Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Nunca é tarde para mudar

Sabe aquela conversa: “Eu não consigo fazer isso, eu não consigo fazer aquilo?”.
Recebo muitos e-mails com esse tipo de queixa e sempre respondo assim: “Nunca é tarde para mudar! Basta querer!”.
Puxa, dirão vocês, mas se nós temos um temperamento que é determinado pelo momento do nosso nascimento, como fazer para modificar a sua influência quando ele nos faz pensar ou agir negativamente?
É verdade, quando nascemos, no mesmo instante em que nós respiramos, as estrelas nos enviam uma determinada combinação energética que irá se impregnar em nosso cérebro. Nosso comportamento futuro será conseqüência de nossas escolhas, mas essas escolhas são conseqüências da nossa forma de pensar. Se o nosso pensamento não estiver sob o controle do Eu não conseguiremos fazer nossas escolhas corretamente. E então acabaremos parecendo com aqueles cachorros que se mordem o rabo! Eles correm em circulo e nem percebem o que fazem, pois são movidos simplesmente pelo seu próprio instinto. Porém, se nosso Eu interior tomar o controle da situação, enviar boas vibrações ao nosso cérebro, poderemos mudar nosso comportamento e, desta feita, mudar nossas escolhas.

Imaginem que vocês, como um todo, são como uma carruagem, puxada por quatro cavalos e com um condutor em cima. A carruagem representaria em astrologia o seu corpo físico, do jeito que ele se apresenta e conforme indicado principalmente no Signo Ascendente (e nos planetas da Casa I) onde reside a maior parte de nossa hereditariedade.
Os quatro cavalos representariam nossos instintos básicos (os 4 elementos: Terra - Fogo - Ar e Água) ou seja, os planetas Vênus, Mercúrio e Marte, que comandam a sobrevivência vegetal e animal. Estes quatro cavalos têm em comum um impulso básico único que os faz sobreviver e este é comandado pela Lua. A Lua tem relação com este instinto de sobrevivência que é comum a todos os seres humanos e também aos outros seres vivos. Em astrologia, relacionamos a Lua ao Ego, ou seja, àquela parte de nossa personalidade que é moldada pelo ambiente na sua primeira infância. O condutor do carro representa o seu Eu Interior, ou seja, seu espírito evoluído, quando finalmente você toma consciência de sua própria e única identidade astral.

Quando um astrólogo analisa seu mapa natal, ele examina principalmente estes elementos e determina então quais são seus instintos básicos, como você reage emocionalmente ao mundo exterior, que imagem você tem de si próprio, como você suporta as limitações, qual padrão de identidade é mais determinante para as suas ações. Para conhecer e ouvir o seu Eu interior e se colocar à disposição deste ‘condutor’, devemos primeiramente dominar os nossos quatro cavalos. Caso contrário eles levarão nossa carruagem (corpo físico) ao longo da estrada da vida sem que nós tomemos parte deste trajeto. Seremos simplesmente homens vegeto-animais lutando pela vida, pela sobrevivência física. Mas nosso espírito reside no Eu e não no Ego, e é ele que encarnou no intuito de evoluir.

Portanto, quando você diz “Eu não consigo fazer isso” você já está determinando uma derrota, ou seja, você está entregando sua carruagem aos cavalos! Eles é que levarão a sua carruagem pela vida afora, sem que você consiga freá-los ou dirigi-los. Então, eu lhe pergunto: “È isso que você quer de sua vida?”. Você age condicionado pelos pensamentos negativos que são eles próprios comandados pelo Ego que influencia suas ações e escolhas? Ou é você que controla seus cavalos/instintos e dirige sua carruagem/corpo pela estrada da vida para alcançar seu objetivo? Então, você deixaria um cavalo levá-lo por uma estrada desconhecida sem controlar suas rédeas? A cada vez que você para na estrada, não por sua própria escolha, mas porque os ‘cavalos/instintos’ escolheram fazê-lo, você está deixando o Oponente mandar em você. Ele ganha e você perde. Então, você se sente derrotado e estanca, não quer mais andar porque, afinal, você ‘não consegue’ fazer o que seu Eu interior deseja! Você não evolui espiritualmente.

É muito difícil explicar o complexo mecanismo de que somos feitos e somente se enveredarmos sinceramente no caminho do autoconhecimento é que poderemos mudar nosso comportamento e retornar no caminho da nossa evolução. Precisamos querer muito, querer com paixão para mudar, se assim o desejarmos. E o autoconhecimento requer determinação, persistência e, sobretudo, humildade e sinceridade. Sinceridade, sim, porque muitas vezes não gostamos de reconhecer nossos defeitos, nossas limitações e nossos bloqueios. Sinceridade para reconhecermos quando reagimos sob o comando do Ego e não sob a orientação do Eu. Humildade para podermos dizer, “eu errei, mas posso dar a volta por cima e posso mudar!”. Todos podem mudar! A vida está em constante mudança, já que nada fica estático e cristalizado, por mais que Saturno (O Pai cósmico) nos mantenha atados na lei da materialização. O espírito, mesmo aprisionado na matéria, pode e deve tomar o controle de sua evolução. Se não, que sentido teria estarmos encarnados aqui na Terra?

O Terceiro Princípio Hermético de Hermes Trismegisto diz: “Nada está parado, tudo se move, tudo vibra”. Portanto, nós também vibramos, a vida vibra. Para modificar algo em nossa vida podemos então mudar nossa vibração. Vocês acham que isso é fácil? Não, não é fácil, pois se nos acostumamos a viver numa vibração muito baixa, estaremos sempre sintonizados com ela, e ela nos guiará em nossas escolhas. Mudar de vibração requer conhecimento em técnicas de meditação. O espírito se manifesta através de vibração sutil e a matéria através de vibração mais densa. A gama de vibrações é ampla e a vibração se propaga através do éter. Se emitirmos pensamentos negativos, se pronunciamos palavras rancorosas, nos conectaremos com uma vibração densa e pesada onde somente o Ego pode se manifestar e atrairemos negatividade de todo tipo.
Se pensarmos positivamente, se emitirmos palavras de amor e carinho, estaremos nos conectando com uma vibração mais sutil e o Eu poderá então se manifestar atraindo para nós benesses e bem estar. Podemos começar desde já a mudar nossa vibração. Nunca é tarde demais para começar. Nunca é tarde demais para perdoar, para pedir perdão, para amar, para realizar nossos sonhos! Continuem o seu trabalho seguindo os conselhos do Segredo. Esta é a Lei.

Podemos também aproveitar os fluidos astrais desta semana para ‘começa a mudar’. O céu irá nos ajudar. A vibração desta semana é uma vibração muito forte que os cabalistas chamam de ‘Paixão’! Nada se faz sem paixão! Marte se junta a Urano em Peixes e essa energia é muito útil para efetivar nossas mudanças. Esses dois planetas possuem vibrações que nos tornarão audazes e determinados e, como eles estão no signo de Peixes, que é um signo esotérico por afinidade astrológica, eles podem nos ajudar nessa mudança espiritual.

O Gênio Cabalístico que pode nos ajudar nesta tarefa se chama “Ymamiah”, e é o 52° da Cabala. As letras que compõem seu nome são Ayn, Mem, Mem. Seu salmo para oração é o 07.

Repitam em sua oração: “Anjo Ymamiah, me ajude a fazer vibrar meu coração e espírito com paixão no desejo de mudar para melhor! O Seu nome me dá força para manter sinceridade, devoção, firmeza e determinação na minha intenção de mudar e manter as conexões espirituais!”

Graziella Marraccini
Muita Força Espiritual para todos.
São Paulo, 16 de abril de 2007

Somos apenas uma parte de um grande todo.

"Esquecemos assim que nós nos consideramos superiores. Mas nós somos, afinal, apenas uma parte da criação e devemos entender onde estamos. Algum lugar que só existe uma parte e parcela da criação. "

Todo o ser humano reúne informações do centro de um círculo. Se não formos cuidadosos, nós logo pensamos que somos o centro de todas as coisas. Portanto, é fácil tornar-se auto-centrado. Uma vez que auto-centrados, começamos a pensar que estamos acima de todas as coisas e, portanto, superiores. Mas somos realmente apenas uma parte de um grande todo. O universo é todo ligado. Cada parte está aqui para fazer algo especial e de acordo com seu projeto. Estamos aqui para honrar e respeitar o trabalho de cada parte. Nós não estamos nem acima nem abaixo de nada. Nós não precisamos ser soberanos sobre qualquer coisa, precisamos apenas viver com honra e harmonia com o sistema.

Meu Criador, ajuda-me a ver e me conduza de uma forma respeitosa, digna e honrada para com toda a criação. Deixe-me vê-lo em todas as coisas.

Artes Xamânicas
http://artesxamanicas.blogspot.com

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Poderes são como amigos

"Tolerar, superar, aceitar e enfrentar são poderes espirituais.

Poderes são como amigos.
Quando eles trabalham comigo como amigos, mesmo que eu tenha problemas, eu não os experimento como problemas.
Poderes são verbos que se revelam nas minhas atitudes e ações.
Aquele que tem poder é capaz de superar todas as situações."

Dadi Gulzar

A lagosta

A lagosta cresce formando e largando uma série de cascas duras, protetoras. Cada vez que ela se expande, de dentro para fora, a casca confinante tem de ser mudada. A lagosta fica exposta e vulnerável até que, com o tempo, um novo revestimento vem substituir o antigo.

A cada passagem de um estágio de crescimento humano para outro, também temos de mudar uma estrutura de proteção. Ficamos expostos e vulneráveis, mas também efervescentes e embriônicos novamente, capazes de nos entendermos de modo antes ignorado. Essas mudanças de pele podem durar vários anos.

Entretanto, se sairmos de cada uma dessas passagens, entraremos num período mais prolongado e mais estável, no qual podemos esperar relativa tranqüilidade e uma sensação de reconquista de equilíbrio.


Moral da história:


Por medo, muitas vezes nos recusamos a soltar nossas cascas ultrapassadas, que já não nos servem mais. Preferimos o desconforto e o aperto de situações das quais já não precisamos só para não termos de nos mostrar transparentes e frágeis.

No entanto, disfarçados com máscaras velhas e inúteis, perdemos a oportunidade de subir mais um degrau...

(a.d.)

terça-feira, 29 de junho de 2010

Você é importante

Quer você acredite ou não, a verdade é que você é importante para o mundo! Você é único e especial, embora tente, muitas vezes, esconder os seus talentos por medo das críticas. Todos nascemos para cumprir tarefas importantes neste mundo e o reconhecimento é uma necessidade natural de todos nós. Porém, o grande erro da humanidade é esperar ter seu valor reconhecido pelos outros.

Cada pessoa deve desenvolver a sua autoestima para que possa, ela própria, valorizar-se como um ser de importância verdadeira para o mundo. A autoestima elevada é a chave para as realizações humanas. Pare de esperar os elogios do mundo externo e aprenda a se interiorizar mais. Olhe para dentro de si e descubra quão rico de talentos você é e quão longe você pode caminhar - esse é o segredo das pessoas bem sucedidas. São pessoas que só pelo fato de estarem vivas e saudáveis já se sentem entusiasmadas para fazer uma diferença positiva no mundo. Elas aproveitam cada dia como se este fosse o mais precioso de suas vidas.

A sua importância só vai ser visível para o mundo a partir do momento em que você se conscientizar que você sempre foi e sempre será a sua melhor e mais fiel companhia, afinal, as experiências do seu nascimento e da sua morte - eventos mais importantes de sua vida - são compartilhadas apenas com você mesmo. Por isso sempre digo que você precisa estar em paz consigo mesmo, perdoando-se pelos deslizes do passado, amando-se e cuidando-se mais e dando a si mesmo tudo o que de melhor você deseja à pessoa que você mais ama.

E, falando de autoestima, necessário se faz uma diferenciação entre ter autoestima e ser egoísta: quem se sente a pessoa mais importante de sua vida é uma pessoa forte, alegre, bem humorada, que desenvolve uma luz que irradia e fortalece quem dela se aproxima; por outro lado, a pessoa egoísta é aquela que se fortalece enfraquecendo os outros, buscando tudo para si em detrimento de quem quer que seja. A minha proposta é que você se ame mais para dar o amor certo, na dose certa, para aqueles que lhe rodeiam - não aquele amor de apego, de ciúmes ou de cobranças.

Você deve assumir, o quanto antes, a sua importância nesta vida, sempre se cuidando para que o orgulho não lhe suba à cabeça. O orgulhoso é aquele que se sente bem quando está perto dos piores, dos sofredores, para parecer melhor que eles. Já a humildade faz com que você busque aprender com os melhores do que você e esteja sempre atento às críticas construtivas que o fazem crescer pessoalmente e profissionalmente.

E não confunda a importância pessoal com a importância posicional. Ter importância ou poder pessoal é ter carisma, brilho no olhar, sentimentos nobres que unem as pessoas - e qualquer um pode desenvolver este poder pessoal, desde o mais pobre ao mais rico, desde o mais ignorante ao mais sábio. Já o poder posicional, embora traga temporariamente uma impressão de importância, não é permanente, visto que está ligado à posição que a pessoa ocupa naquele momento. Desta forma, encontramos, todos os dias, muitos "poderosos" que, como pessoas, não apresentam importância alguma, porque ainda não descobriram a sua missão pessoal - o sentido de estarem vivos e atuantes, aqui e agora.

Sabendo disso, levante-se já e tome posse da sua importância, distribuindo a sua experiência, a sua boa-vontade e os seus dons para o mundo e, assim, você terá a certeza de que é único e especial...você é muito importante!!!

Marcelino Pereira da Cunha

domingo, 27 de junho de 2010

Os não ditos

As palavras às vezes cortam como uma faca e de maneira irrefletida ferimos os outros, mesmo se os amamos, sem que haja retorno. Conscientes disso é que em muitos dos casos, nos calamos, quando tudo o que pensamos e sentimos nos queima por dentro.

Essas coisas são os não ditos das relações e da vida.

As palavras que não dizemos, mas não enterramos também, estão sempre entre nosso coração e nossa garganta e nos ferem interiormente. São opções que fazemos, seja para não machucar outras pessoas, seja, simplesmente, pela falta de coragem de sermos nós, inteiros e límpidos.

A comunicação é a base de todo relacionamento saudável. Pessoas que se amam, que seja na amizade, no amor ou nas relações familiares, devem estar prontas para serem quem são, para perdoar e receber perdão.

Não nos calaríamos tanto se soubéssemos que o outro nos ouviria com a alma, nos entenderia e continuaria a nos amar, apesar de tudo. Mas as pessoas, por mais maduras que pareçam, nem sempre estão prontas para ouvir as verdades, se essas forem doloridas. Assim são criadas as relações superficiais, onde pensamos tanto e falamos de menos, onde sentimos e sufocamos.

Nos falta um pouco de humildade para aceitar nossa imperfeição, aceitar que o outro possa não gostar de algo em nós e ter o direito de dizê-lo. Nos falta a ousadia de sermos nós, sem essa máscara que nos torna bonitos por fora e doentes por dentro.

A comunicação na boa hora, com as palavras escolhidas e certas, consertaria muitos relacionamentos, sararia muitas almas, tornaria as pessoas mais verdadeiras e mais bonitas.

Sabemos que as pessoas nos amam quando nos conhecem profundamente, intimamente e continuam nos amando. Quando com elas temos a liberdade e coragem de dizer: isso eu sinto, isso eu sou.

Letícia Thompson

Ser feliz é...

Ser feliz não é ter um céu sem tempestades, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem decepções.

Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas valorizar o sorriso, mas refletir sobre a tristeza. Não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos. Não é apenas ter júbilo nos aplausos mas encontrar alegria no anonimato.

Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas uma conquista de quem sabe viajar para dentro do seu próprio ser.

Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.

É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz, é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um "não".

É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. É beijar os filhos, curtir os pais e ter momentos poéticos com os amigos, mesmo que eles nos magoem.

Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples que mora dentro de cada um de nós. É ter maturidade para falar "eu errei".

É ter ousadia para dizer, "me perdoe" É ter sensibilidade para expressar "eu preciso de você". É ter capacidade de dizer "eu te amo".

Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidades para você ser feliz.

Que nas suas primaveras você seja amante da alegria.
Que nos seus inversos você seja amigo da sabedoria.
E, quando você errar o caminho, recomece tudo de novo.

Pois assim você será cada vez mais apaixonado pela vida.

E descobrirá que...

Ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Usar as perdas para refinar a paciência. Usar as falhas para esculpir a serenidade. Usar a dor para lapidar o prazer.

Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Jamais desista de si mesmo(a).
Jamais desista das pessoas que você ama.
Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo imperdível.
E você é um ser humano especial.


Texto extraído do livro "Dez Leis Para Ser Feliz" de Augusto Cury

O Amor

O amor faz de todo mundo um grande poeta e, se o amor não puder fazer de você um poeta, então nada o fará.

O amor abre uma dimensão totalmente diferente em seu ser. Sem ele você permanece confinado ao mundo da lógica. Quando o amor começa a acontecer em sua vida, a lógica começa a desaparecer, acontece uma transcendência da lógica.

É por isso que a mente lógica sempre chama o amor de loucura, de cegueira. A lógica sempre condenou o amor, chamando-o de cego, de louco. Chama-o de tudo quanto é nome pelo simples motivo de que o intelecto é incapaz de concebê-lo.

O amor é um mundo totalmente diferente. Nada tem a ver com aritmética, com lógica, com ciência. É imensurável, um território desconhecido. Ninguém sabe exatamente o que ele é.

Mesmo aqueles que mais se aprofundaram nele ficaram quase mudos — ele é inexprimível.

Mas a experiência é grandiosa, tão extática que explode de diversas maneiras. Pode explodir em dança, em música, em poesia, em pintura, em qualquer tipo de criatividade.

O amor é sempre criativo. E o mundo tem sido tão destrutivo simplesmente porque ensinamos as pessoas a reprimir a energia do amor.

O amor reprimido se torna destrutivo. O amor exprimido se torna criatividade.


Osho
, em "Meditações Para o Dia"

Primeiro, a autotransformação

A melhor maneira de se conseguir um melhor ambiente é se focar sobre as melhores coisas sobre o aonde você está atualmente até que você inunde seus próprios padrões vibracionais de pensamento com apreciação e, nesta vibração mudada, você pode então permitir que as novas e melhoradas condições e circunstancias venham para sua experiência.

Busque por coisas boas em relação ao aonde você está e em seu estado de apreciação você alavanca todas as limitações autoimpostas (e todas as limitações são autoimpostas) e liberte-se para o recebimento de coisas maravilhosas.

Abraham

Amor, sentimento que todos almejam

Por que não consigo encontrar alguém que me faça feliz? Por que só me apaixono pelas pessoas erradas? Por que atraio sempre pessoas comprometidas? Por que simplesmente as pessoas não me enxergam? Por que a pessoa que está comigo me parece tão distante?

Inúmeros são os casos que atendo em meu consultório de pessoas muito bem sucedidas que almejam a felicidade no amor, mas dizem que não se encontram. Por incrível que pareça, se este campo for vislumbrado como impossível de ser estabilizado, os demais campos de sua vida também se desestabilizarão. O sentimento que vejo presente é sempre o mesmo: se não sirvo para isso, qual a razão de continuar a lutar pelo resto?

Costumo afirmar de maneira direta e objetiva que somos fruto daquilo que criamos, as coisas não acontecem de fora para dentro e, sim, no seu interior. Mude sua energia, seus parâmetros de emissão de energia, ou seja, sua forma-pensamento, elimine todos os cordões emocionais que foram gerados no passado e tenha absoluta certeza que o amor se fará presente em sua vida.
Viver a vida de maneira intensa, sentir prazer, trocar experiências com as pessoas, estes são os desejos do universo para sua vida. Então, por que não entender o processo energético que estamos vivenciando e modificá-lo?

Muitas vezes não entendemos o porquê de maneira racional, mas ao realizar um atendimento com a mesa radiônica, podemos claramente identificar o bloqueio energético que está dando origem ao tipo de energia e situação que você está vivendo hoje. Tomar as rédeas de sua vida significa mudar a sua energia, o seu padrão vibracional, significa mudar sua maneira de pensar, e isto é possível com o auxílio da radiestesia e da mesa radiônica.

As pessoas aparecem em nossas vidas exatamente da forma como nos mostramos a elas. Puxa! Isto nos leva a refletir: será que só atraio pessoas que não me fazem feliz? Será que quero ser feliz? Ou quero continuar a ser uma vítima da vida? Por que me apaixono por pessoas erradas? Será que quero realmente alguém em minha vida? Por que só atraio pessoas comprometidas? Será que quero realmente me entregar a um relacionamento e vivê-lo intensamente? Por que a pessoa que está comigo me parece tão distante? Será que permito que o outro me enxergue por inteiro, ou vivo sempre em função de máscaras?

Veja: tudo é reflexo do seu interior, você atrai aquilo que emana, então, a chave está justamente em cuidar de você e de sua energia, ao invés de reclamar o que não tem e quer, busque o que deseja de fato! A radiestesia ensina você a equilibrar suas energias, mudar seus padrões vibratórios e a desfazer os cordões emocionais formados no passado, e tudo isto está ao nosso alcance, pois tudo é energia.
A energia está disponível no universo para canalizarmos para aquilo que desejamos, e quando isso ocorre, um outro padrão vibratório se instala em sua vida e tudo começa a se modificar.

Sempre digo em meus cursos: você veio até aqui para aprender a vibrar pelo que quer ao invés de verbalizar de maneira contínua o que não quer, e fazendo isso poderá constatar como a sua vida se transformará! Conto agora um caso clínico, de uma moça jovem e muito bonita que foi me procurar, por estar muito infeliz na parte emocional; dizia não se encontrar, dizia amar as pessoas erradas, enfim, dizia-se infeliz!

No atendimento inicial, fiz um equilíbrio completo de todas as suas energias através da mesa radiônica. Suas freqüências vibratórias estavam muito alteradas, pois a sua forma-pensamento estava propiciando o desequilíbrio em todos os campos vibracionais, ou seja, a parte de saúde estava começando a ser afetada, o emocional estava muito negativo e o mental muito acelerado como uma forma de fuga da realidade.

Após a completa reestruturação de todos os campos vibracionais, parti para a profunda análise dos bloqueios vividos. Em princípio, identifiquei um primeiro bloqueio há uns 9 anos e lhe perguntei o que havia ocorrido. Então, ela me disse que tinha muita vergonha do que fizera nessa época; pedi a ela que unisse forças e verbalizasse o ocorrido. Assim, começou a me contar: eu estava com um ano de casada, quando comecei a trair meu marido de forma contínua com o advogado que fora contratado para fechar a confecção que eu tinha com meu marido. O pior de tudo é que eu nem amava esta pessoa, simplesmente traía por um desejo sem controle.

O meu marido era uma pessoa ótima, sabe do tipo príncipe encantado, o homem que toda mulher queria por perto, e eu o amava de fato, só que a traição era uma forma de tornar esse amor cada vez mais intenso, e isto durou por cinco anos. Nossa! Fiquei abismada! O julgamento não faz parte da vida de nós, terapeutas, mas algumas vezes nos assustamos! Complicado ouvir que a pessoa ama a outra e ao mesmo tempo a engana. Parei um pouquinho e fiquei observando-a, ela estava muito alterada energeticamente. Todo aquele equilíbrio inicial que eu havia feito tinha se desestruturado novamente.

Pedi que continuasse a me contar. Ela me confessou, então, que um dia chegou em casa e contou ao seu marido, pois não mais podia viver daquela forma e se separaram. Sugeri a ela que voltasse em um segundo atendimento e lhe expliquei que a origem da falta de amor em sua vida não estava nesta situação de bloqueio que eliminamos, inicialmente, mas em algum bloqueio mais profundo que poderia somente ser identificado após a estabilização de sua energia.

No segundo atendimento, equilibrei novamente todas as suas freqüências energéticas e partimos para uma identificação de bloqueio mais profunda. Identifiquei uma nova data, esta quando ela tinha apenas 5 anos de idade. Neste momento, ela me disse: nossa, eu trai meu marido por conta de vingança! Uma observação faço neste ponto: o tempo entre um atendimento e outro foi necessário para que ela trouxesse toda a situação de maneira clara para a consciência e pudesse identificar o ocorrido; somente desta forma situações repetitivas não retornam para nossa vida.

Eu pedi que ela fosse mais direta, me contando o que havia ocorrido e ela narrou: quando eu tinha apenas cinco anos, peguei meu pai com outra mulher na cama dele e de minha mãe. Minha mãe trabalhava à noite em plantões alternados, pois era médica e eu sempre ficava com meu pai e ia dormir muito cedo, pois acordava cedo para ir para escola. Naquela noite, por algum motivo me levantei e fui até a sala e quando passei pelo quarto de meus pais, ouvi barulho... e pensando que minha mãe havia voltado, fui olhar pela fresta da porta e vi que quem estava lá era outra mulher. Nunca, mas nunca mesmo, contei isso a alguém... sentia muita raiva e ódio de meu pai, tinha vontade de me vingar dele por minha mãe, uma vez que não podia contar nada do que havia visto.

Comecei, então, a juntar os aspectos que havíamos identificado dizendo a ela: veja, você não encontra ninguém em sua vida porque não quer ser amada de fato, e caso isso venha a ocorrer, você encontra uma situação que a afaste disso.
Inicialmente, foi o que fez com seu casamento e nos outros relacionamentos é assim que age, simplesmente porque tem muito medo de que o que aconteceu com sua mãe venha a acontecer com você também.

As pessoas comprometidas que você atrai é para que não se entregue totalmente, as que não querem comprometimento são um reflexo disso, porque nunca gerarão uma união de fato. A partir deste momento, a sua energia está curada, o bloqueio foi desfeito e a sua energia está equilibrada. Observe a vida, viva intensamente as coisas que ocorrem à sua volta, distribua alegria; seja você mesma e volte em breve me contando como sua vida se transformou.

Após oito meses, recebo uma ligação desta moça dizendo estar vivendo um novo relacionamento de maneira muito mais intensa e com uma entrega que nunca havia sentido em sua vida e finalizou: como é bom sentir tudo isso!
Você transformou seu padrão energético vibracional e, como conseqüência, passou a viver situações condizentes com a sua nova energia!

Maria Isabel Carapinha

Faltas alheias

“Não é sobre as faltas alheias que devemos fixar a atenção, mas sobre o que nós mesmos deixamos de fazer.

Fácil é ver a falta do próximo; difícil, a nossa própria. A dos outros, damos o maior relevo possível; a nossa, ao contrário, dissimulamos, como o trapaceiro esconde seus dados falsos.

Que te pode interessar que outrem seja ou não culpado? Vem, amigo, e olha o teu próprio caminho! Que, pouco a pouco, sem se cansar, o sábio sopre sobre as impurezas de tua alma, como o ourives sopra sobre as partículas de prata.

Pela atividade viril, pelo esforço vigilante, pela paz da alma e pelo domínio sobre si mesmo, o sábio pode fazer uma ilha que não submerge nas ondas. Calmo é o seu espírito, calma a sua palavra, calma a sua maneira de agir.

Quando um homem, que não é crédulo, mas que conhece o Incriado (o Nirvana) , rompe assim suas amarras e diz adeus aos prazeres, torna-se o mais eminente dos mortais.”

Texto Budista

Faça de conta

Se o dia amanheceu nublado e acabrunharam os sonhos da noite anterior, faça de conta que o sol saiu do céu para habitar o seu peito. Não olhe para fora, veja-se por dentro.

Se não lhe foi dado o merecido ou se seu valor não foi por outro reconhecido, tente outra vez, grite mais alto, apenas para você, pois é de pouca importância o aplauso. O que conta realmente é a convicção dos seus próprios valores, é a média ponderada na sua visão das cores, é o seu conceito do certo ou errado, do melhor ou pior, do feio ou bonito, do que se vai e do que persiste. Faça de conta que aplauso não existe.

Se, no amor, a sorte não lhe sorriu, não some, aos velhos, os novos dissabores. Que lhe dê alegria o fato de ter amado pois, a corresponder-lhe, ninguém é obrigado.

Não diga ao mundo, em defesa própria, que ninguém vai amar mais ou melhor que você. Os efeitos do seu amor só tem tamanho no peito amado. Ali ele pode ter sido desvalorizado. Aceite e faça de conta que amou errado.

E que esse "faz de conta" não alongue demais as suas asas pois fértil é o chão quando é escolhido, reconhecido e cultivado. Azedo é o limão para quem gosta de sorvê-lo sem ser adoçado. Quando não tem jeito, faça de conta...

Cleide Canton

O mundo da mentira

Há realidades difíceis de suportar. Há situações tão dolorosas e tão irreais, embora cruelmente reais, que certas pessoas preferem negá-las, como se com isso pudessem apagar sua existência.

E para fugir desses punhais que rasgam a alma com tanta violência é que muitos preferem se refugiar num mundo invisível, sob uma redoma de proteção que as impedem de ver de perto e enfrentar o que tanto faz mal.

Essas pessoas, ao querer libertar-se de um peso, tornam-se escravas da própria dor. Sem justificativas, justificam-se na recusa da cura, que é o encarar a realidade e vê-la de maneira nova e diferente.

Essas pessoas, julgadas doentes, loucas e insanas são apenas uma pequena porcentagem de um mundo onde negar a realidade é a coisa mais banal que existe. Viver no mundo da mentira não é apenas ter um comportamento exclusivo dos que julgamos loucos.

Vive na mentira quem não aceita o fim de qualquer situação: amores que se desgastaram, filhos que cresceram, uma doença que chegou sem avisar, alguém que foi embora, escolhas que não aprovamos e todas essas pequeninas coisas do dia-a-dia que, pequenas, fazem parte da nossa vida.

Chorar e ficar calado num canto não muda nada do que vivemos, a não ser nos deixar à parte da vida que continua a correr do lado de fora. Fazer-se de cego e surdo não modifica a realidade do que não podemos controlar, nem o que os outros pensam e sentem.

Poderemos evitar os espelhos por algum tempo, mas não os evitaremos a vida toda.

Melhor que ignorar a realidade que nos machuca é pegar o que sobra dela e construir um novo mundo ou uma nova maneira de viver.

Se a chuva nos pega de surpresa, que então nos molhe completamente, que o sol nos seque, que o frio não nos impeça de sair de casa, que o calor não nos impeça de dormir, que a dor doa e parta e que a vida seja inteira, completa e real!

© Letícia Thompson

A Poder da Escolha

Uma Prática Espiritual

Aqueles que se fazem de vítimas estão pouco dispostos assumir responsabilidade pelo que estão criando em suas vidas. Eles criam uma bagunça, pensando que não são responsáveis por isto, e esperam que outros resolvam a coisas para eles.

Uma vítima se sente impotente. Claro que ele não é realmente impotente. Ele poderia decidir, a qualquer hora, assumir a responsabilidade se investindo de sua própria autoridade. Mas ele finge que não pode fazer isso. E, freqüentemente, as pessoas acreditam nele. Elas acreditam na sua história e no seu choro. E depois de algum tempo, ele esquece que está fazendo o papel de vítima e começa a acreditar que realmente não tem qualquer escolha sobre a sua vida.

Este não seria um problema se outros o deixassem livre para ocupar-se de seus pensamentos ilusórios. Mas geralmente, ele atrai aliados - outras vítimas que reforçam juntas as mesmas ilusões - assim como atrai também seus “salvadores” - aqueles que precisam salvá-los do seu drama, alguém que tome decisões por ele, ou então que assuma uma falsa e imprópria responsabilidade pela vida deles.

Não apenas a promessa do salvador é sedutora para a vítima, mas também seu salvador se entrega como uma pessoa para ser o culpado, caso as coisas não funcionarem. Se o salvador não resolver o drama da vítima, isso agora se tornará a culpa do salvador. Nem é necessário dizer, isto de culpar os outros só fortifica a posição da vítima no papel dela.

Esta é a história geradora de abusos que está presente em todas as relações de co-dependência. Uma vítima atrai inevitavelmente um algoz/vitimizador ou um salvador/cuidador. Aquele que se recusa aceitar suas responsabilidades atrai outro, que não perde por esperar para assumir estas mesmas responsabilidades.

O problema é que os salvadores e os algozes têm uma atração compulsiva para controlar a vida dos outros. Qualquer responsabilidade que eles assumem implica em vínculos que aprisionam.

Vítima e algozes abrem mão do próprio poder. Às vezes é duro ver como o algoz faz isso. Mas a compulsão para cuidar ou para controlar outro ser humano nasce de uma insegurança profunda, de uma inabilidade para assumir a responsabilidade apropriada por si mesmo.

É por isso que as vítimas e seus algozes ou as vítimas e seus salvadores se atraem. Ambos estão se recusando a assumir a responsabilidade por si mesmos. Ambos são incapazes de fazer escolhas por si mesmos. Eles são co-dependentes. Cada um precisa do outro para decidir e cada um invariavelmente culpará o outro quando os problemas acontecerem, se multiplicando de forma intolerável.

Para se tornarem autênticos, cada um têm que retomar o próprio poder e voltar a decidir apenas por si mesmo.

Uma vontade livre é idêntica a uma habilidade para escolher. Ninguém pode ser autêntico se der o seu poder de escolha para outros, assim como também não podemos ser nós mesmos caso queiramos nos apossar do poder de escolha que é do outro. Cada pessoa tem que decidir ou escolher por si própria. Esta é uma verdade que desembaraça os nós da nossa encarnação. Qualquer tentativa para interferir com a escolha do outro é uma transgressão.

Pessoas que têm uma tendência para serem vítimas ou algozes ou cuidadores/salvadores, têm que aprender a apoiar em si mesmos e a fazerem as próprias escolhas. Para fazer isso, eles têm que se desembaraçar das relações de co-dependência onde são ignorados os limites dos territórios individuais e onde o poder e a responsabilidade é inapropriadamente entregue ou tomado de outros.

O que significa o auto-apôio?

O auto-apôio significa que a pessoa valoriza quem ela é e busca viver em harmonia com suas crenças centrais. Ela sabe como nutrir a si mesma, como estabelecer metas em sua vida e como orientar-se e mover-se em direção a elas. Ele encontra um trabalho apropriado, apóia a si mesmo financeiramente, cultiva suas amizades, constrói seus sistemas de apoio e aprende a viver de uma maneira prática no planeta Terra.

O auto-apôio significa que a pessoa não é mais dependente de seus pais ou de outra figura de autoridade para seu apoio. Ela não é mais controlada fisicamente por outros, nem financeiramente, nem emocionalmente, nem intelectualmente ou espiritualmente. Ela decide onde viver e como viver, decide em que acreditar, com quem quer estar e assim sucessivamente. Ela toma decisões por si mesma e assume a responsabilidade pelo que ela pensa, sente, diz e faz.

Tudo isso faz parte do processo de crescimento para tornar-se uma pessoa adulta. Um verdadeiro adulto não é dependente de outros nem é, inapropriadamente, influenciados por eles. Ele é independente e auto direcionado.

Claro que, ninguém cresce inteiramente antes de haver estado envolvido com outros intimamente. Muitos se casam e até mesmo tem filhos antes de saberem quem são. Quanto menos que eles sabem sobre eles mesmos, mais alta é a probabilidade deles traírem a si mesmos e os outros, com quem se relacionam.

Tomar o tempo necessário para saber quem você é tem seu valor. Assim é mais fácil viver em sua própria pele e ser honesto sobre quem você é na relação com os outros. Esta honestidade e clareza machuca menos os outros e a chance de abortar suas relações diminui.

Esta prática espiritual relaciona-se com o aprendizado em autorizar-se para sermos quem nós realmente somos. Diz respeito a dar-se a permissão para ser a pessoa única, autêntica que nós somos. Diz respeito a conectar com o nosso eu central, (core self) descobrindo e valorizando nossos talentos e ir fazendo aquelas escolhas que nos ajudarão a aprender e a crescer até a nossa plenitude como seres humanos.

Ser Autêntico e Auto Autorizado em Nossas Relações com os Outros

Relações maduras permitem a cada pessoa ser quem é. Isso não significa que haja nenhum momento de tensão, transgressão ou confusão sobre os limites de cada um. Todas as relações experimentam estes momentos. Mas, em geral, as pessoas em relações saudáveis, apreciam um ao outro como eles são, sem precisar consertar ou mudar um ao outro. Isso significa que eles são livres para se serem quem são e não têm que usar uma máscara ou adotar um papel incômodo para permanecerem na relação.

A pergunta "eu posso ser eu mesmo com você?" deve ser perguntada a respeito de toda relações que nós temos. Os amantes, os sócios, os amigos íntimos, deveriam estar perguntando isto um ao outro. As crianças deveriam estar perguntando isto aos pais delas.

Se a resposta para esta pergunta for "Não", nós precisamos saber por que. É porque a outra pessoa não nos permite sermos autênticos ou é porque nós não confiamos em nós mesmos suficientemente para nos revelar completamente? Ou será uma combinação da nossa falta de confiança, por um lado e a falta de aceitação por parte deles, pelo outro?

Geralmente, o grau em que nós confiamos em nós mesmos, em que falamos e agimos autenticamente, determinará o grau em que nós atraímos as pessoas que nos aceitam como nós somos. Quanto mais comprometidos com nós mesmos somos, mais tendemos a atrair outros que gostam de nós e nos respeitam como nos somos.

Paul Ferrini

Traduzido do livro “ The Power of Love”

A mais bela flor

O bosque estava quase deserto quando o homem sentou-se para ler embaixo dos longos ramos de um velho carvalho.
Estava desiludido da vida, com boas razões para chorar, pois o mundo estava tentando afundá-lo.
E como se já não tivesse razões suficientes para arruinar o seu dia, um garoto chegou, ofegante, cansado de brincar.
Parou na sua frente, de cabeça baixa e disse, cheio de alegria:

- Veja o que encontrei!

O homem olhou desanimado e percebeu que na sua mão havia uma flor.
Que visão lamentável! Pensou consigo mesmo.

A flor tinha as pétalas caídas, folhas murchas, e certamente nenhum perfume.

Querendo ver-se livre do garoto e de sua flor, o homem desiludido fingiu pálido sorriso e se virou para o outro lado.

Mas ao invés de recuar, o garoto sentou-se ao seu lado, levou a flor ao nariz e declarou com estranha surpresa:

- O cheiro é ótimo, e é bonita também... Por isso a peguei. Tome! É sua.

A flor estava morta ou morrendo, nada de cores vibrantes como laranja, amarelo ou vermelho, mas ele sabia que tinha que pegá-la, ou o menino jamais sairia dali.

Então estendeu a mão para pegá-la e disse, um tanto contrafeito:

- Era o que eu precisava.

Mas, ao invés de colocá-la na mão do homem, ele a segurou no ar, sem qualquer razão.

E naquela hora o homem notou, pela primeira vez, que o garoto era cego e que não podia ver o que tinha nas mãos.

A voz lhe sumiu na garganta por alguns instantes...

Lágrimas quentes rolaram do seu rosto enquanto ele agradecia, emocionado, por receber a melhor flor daquele jardim.

O garoto saiu saltitando, feliz, cheirando outra flor que tinha na mão, e sumiu no amplo jardim, em meio ao arvoredo.

Certamente iria consolar outros corações, que embora tenham a visão física, estão cegos para os verdadeiros valores da vida.

Agora o homem já não se sentia mais desanimado e os pensamentos lhe passavam na mente com serenidade.

Perguntava-se a si mesmo como é que aquele garoto cego poderia ter percebido sua tristeza a ponto de aproximar-se com uma flor para lhe oferecer.

Concluiu que talvez a sua auto-piedade o tivesse impedido de ver a natureza que cantava ao seu redor, dando notícias de esperança e paz, alegria e perfume...

E como Deus é misericordioso, permitiu que um garoto privado da visão física o despertasse daquele estado depressivo.

E o homem, finalmente, conseguira ver, através dos olhos de uma criança cega, que o problema não era o mundo, mas ele mesmo.

E ainda mergulhado em profundas reflexões, levou aquela feia flor ao nariz e sentiu a fragrância de uma rosa...

Verdadeiramente cego é todo aquele que não quer ver a realidade que o cerca.

Tantas vezes, pessoas que não percebem o mundo com os olhos físicos, penetram as maravilhas que os rodeiam e se extasiam com tanta beleza.

Talvez tenha sido por essa razão que um pensador afirmou que "o essencial é invisível aos olhos."

Redação do Momento Espírita com base em mensagem volante, sem menção ao autor.

Sua vibração em troca de sua satisfação...

O Universo não lhe pune ou abençoa.

O Universo responde à atitude vibracional que você está emitindo.

Quanto mais contente você está, mais o Bem-Estar flui a você – e você tem que escolher os detalhes de como ele flui.

Abraham

Postagens Recentes