!

Sei de um caso, que considero extremo, de um psicoterapeuta que diante dos pacientes que começavam a falar dos seus problemas, engatava um desabafo intempestivo dos problemas dele, deixando os pacientes apavorados e sem coragem de abrir a boca. O maluco se colocava no seu próprio divã às custas dos pobres pacientes. Ninguém merece! Se não fosse trágico, seria cômico!

Na maioria das vezes, essas pessoas são muito inteligentes, articuladas, brilhantes, com um talento inato para verbalizar suas ideias e pensamentos quase que automaticamente. Mas será que essas pessoas são mesmo boas comunicadoras?
Afinal o que é ser um bom comunicador ou uma boa comunicadora?
Segundo Reinaldo Passadori, consultor e especialista em comunicação, o bom comunicador é aquele que se coloca no lugar do outro, é aquele que faz pausas, para que as pessoas apreendam o que está sendo dito. Segundo Passadori, o bom comunicador é aquele que espera pelo feedback do seu interlocutor, o bom comunicador é aquele que leva em consideração a pessoa com quem está se comunicando.

Portanto, se você é uma dessas pessoas, fique ligada! Porque além de estar correndo o risco de sair perdendo profissionalmente, você pode perder boas amizades e ainda ganhar a fama de ser uma pessoa inconveniente, que é uma forma compassiva de chamar uma pessoa de chata! Faça as pazes com o seu Mercúrio, faça promessa para São Gabriel, padroeiro das comunicações, sei lá, dê o seu jeito. SE LIGA!

fonte: http://alternativassaudaveis.com.br

Erupção (labareda) solar e como nos afeta ?



Recentemente estamos experimentando uma quantidade enorme de atividade no Sol, o que está afetando tanto a Terra quanto os seres humanos.

Que é exatamente uma erupção (labareda) solar e como nos afeta ?
Uma erupção solar é uma tempestade magnética no Sol, que aparece como um ponto muito brilhante e uma erupção gasosa na superfície, tal como a fotografia acima. As labaredas solares liberam enormes quantidades de partículas de alta energia e gases que são tremendamente quentes.
São lançadas a milhares de quilômetros da superfície do Sol.
Segundo Mitch Battros – no site Cambios em La Tierra,
“Uma das melhores profecias/predições conhecidas de nossos
anciãos maias é a mensagem de uma mudança de paradigma
de nossa era. Nas palavras dos maias, se diz que agora estamos em uma época de “mudança e conflito”.

A mudança está chegando do “exterior” em forma de mudanças climáticas, fenômenos naturais, distúrbios celestes (labaredas solares) e traumatismos auto-infligidos, causados pelo homem.
O conflito vem desde o “interior” em forma de desafio pessoal, dor, confusão, depressão ansiedade e medo. Diz-se que estamos “na encruzilhada”. Um tempo para escolher um novo caminho, decidindo sobre uma nova direção individual e da comunidade, aventurando-nos no desconhecido, encontrando nossa verdadeira identidade do Ser.

Outros optarão por ficar no mesmo caminho, ficar com o conhecido e fazer um grande esforço para manter a “previsibilidade”.”
Um estudo recente publicado na revista New Scientist, indica uma conexão direta entre as tempestades solares do Sol e o efeito biológico humano.

O canal que facilita às partículas carregadas do Sol perturbar os humanos é o mesmíssimo canal que dirige o clima da Terra através do campo magnético terrestre, e também através dos campos magnéticos que circundam os humanos.
As recentes tempestades geomagnéticas estão causando os últimos acontecimentos nas mudanças terrestres, em forma de terremotos, erupções vulcânicas, furacões, tornados e tempestades de vento.

A ATIVIDADE GEOMAGNÉTICA DO SOL INFLUI EM NOSSOS PENSAMENTOS
É sabido que a atividade solar influi na consciência humana.
As labaredas solares afetam:
- O sistema nervoso central (revestimento do estomago)
- toda atividade do cérebro (incluindo o equilíbrio)
- junto ao comportamento humano e todas as respostas psico-fisiológicas (mental-emocional-fisica)

As labaredas solares podem nos causar os seguintes sintomas:
- nervosismo
- ansiedade
- preocupação
- enjôos (como nas viagens por mar )
-instabilidade
- tremores
- irritabilidade
- letargia
- esgotamento
- problemas de memória a curto prazo e palpitações do coração
- náuseas
- intranqüilidade
- pressão prolongada e dores na cabeça

Você teve ultimamente alguns destes sintomas ?
As labaredas solares e as ondas de fótons estão mudando a trama de nossa realidade física, uma vez que tem um poderoso efeito em nosso nível físico celular, causando o despertar e conhecimento de nossa memória celular.
Frequentemente experimentamos isto como se o corpo estivesse se aquecendo em um calor intenso.

Nossas emoções são energias de baixa freqüência armazenada em nossas células como experiências passadas e traumas que tivemos e nunca foram assimilados – pelo que são armazenados como memória celular. A energia fotônica é uma energia de freqüência muito mais alta que eleva a freqüência emocional mais baixa, de maneira que se possa trazê-la a uma freqüência mais alta... Portanto, encontramos a nós mesmos liberando estas baixas emoções como a tristeza e a dor sem saber porque.

Isso terá uma duração de uns 20 minutos e ficamos nos perguntando de onde vieram estes sentimentos, sem aviso, do nada. Os elementos de nossa planilha estão interconectados na consciência celular e quando a planilha é amplificada através de energias de fótons, diversos elementos dela se filtram para a consciência e começamos a recordar nosso verdadeiro propósito.
Somos impulsionados ou pressionados a fazer mudanças em nossa vida mas não nos damos conta do porquê.

O fato interessante a respeito desta energia é que, apesar de uma freqüência mais alta, ela cria o poder de manifestação instantânea de nossos pensamentos, o que significa que, seja lá o que pensemos, criamos no mesmo instante. Isto nunca havia ocorrido antes em nossos lapsos de vida e é por isso que muitas pessoas estão escrevendo livros sobre o tema do “Poder de Atração”.

A energia fotônica se liga a nossos pensamentos, pelo que é importante que saibamos o que queremos pois, do contrário vamos criar mais daquilo que não queremos.
Se você está no processo de mudança e transformação, esta energia funciona bem para você.
Por outro lado, se você está agarrado ao passado através da vitimização e da ira, você simplesmente manifestará mais razões para permanecer agarrado à vitimização, até que esteja pronto para liberá-la.
Nota: Os textos antigos nos dizem que olhemos para os céus, já que estes criaram o catalisador que poderia provocar uma mudança na Terra nestes tempos.

OS EFEITOS DE RECENTES LABAREDAS SOLARES

Muita gente atualmente se sente agitada e inquieta.
As labaredas solares podem romper os velhos padrões que já não são necessários, para que possam surgir os novos. Isto pode fazer-nos sentir agitados e esgotados ao mesmo tempo. Também pode causar estragos com a tecnologia, nos computadores.
Temos começado a notar muitos sintomas novos:
- o tempo e o espaço estão começando a cambalear ainda mais erraticamente do que antes.
- parece que estamos perdendo facilmente a noção do tempo
- perdemos as palavras quando estamos falando
- o dia simplesmente desaparece
- não estamos dormindo muito bem... outra vez
- damos um monte de voltas na cama durante a noite e muitos estão tendo sonhos estranhos
- estamos sentindo que surge uma enorme energia no corpo, seguida de grandes baixas de energia
- recebemos muitas notícias de náuseas e dores no corpo, mal-estar e enjôo (como a bordo)
- muitos sentem uma profunda dor
- alguns sentem como se estivessem caminhando sobre a água (sem razão aparente)
- outros disseram que quando fechavam os olhos à noite, tudo estava girando
- foram produzidos:
_ alterações visuais
_ problemas no ouvido interno
_ zumbido nos ouvidos
_ problemas na tireóide e garganta
_ pés frios
_ até um sintoma raro de secura na língua

Você tem experimentado alguns destes problemas ?
Não há o que temer... somente esteja consciente do que isso é e descanse mais e beba muita água.
Isto também passará ..

Por Heather Carlini
Fevereiro de 2011.
No site CarliniInstitute

Traduzido do espanhol por Lélia Zanfranceshi para Anjo de Luz

Fonte: http://www.anjodeluz.net/

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Maneiras de dizer as coisas

Certa feita, um sultão sonhou que havia perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar um adivinho para que interpretasse seu sonho.

- Que desgraça, senhor! Exclamou o adivinho. Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.

- Mas que insolente – gritou o sultão, enfurecido. Como te atreves a dizer-me semelhante coisa? Fora daqui!

Chamou os guardas e ordenou que lhe dessem cem açoites. Mandou que trouxessem outro adivinho e lhe contou sobre o sonho.

Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:

- Excelso senhor! Grande felicidade vos esta reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.

A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo adivinho. E quando este saía do palácio, um dos cortesãos lhe disse admirado:

- Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega havia feito. Não entendo porque ao primeiro ele pagou com cem açoites e a você com cem moedas de ouro.

- Lembra-te meu amigo – respondeu o adivinho – que tudo depende da maneira de dizer…

Um dos grandes desafios da humanidade é aprender a arte de comunicar-se. Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, a paz ou a guerra.

Que a verdade deve ser dita em qualquer situação, não resta duvida. Mas a forma como ela é comunicada é que tem provocado, em alguns casos, grandes problemas. A verdade pode ser comparada a uma pedra preciosa. Se a lançarmos no rosto de alguém pode ferir, provocando dor e revolta. Mas se a envolvemos em delicada embalagem e a oferecemos com ternura, certamente será aceita com facilidade.

A embalagem, nesse caso, é a indulgência, o carinho, a compreensão e, acima de tudo, a vontade sincera de ajudar a pessoa a quem nos dirigimos.

Ademais, será sábio de nossa parte, antes de dizer aos outros o que julgamos ser uma verdade, dize-la a nós mesmos diante do espelho.

E, conforme seja a nossa reação, podemos seguir em frente ou deixar de lado o nosso intento. Importante mesmo, é ter sempre em mente que o que fará diferença é a maneira de dizer as coisas…

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Siga o seu Coração, Ele é mais Inteligente do que Você pensa.

Siga o seu Coração, Ele é mais Inteligente do que Você pensa - Josef Karel Tlach

O coração é também o primeiro órgão formado no útero. O resto vem depois.

Recentemente, neurofisiologistas ficaram surpresos ao descobrirem que o coração é mais um órgão de inteligência, do que (meramente) a estação principal de bombeamento do corpo. Mais da metade do Coração é na verdade composto de neurônios da mesma natureza daqueles que compõem o sistema cerebral. Joseph Chilton Pearce, autor de A biologia da Transcendência, chama a isto de ”o maior aparato biológico e a sede da nossa maior inteligência.”

O coração também é a fonte do corpo de maior força no campo eletromagnético. Cada célula do coração é única e na qual não apenas pulsa em sintonia com todas as outras células do coração, mas também produz um sinal eletromagnético que se irradia para além da célula. Um EEG que mede as ondas cerebrais mostra que os sinais eletromagnéticos do coração são muito mais fortes do que as ondas cerebrais, de que uma leitura do espectro de freqüência do coração podem ser tomadas a partir de três metros de distância do corpo … sem colocar eletrodos sobre ele!

A freqüência eletromagnética do Coração produz arcos para fora do coração e volta na forma de um campo saliente e arredondado, como anéis de energia. O eixo desse anel do coração se estende desde o assoalho pélvico para o topo do crânio, e todo o campo é holográfico, o que significa que as informações sobre ele podem ser lidas a partir de cada ponto deste campo.

O anel eletromagnético do Coração não é a única fonte que emite este tipo de vibração. Cada átomo emite energia nesta mesma frequencia. A Terra está também no centro de um anel, assim é o sistema solar e até mesmo nossa galáxia … e todos são holográficas. Os cientistas acreditam que há uma boa possibilidade de que haja apenas um anél universal abrangendo um número infinito e interagindo dentro do mesmo espectro. Como os campos eletromagnéticos são anéis holográficos, é mais do que provável que a soma total do nosso Universo esteja presente dentro do espectro de freqüência de um único anel.

Isto significa que cada um de nós está ligado a todo o Universo e como tal, podemos acessar todas as informações dentro dele a qualquer momento. Quando ficamos quietos para acessar o que temos em nossos corações, nós estamos literalmente conectados à fonte ilimitada de Sabedoria do Universo, de uma forma que percebemos como "milagres” entrando em nossas vidas.

Quando desconectamos e nos desligamos da sabedoria inata de amor do Coração, baseado nos pensamentos, o intelecto refletido no ego assume o controle e opera independentemente do Coração, e nós voltamos para uma mentalidade de sobrevivência baseada no medo, ganância, poder e controle. Desta forma, passamos a acreditar que estamos separados, a nossa percepção de vida muda para uma limitação e escassez, e temos que lutar para sobreviver. Este órgão incrível, que muitas vezes ignoramos, negligenciamos e construímos muros ao redor, é onde podemos encontrar a nossa força, nossa fé, nossa coragem e nossa compaixão, permitindo que a nossa maior inteligência emocional guie nossas vidas.

Devemos agora mudar as engrenagens para fora do estado baseado no medo mental que temos sido ensinados a acreditar, e nos movermos para viver centrados no coração. Para que esta transformação ocorra, é preciso aprender a meditar, "entrar em seu coração” e acessar a sabedoria interior do Universo. É a única maneira, é O Caminho. A medida que cada um de nós começa esta revolução tranqüila de viver do Coração, vamos começar a ver os reflexos em nossas vidas e em nosso mundo. Esta é a forma como cada um de nós vai criar uma mudança no mundo, criar paz, criar harmonia e equilíbrio, e desta forma, vamos todos criar o Paradigma do Novo Mundo do Céu na Terra.

Fonte: Rebecca Cherry

Postagens Recentes