Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

sábado, 9 de outubro de 2010

Tempestades da vida

Há noites muito escuras em que o vento violento e ruidoso traz a tempestade inclemente.

Os trovões e os relâmpagos invadem a madrugada como se fossem durar para sempre.

Não há como ignorar os sentimentos que tomam de assalto nossos frágeis corações.

O medo e a incerteza tiram nosso sono, e passamos minutos infindáveis, imaginando o pior, temerosos de que o céu possa, de um momento para o outro, cair sobre nossas cabeças.

Sem, no entanto, qualquer aviso, o vento vai se acalmando, as gotas de chuva começam a cair com menos violência e o silêncio volta a imperar na noite.

Adormecemos sem nos dar conta do final da intempérie, e quando acordamos, com o sol da manhã a nos beijar a fronte, nem sequer nos recordamos das angústias da noite.

Os galhos caídos na calçada, a água ainda empoçada na rua, nada, nenhum sinal é suficientemente forte para que nos lembremos do temporal que há poucas horas nos assustava tanto.

Assim ainda somos nós, criaturas humanas, presas ao momento presente.

Descrentes, a ponto de quase sucumbir diante de qualquer dificuldade, seja uma tempestade ou revés da vida, por acreditar que ela poderia nos aniquilar ou ferir irremediavelmente.

Homens de pouca fé, eis o que somos.

Há muito tempo fomos conclamados a crer no amor do pai, soberanamente justo e bom, que não permite que nada que não seja necessário e útil nos aconteça.

Mesmo assim continuamos ligados à matéria, acreditando que nossa felicidade depende apenas de tesouros que as traças roem e que o tempo deteriora.

Permanecemos sofrendo por dificuldades passageiras, como a tempestade da noite, que por mais estragos que possa fazer nos telhados e nos jardins, sempre passa e tem sua indiscutível utilidade.

Somos para Deus como crianças que ainda não se deram conta da grandiosidade do mundo e das verdades da vida.

Almas aprendizes que se assustam com trovões e relâmpagos que, nas noites escuras da vida, fazem-nos lembrar de nossa pequenez e da nossa impotência diante do todo.

Se ainda choramos de medo e não temos coragem bastante para enfrentar as realidades que não nos parecem favoráveis ou agradáveis, é porque em nossa intimidade a mensagem do cristo ainda não se fez certeza.

Nossa fé é tão insignificante que ante a menor contrariedade bradamos que Deus nos abandonou, que não há justiça.

Trata-se, porém, de uma miopia espiritual, decorrente do nosso desejo constante de ser agraciados com bênçãos que, por ora, ainda não são merecidas.

Falta-nos coragem para acreditar que Deus não erra, que esta característica não é dele, mas apenas nossa, caminhantes imperfeitos nesta rota evolutiva.

Falta-nos humildade para crer que, quando fazemos a parte que nos cabe na tarefa, tudo acontece na hora correta e de forma adequada.

As dores que nos chegam e nos tocam são oportunidades de aprendizado e de mudança para novo estágio de evolução.

Assim como a chuva, que embora nos pareça inconveniente e assustadora, em algumas ocasiões, também os problemas são indispensáveis para a purificação e renovação dos seres.

Por isso, quando tempestades pesarem fortemente sobre nossas cabeças, saibamos perceber que tudo na vida passa, assim como as chuvas, as dores, os problemas.

Tudo é fugaz e momentâneo.

Mas tudo, também, tem seu motivo e sua utilidade em nosso desenvolvimento.

Equipe de Redação do Momento Espírita.

Esperança

É σ qυє đєνємσѕ тєr тσđσѕ σѕ điαѕ dє ŋσѕѕαѕ νiđαѕ.
Nãσ iмρσrтα σ qυє єѕтєנα αcσŋтєcєŋđσ
тυđσ irά мєlђσrαr...
Є αѕ cσiѕαѕ irãσ αcσŋтєcєr ŋσ тємρσ є nα ђσrα cєrтa.
Somos o que fazemos, mas somos,principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.
-Dirce-

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Verdades

Gostaria de começar o nosso texto de hoje lhe fazendo uma provocação, portanto pergunto:

Você está realizando a sua própria vida, a sua história existencial, ou está copiando e até mesmo repetindo as atitudes, os sonhos, as idéias, os projetos de seus pais, de sua religião, de seus amigos, do meio em que vive?
Nossos pais exercem papel fundamental em nossas vidas. Por nossa livre escolha ou por determinação cármica eles foram os responsáveis por nossa entrada neste planeta, mas isso não lhes dá o direito de posse sobre a nossa vida e principalmente sobre as nossas verdades e buscas.

Tenha a ousadia de se conhecer, de explorar os tesouros ocultos na sua intimidade, ganhos em vidas passadas, que estão armazenados em seu interior. Ninguém nasce mais ou menos inteligente. As pessoas apenas trazem consigo, em seu interior, o que já aprenderam em vidas passadas.
Jamais se pode confundir conhecimento com inteligência.
Ninguém veio a este mundo para uma vida de sofrimentos. Se ele existe é porque estamos completamente fora de nosso rumo; do que determinamos para nós mesmos aprender aqui na terra. Cada vida é um estagio de aprendizado. Esta falta de sintonia entre o planejado antes de encarnarmos e o que está sendo executado é que resulta em dor, mágoa, medo, pavor, insegurança.

A maior distância que precisamos percorrer em uma vida não é material ou mesmo física. A maior distância que precisamos vencer está dentro de nós. Quanto mais nos apegarmos à matéria, aquilo que tocamos e vemos, mais distantes ficaremos de nós. O essencial só se sente; não se toca.
Obviamente que não podemos ir ao limite e vivermos como ermitãos, pessoas que se isolam. Isso significa simplesmente estacionar. Este tipo de atitude é, em essência, um protesto ou mesmo uma clara demonstração de um estado de depressão. Estarmos humanos significa vivermos os prazeres de uma vida material, sem excessos e usando-a principalmente como uma escola. Aprender a viver. Evoluir.

A grande conquista do ser humano é saber se comportar adequadamente em meio a tantas desigualdades. Isso significa, na prática, que a pessoa é evoluída. Esta é a grande verdade que precisamos aprender e vivenciar. Este planeta SEMPRE SERÁ UM PALCO DE DESIGUALDES. É com elas que aprendemos.
O Universo pede movimento. Nada está parado. A comunicação hoje se faz em grande velocidade e, portanto, conhecimento não é mais um fator básico de diferenciação em uma sociedade.
O que realmente muda são as verdades que vivenciamos e que experienciamos. O conhecimento aplicado é que significa sabedoria. Só saber não resolve nada. Só saber nos isola, pois nos tornamos chatos. Poderemos nos tornar os donos da verdade com zero de experiência.

Conheço muitas pessoas de vasto conhecimento, mas absolutamente infelizes. Por quê? Porque são, na realidade, vazias, sem nenhuma experiência prática. Sem conteúdo, portanto. O conhecimento não aplicado se torna nulo. Não serve para nada. Nos tornamos sonhadores e fora da realidade.
Dê uma empresa para uma pessoa que durante a vida toda só deu aula de administração de empresas e veja o que vai acontecer. A chance de dar errado é maior do que 90%. A razão básica é que a pessoa só tem teoria e nunca viveu a experiência de conseguir atingir seus objetivos INCENTIVANDO os outros a fazerem o que ele acha que precisa ser feito.
Portanto, poderíamos comparar que o conhecimento seria a farinha do pão, mas o fermento certamente é a aplicação do que se sabe.
Se permita errar, deixe o seu EU interior agir e aplique as suas INTUIÇÕES. Elas nada mais são do que suas verdades armazenadas. As chances de você errar, obedecendo à sua intuição são praticamente nulas. Ouça seu coração e se permita decidir e agir. Não há receita para isso, ou mais ainda não há remédio que se encontre em prateleiras de farmácias. Nossas verdades são exclusivas e únicas.

Tire as algemas dos comandos, falsas verdades e palavras que reprimem e se solte. Quebre paradigmas, desfaça os nós de sua vida e voe para novos rumos. Quais? Aqueles que seu coração decidir.
Uma convivência está desequilibrada? Pare e saia dela. Abra-se para o novo.
Há remédios sim para as nossas dores e medos. Eles estão adormecidos dentro de nós. Seja apenas seletivo para quem dá amor e carinho. Se só damos e não recebemos, algo está errado. Dar amor, esmola e carinho indistintamente é demagogia de religião. Você se acha pronto para dar, ou está em estagio de receber?

Os dois certamente, mas não esqueça de que VOCÊ é uma essência em estado de evolução. Primeiro descubra as suas verdades e faça o bem para você mesmo. Isso não é egoísmo, é o encontro com o seu amor próprio. Precisamos dar respeito indistintamente. Seguir os outros demonstra fraqueza. Não nascemos para sermos fracos. Nascemos, ao contrário, para nos fortalecermos. A fraqueza é uma nítida demonstração de que estamos com as nossas verdades equivocadas e mal-aplicadas.

Seja Verdadeiro. Aplique o que sabe.

Saul Brandalise Jr.

Chegou a hora de decidir: Mudar ou ficar na mesma

Estamos vivendo uma época bastante estranha. Muitas pessoas sentem desânimo, frustração e não encontram muito significado em alguns acontecimentos do mundo. Outras sentem uma diminuição de energia e até mesmo da saúde. O que está acontecendo?

Não dá mais par fazer de conta que não está acontecendo nada. Até mesmo o planeta está mostrando mudanças sérias na sua natureza e, consequentemente, vai nos obrigar a mudar a forma de como entendemos a palavra "evolução". Na verdade, a Terra está se preparando pra uma nova forma, ou melhor, uma nova freqüência. E o que é exatamente isso? Nada mais é que um novo estilo de vida que nos obrigará a sermos mais cooperativos. Ou mais amorosos, que significa praticamente a mesma coisa.

A escolha é simples: vou continuar sendo mais materialista ou mais espiritual?
Chegou a hora de decidir. Pequenas mudanças vão começar a acontecer para estimular essa decisão, motivando as massas a escolherem um novo tipo de vida. Pense um pouco no sistema monetário de hoje, que privilegia a muito poucos. Você já deve saber, por exemplo, que o poder do dinheiro está nas mãos dos banqueiros. Nos últimos 10 anos, muitas pessoas começaram a descobrir que isso tudo está errado. Foi aí que muitos quiseram literalmente sair do sistema, o que visualizamos no movimento hippie.
Os valores atuais, baseados somente no lucro, vão mudar. Mas a mudança só ocorrerá quando uma grande quantidade de pessoas despertar.
Por isso a importância -agora-, da decisão.

É difícil reclamar de tudo isso. Mas é mais difícil ainda criar um novo sistema.
Entretanto, se você se conectar com a sua consciência superior (coração), pode perfeitamente viver a sua vida de acordo com o que acredita que é certo. Se emprestar dinheiro, pense na real importância de cobrar juros. Algumas pessoas cobram juros de seus próprios amigos! De qualquer forma, não deixe que o mundo mude você. Você também não precisa mudar o mundo. Você não precisa de sucesso. Precisa ser fiel a você mesmo. Fiel a quem você é. E não ser um robô do sistema. Faça o que seu coração manda. Seja fiel ao amor.

Nesse ponto fica uma pergunta: qual a diferença entre ilusão e realidade?
Se você não experimentar amor, você experimenta a ilusão.
A vida não é complicada. A mente é que complica tudo. Por isso é preciso aprender a equilibrar as energias. Primeiro, lembre-se que quando você tem consciência o tempo todo de como você se expressa, há equilíbrio. Se ninguém resistir á você, ou seja, se você expressa luz, há impacto em todos ao seu redor. Se você encontrar alguém com pouco entendimento, diminua um pouco a sua luz para não assustar o outro. É preciso eliminar a mania que muitos têm de viver em competição. Permita que as coisas venham para você como elas são, assim você equilibra naturalmente as suas energias. Permita que as pessoas sejam como elas são. Cada momento é novo. E durante esse momento nós precisamos ficar sensíveis e sem vontade de controlar.
É preciso definir melhor o que você quer da vida. É preciso mais foco.
A propósito, os relacionamentos são chaves para o despertar.
E -para terminar-, anote: sem confiança não há luz. Sem luz, não há vida.

Robert Happé
Autor do livro "Consciência é a resposta"

Os verdadeiros campeões

Os campeões sabem que para obter um resultado diferente é necessário haver mudanças e a mais importante é a de mentalidade, ou seja, da nossa maneira de pensar.

Precisamos atingir nossos objetivos, porque o mais difícil de administrar na vida são o fracasso e o sucesso.

Nós todos conhecemos a embriaguez da vitória e a agonia da derrota. Encontramos obstáculos e mais obstáculos. Contudo, com esperança, dignidade, um pouco de loucura e alguma crença em nós mesmos, poderemos dar grandes passos na direção dos nossos objetivos.

Vencedores são aqueles que desistiram de adiar seus sonhos de repetir os mesmos problemas, e resolveram criar o novo.

Porém, grandes derrotas são criadas. Por pessoas que se apegaram ao passado, se sentem confiantes demais e, de repente, ficarão ultrapassadas. Não percebem que os outros evoluíram, que a situação mudou e que não sabem mais o que fazer.

Se o seu passado foi feito de vitórias, deixe-o para trás (a não ser nas comemorações com os amigos). Faça um projeto para o futuro e dirija suas atenções para ele.

LEMBRE-SE:

Derrotas são frutos de pequenas distrações!

Nós todos conhecemos a embriaguez da vitória e a agonia da derrota. Encontramos obstáculos e mais obstáculos. Contudo, com esperança, dignidade, um pouco de loucura e alguma crença em nós mesmos, poderemos dar grandes passos na direção dos nossos objetivos.

Um vencedor é aquele que adota uma postura básica de determinação para vencer.

O vencedor inspira confiança em tudo o que faz. Sabe que ser o primeiro, é consigo mesmo e mantém sua palavra não porque o outro vai cobrá-la (ainda que cobrar algo prometido seja um direito do outro), mas sim porque sempre dá o máximo de si.

Todo mundo conhece um vencedor, ele não tem vergonha de suas limitações, mas principalmente não tem vergonha de comprometer-se com que faz.
Quando não sabe pergunta,
Quando não pode não promete,
Quando promete cumpre,
Quando sabe assume,
Quando assume faz.

Tornar-se um atleta especial é deixar de ser, mas um como os outros. É transformar-se em alguém que sabe ir a fundo no que quer.
O vencedor sabe que um erro é sempre possível e por isso cuida para que ele não aconteça, mas se ocorrer, o vencedor analisa as suas conseqüências e fica francamente chateado por tê-lo cometido.

Não procura culpados nem perde seu tempo se escondendo atrás de acusações. Analisa a situação e procura imediatamente soluciona-la.

Está provado: Os erros crescem quando você se abate com ele e diminuem e o fazem melhorar quando você os aceita e sabe que precisa melhorar para torná-los cada vez mais raros.

O vencedor esta sempre alerta, ligado, atento para percorrer as oportunidades e fazer sempre delas um motivo para comemorações e muitas vitórias.

Autor(a) Texto: Professor João Gualberto Neiva de Mesquita

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Coragem de amar

Será que, para amar, é necessário ter coragem? A pergunta, a princípio, parece sem propósito. Afinal, é tão natural amarmos aos nossos filhos, ao companheiro, à esposa, que longe está a necessidade de se ter coragem para isso.

Porém, e se mudarmos a pergunta: Para aprender a amar, é necessário ter coragem? Será que precisamos de coragem para aprender a amar aqueles que ainda não amamos?

Conta-se que Madre Teresa de Calcutá, ao abandonar o convento, onde atuava como professora de jovens de famílias ricas, levou consigo apenas o hábito e as sandálias de religiosa, deixando tudo para trás.

Ao final de sua existência, tinha mais de 400 casas erguidas pelo mundo em nome do seu amor ao próximo, entre asilos, orfanatos, hospitais, escolas.

Certa feita, ao ser homenageada em uma solenidade, um dos convidados interpelou-a dizendo não saber como ela dispunha de coragem para fazer tudo o que fazia. E ela, tranquilamente, respondeu que não entendia como tantas cabeças coroadas tinham coragem de não fazer nada, frente a tanta miséria no mundo.

Albert Schweitzer era um jovem músico, consagrado nas mais famosas salas de concerto europeias, quando decidiu abandonar a carreira musical e cursar medicina.

Sonhava ele ajudar o próximo e elegeu a carreira médica como ferramenta de auxílio.

Deixou o conforto da fama e do reconhecimento ao seu talento musical para começar uma nova vida. Ao se formar, foi trabalhar no coração da África, numa região isolada e sem recursos.

Ao final de sua existência, havia sido reconhecido com um prêmio Nobel da Paz e, em uma região onde nada havia, construiu um hospital que se expandira para mais de 70 prédios, com 500 leitos para internamento.

Não são poucos os exemplos que encontramos de pessoas que, com coragem, optam por amar àqueles que ainda não amam.

Jesus nos alerta que amar àqueles que nos são caros, até os maus o fazem. Porém é necessário ir além. É necessário aprender a amar àqueles que ainda temos dificuldades em amar, que ainda não aprendemos a amar.

Para esses, é necessário armar-se de coragem. Pois o amor ao próximo exige dedicação, esquecimento do orgulho, da vaidade, da presunção.

Podemos não ter a estrutura moral ou a coragem de Madre Teresa e de Albert Schweitzer, que deixaram marcas permanentes na História da Humanidade.

Mas já podemos deixar marcada a nossa presença, se nos decidirmos a amar ao próximo.

Podemos começar com o parente difícil, sempre disposto a fazer comentários e insinuações maldosas. Ou ainda com aquele vizinho sempre pronto a uma nova provocação.

Outras tantas vezes, aprender a amar pode vir através da paciência que desenvolvemos diante das limitações de quem ainda não tem as mesmas capacidades que nós.

Ou que se mostra arrogante e pretensioso, com falsas capacidades que não possui.

Não há verdadeiramente um dia em nossa vida, onde não surja a oportunidade de aprender a amar.

Aprendamos com Jesus, Mestre Maior de todos nós, que não devemos nos contentar com o amor na intimidade do lar ou no relacionamento a dois.

Que possamos, a cada dia, armarmo-nos de coragem e exercitar o sentimento do amor ao próximo, na oportunidade que a vida nos oferecer.

Redação do Momento Espírita

Quando a boca cala.... o corpo fala!!!

Este alerta está colocado na porta de um espaço terapêutico.
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as duvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza

O coração infarta quando chega a ingratidão.

A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a"criança interna" tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.

Preste atenção!

O plantio é livre, a colheita, obrigatória ...preste atenção no que voce esta plantando,pois será a mesma coisa que irá colher!!

domingo, 3 de outubro de 2010

Na Senda do Coração - com Amor, Fé e Gratidão

Há muitas coisas feias nos bastidores do mundo, que fazem com que muitas
pessoas se desviem do caminho. Muitas coisas que machucam o coração e que fazem
o estudante espiritual perder a fé e o brilho de seu coração.

É preciso ter a persistência nessa caminhada espiritual. Porque, muitas pedras
são lançadas para bloquear a senda e, até mesmo aquele que está do seu lado
hoje, poderá ser amanhã a pessoa que deixará mais uma pedra...

Siga o seu coração, siga a luz de dentro, sem jamais perder a esperança.
Não importa o materialismo exacerbado do mundo, mas o mundo que está dentro de
você e o que faz com ele, nesse caminho que acontece dentro do seu coração.

Não é pelo fato de você estar encarnado, nesse momento, que está separado da
Existência Maior. Porque, agora mesmo, o seu sentimento está conectado ao Todo.

A busca do sentimento é estar conectado com Ele.
Algumas situações aconteceram em seu caminho (como acontece com todos), e lhe
trouxeram tristeza, e isso machucou sua fé e abalou sua esperança e bondade.

No entanto, a Luz continua em seu coração.
Por isso, perdoe. Não carregue sombras em seus propósitos.

Persistência e vontade firme são fatores essenciais na senda espiritual.
Você é um espírito!

E acender a Luz no coração é amar. É sentir-se pleno e sintonizado na estação
do Bem. Portanto, não deixe que nada faça você sair dessa sintonia.

O amor é como um rio... E muitos querem mergulhar em suas águas.
Mas, bem poucos sabem nadar bem nos sentimentos e, por isso, acabam se afogando
nos redemoinhos das emoções turbulentas.

Não se engane: você terá que enfrentar muitas coisas que estão dentro de si
mesmo. E em cada trabalho espiritual, feito de coração, em espírito e verdade,
muitas vezes são libertadas cargas deletérias, ligações escuras do passado,
muitas vezes entranhadas nos chacras.

É isso: em cada trabalho de amor, você liberta o seu próprio coração.
Então, por favor, não faça por menos. Fique na Luz.

P.S.:
Fiz esses escritos sob a influência espiritual de um dos mentores extrafísicos
que me orienta há muitos anos. E me senti muito honrado de ter realizado tal
tarefa interplanos. Ah, só o Alto é que sabe o que se passa dentro do coração
de alguém, e os motivos que animam seus passos na senda...

Com Gratidão.
Paz e Luz.

Wagner Borges - mestre de nada e discípulo de coisa alguma.
São Paulo, 18 de maio de 2010.

A Graça

A maioria dos seres humanos tem dificuldade em entender como age a lei da graça. Alguns consideram a graça de Deus um presente que, por alguma razão, encontra-se disponível apenas para poucos privilegiados.

Entretanto, a graça é algo disponível para aqueles que acreditam nela com a totalidade de seu ser. Não existe uma regra ou uma fórmula mágica para fazer com que se manifeste em nossa vida.

Ela surge como resultado de nossas próprias atitudes e da maneira como nos relacionamos com o divino. Não basta pedir a Deus para que as coisas aconteçam, precisamos fazer a parte que nos compete. Ora, dirão alguns, eu já fiz tudo o que estava ao meu alcance e nem assim alcancei o que necessitava.

Porém, fazer a nossa parte nem sempre significa apenas agir no aspecto exterior, existe uma misteriosa lei que rege a nossa relação com Deus e que se expressa através da confiança.

É aí, que, acredito, falhamos na maioria das vezes no que compete a nós. A confiança não é uma palavra vazia, ela é um sentimento profundo, uma certeza inabalável de que a resposta virá, no seu devido tempo.

O problema é que, na maior parte das vezes, desejamos que ela se manifeste imediatamente, visto que nossas necessidades, ditadas pelo ego, são sempre urgentes.

E quando ela não vem no prazo que gostaríamos, passamos a duvidar de que Deus esteja disposto a nos ajudar. Em muitos momentos nos sentimos verdadeiramente preteridos ou abandonados por Ele, injustiçados por não ver respondidas as nossas súplicas.

Seja o que for que a vida nos reserve, tem um propósito único: o de nos ensinar algo, que nem sempre conseguimos enxergar. Se cada acontecimento contém em si uma lição, só nos resta refletir, sobre o que precisamos aprender com aquele fato. E se ele se repete por muito tempo, talvez seja porque ainda nos recusamos a perceber o aprendizado que precisamos aceitar.

A aceitação é, sem dúvida, uma das mais complexas lições de nossa vida, mas sem ela dificilmente conseguiremos estabelecer as condições necessárias para receber a graça divina.

"O real se torna disponível somente quando você trabalha por ele com sua totalidade.

Mas lembre-se, eu não estou dizendo que o real se torna disponível somente através do seu trabalho... há um paradoxo nele. Você tem que trabalhar duro; não acontece pelo seu trabalho sozinho. Ele acontece pela graça...

Você trabalha duro - nunca acontece sem o seu trabalho duro, é uma coisa certa. Acontece somente quando você trabalhou duro - mas somente cria a situação para acontecer. Não é como causa e efeito. Não é que você esquenta a água a cem graus e então ela evapora - não é isto.

É uma segunda lei, uma lei da graça, totalmente diferente. Você trabalha duro, você vem para a posição cem do grau, então, você espera lá - pulsando, esperançoso, vivo, feliz, celebrando, cantando, dançando. Você espera lá no ponto do centésimo grau.

É uma necessidade, você deve vir para o ponto do centésimo grau - mas agora você tem de esperar, você tem de esperar paciente e amavelmente. Quando o momento certo vem, quando seu trabalho está completo e sua espera também está completa, então a graça desce.

Ou, você pode dizer que a graça ascende - ambos significam o mesmo, porque ela vem do mais profundo centro do seu ser. Parece descendo porque você não conheceu a sua mais intima profundidade, até agora. Parece como se algum lugar acima viesse para você - vem realmente de algum lugar dentro de você. Mas o interior é também o além.

Trabalho duro é necessário para alcançar a graça, mas a coisa real finalmente acontece somente por causa da graça. É um paradoxo. É difícil compreender.

Por causa deste paradoxo, milhões de pessoas têm perdido seu caminho. Há muitos que dizem - e eles são muito lógicos, sua lógica é impecável - há muitos que dizem, se vem somente pelo nosso esforço, então porque se preocupar sobre a graça e Deus?

Se acontece somente pelo nosso esforço, então ok, nós faremos todo o esforço e nos faremos acontecer. Então, eles não falam a respeito da graça ou de Deus. Eles perderão porque nunca acontece somente pelo seu esforço.

Então há pessoas que dizem que se acontece somente pela graça e nunca acontece pelo seu próprio esforço, então porque se preocupar? Nós precisamos esperar - e quando Deus vier, acontecerá.

Ambos perdem. Uns perdem por causa do egoísmo - somente meu esforço é suficiente, somente eu sou suficiente. Os outros perdem por causa da preguiça, da letargia. Ambos perdem.
Aquele que chega em casa segue o caminho paradoxal. Isto é o paradoxo.

"Eu tenho que trabalhar duro. Não somente duro, eu tenho que colocar o meu ser totalmente, como sustentação. Somente, então, eu me torno capaz de receber a graça. Mas acontece através da graça.

Um momento vem quando eu tiver feito tudo o que eu posso fazer, e então eu rezo que agora nada mais é possível do meu lado, agora algo é necessário do outro lado. E Deus começa trabalhar sobre você somente quando você tiver feito tudo que você podia fazer. Se algo ainda estiver faltando e uma parte do seu ser ainda não estiver envolvida, então Deus não pode vir ajudá-lo. Deus ajuda somente aqueles que ajudam a si mesmos.

Este é o paradoxo... ele trabalha duro, e ainda confia que o último florescimento virá somente pela graça de Deus.

E é bonito. Nós somos muito pequenos, nossos esforços não podem criar muito. Nosso fogo é muito pequeno - somente através deste fogo nós não podemos colocar toda a existência em chamas.

Nós somos apenas gotas, não não podemos criar oceanos a partir destas gotas. Mas... Quando a gota relaxa, torna-se capaz de conter oceanos em si. Ela é pequena, se você olha apenas sua periferia, é tremendamente vasta se você olha a partir do seu centro.

Elisabeth Cavalcante

O homem é ambos. O homem é o paradoxo. Ele é a menor partícula da consciência: atômico, muito atômico. E ainda contém o vasto. Todo o céu está contido nele.

OSHO- - The Art of Dying

Dê o bom exemplo

No domingo passado, fui assistir ao filme Nosso Lar. Confesso que, apesar de ser seguidora de uma doutrina espiritualista e de trilhar o caminho do desenvolvimento espiritual de várias maneiras, não me considero espírita. A razão desta minha afirmação é que eu não considero como 'verdade absoluta' algo que eu não sinta intimamente. Certamente, certezas não existem. Mas que faz sentido, isto faz. Eu sempre fui muito questionadora desde pequena; fui criada na Igreja Católica e em colégio de freiras! Não me considero católica, praticamente, pois questiono muitos dogmas da igreja, mas continuo professando minha fé, pois sinto uma grande afinidade com o mundo espiritual. Rezo e me uno em pensamento a Deus, aquele Deus que sinto presente em minha vida. Como boa pisciana que sou, sinto-me intimamente fazendo parte do Todo e muitas vezes me percebo deslocada no mundo material.

Mas vamos ao filme... Amei, simplesmente amei! As imagens são belíssimas e a interpretação primorosa. Desejo do fundo do meu coração que após nossa morte realmente consigamos obter repouso num lugar onde exista tanta Paz e Serenidade. Desejo chegar lá, mas como farei? Como conseguirei obter créditos e merecimentos para conseguir entrar no Nosso Lar? Que caminho percorrer?

Aqueles que costumam ler os artigos publicados pelos colaboradores do STUM são certamente pessoas em busca de um desenvolvimento espiritual. Como eu, são pessoas que se fazem perguntas, que buscam cumprir sua missão, que procuram respostas para suas dúvidas. Os colaboradores também, ou seja aqueles que pesquisam, estudam e escrevem os artigos oferecendo sua ajuda profissional, seguem o mesmo caminho espiritual, compartilhando o conhecimento adquirido. Sinto que estamos todos juntos neste caminho. Percebo que o caminho espiritual é maravilhoso e gratificante, pois nos oferece inúmeras recompensas, porém, ele tem também seus percalços e seus obstáculos e estes não são poucos!
Em geral, quando estamos percorrendo o caminho, sentimos a necessidade de compartilhar nosso conhecimento e, especialmente, de encontrar um líder, pois sentimos a necessidade de um mentor. Porém, quando o encontramos, por sentirmos afinidade com uma teoria ou doutrina, temos tendência a considerar nosso mentor como alguém infalível, como uma espécie de ser superior. No entanto, por mais que alguém esteja 'adiantado' no caminho da espiritualidade, não devemos esquecer que ele ainda é humano e não divino! Somente os Mestres Ascensionados, os Guias Espirituais, já alcançaram a plenitude do seu desenvolvimento espiritual. Portanto, seja como líderes ou como seguidores, devemos agir sempre com humildade e compaixão em relação aos nossos irmãos de caminhada. Essa é uma lição importante, sobre a qual venho refletindo muito ultimamente e que me alcançou claramente através das mensagens do filme Nosso Lar. Amor ao próximo, humildade e compaixão são certamente as chaves para 'chegar lá'!

Outra coisa importante com a qual venho refletindo: alguém que expõe suas idéias sobre a espiritualidade pode 'virar vidraça' sempre que falhar! Se eu demonstrar raiva, descontrole ou impaciência -por exemplo- sempre haverá alguém para me dizer: "Mas você, que se diz tão espiritualizada, como não consegue se controlar"? É isso aí, caros leitores, viramos vidraça! Como estamos sempre dando exemplo com nossas ações e com nosso comportamento, precisamos vigiar nossos pensamentos e nossas ações, porque estaremos servindo de exemplo. Somos 'embaixadores' do conhecimento espiritual e por isso somos responsáveis por aqueles que nos seguem. Será nosso comportamento na sociedade onde vivemos que fará a diferença e que nos tornará melhores a cada dia, e não nossas palavras! Confesso que tudo isso é bem difícil de pôr em prática. Orai e Vigiai, disse Jesus.

Por estar vivendo diariamente num hospital, onde assisto a muito sofrimento e dor, às vezes saio deprimida de lá (estou com um trânsito de Saturno sobre meu Netuno Natal na Casa 8!), e reflito muito ultimamente sobre o desprendimento da matéria no momento da passagem. Porém, tenho medo de dar conselhos para não pecar de orgulho parecendo 'dona da verdade'.
Como falar de espiritualidade, de vida após a morte, para uma pessoa que sofre numa cama de hospital e se torce de dor? Como encontrar as palavras certas se não através da Fé? Aos olhos dos que nos pedem ajuda, representamos uma luz de esperança, mas não somos assim tão fortes! Muitas pessoas que nos escutam ou lêem os artigos, esperam um esclarecimento, um conselho, um ombro amigo, uma verdade. Ao darmos essa ajuda ou esses aconselhamentos recebemos reconhecimento e gratidão por nossa disponibilidade e, desta forma, nos sentimos preenchidos interiormente pelo trabalho feito. Mas... quanta responsabilidade sentimos!

Eu sinto muita pena e tenho compaixão por aqueles que sofrem, mas sinto pena e compaixão maior por aqueles que não têm Fé. Percebo que existe mais dificuldade em aceitar ou superar o sofrimento naqueles seres que colocam sua vida somente na mão dos médicos e dos remédios. Em minha opinião, a Cura se inicia sempre no mundo espiritual. O remédio não cura a alma. A homeopatia e outras terapias alternativas e holísticas - como a EFT* - nos ensinam que existem doentes e não doenças e que devemos curar o corpo sutil antes do corpo físico.

Bom, vou concluir nossa reflexão de hoje com essa pergunta: como irei me desprender de tudo o que tenho, tudo o que conquistei, tudo o que amo? Como deixar para trás os entes queridos, aqueles que amamos, no momento de minha partida? Será a sincronicidade com a conjunção de Saturno com o Sol em Libra, mas hoje como hoje, sinto uma profunda melancolia interior e me parece que a dor de toda a humanidade está dentro de mim. Reconheço que o que me acorrentará na cadeia das reencarnações é o apego ao mundo material, ou seja, os desejos. Por essa razão peço perdão e ajuda a Deus para que me encaminhe para o Nosso Lar com o auxilio dos Guias Espirituais quando chegar o meu momento. Espero, desta maneira e do fundo do meu coração, servir de exemplo, compartilhando com vocês, caros leitores, minhas experiências e minhas reflexões.

Graziella Marraccini

Amor...

Depois de uma noite onde quase não dormi... em que parece que muitas coisas aconteciam... acordei com uma pergunta... Bom... nem sei se já totalmente acordada... me veio uma pergunta que todos já fizemos inúmeras vezes....
O que estamos fazendo aqui... qual nosso propósito nessa Terra? E ao mesmo tempo veio a resposta...
Aprendendo a Amar...

Depois da resposta veio uma quietude tão grande... uma calma que foi como uma clarão simplificador...

Essa mesma resposta já tinha vindo de outras vezes... racionalmente e muito explicada... às vezes sentida... mas... dessa vez, mais do uma resposta veio um profundo entendimento sem palavras... eu tive certeza que era isso... uma certeza sentida com a Alma...
Tudo muito simples... e que simplificou tudo...

Senti que chegava a um ponto que busquei por muito tempo... no que aparentemente não trazia nenhuma novidade... trazia toda novidade... pela intensidade com que foi recebido... em um segundo, parece que acessei algo além...

Algo que não significa mais explicações nem mais coisas a acrescentar... era só um aprofundar... como se naquele curtíssimo período de tempo, algo em mim... que estava completamente receptivo, fundiu-se com o que recebi.

Muitas vezes, as mesmas coisas nos chegam... nos chegam... e nos chegam... e quando mais pensamos que sabemos... é quando menos sabemos... porque, às vezes, pensamos que o saber significam mais coisas diferentes... ou acrescimos ao que já temos para tornar aquilo mais sofisticado... e mais complicado.
Como temos mania de complicar o simples...

O que tanto buscamos pode estar tão perto e o tempo todo com a gente... mas não basta saber... é preciso sentir... viver até nos ossos... e o que já foi sentido tantas vezes... faz sentido... vamos adentrando por seus caminhos, algumas vezes mais superficialmente... outras de forma mais profunda... e o velho se transforma no novo de forma encantada.

Li outro dia, uma coisa que adorei... da Clarissa Pinkola Estés: "Dizem que tudo o que buscamos, também nos busca e, se ficarmos quietos, o que buscamos nos encontrará. É algo que leva tempo esperando por nós. Enquanto não chega, nada faças. Descansa. Já verás o que acontece enquanto isto".

Bom... mas isso tudo me trouxe uma simplicidade tão grande... sintetizou tantas coisas em um ponto que todos sabemos ser o essencial, mas que muitas vezes nossas memórias não nos permitem nos abrir para Ele... O Amor..
Mas me deu uma esperança... Às vezes um minutinho assim... desse contato... faz toda a diferença no caminho que vamos percorrer... e o melhor de tudo é que tive a certeza que tem muito mais... tem sempre muito mais...

E como fala o Caetano na música:
"...e aquilo que nesse momento se revelará aos povos
surpreenderá a todos, não por ser exótico
mas pelo fato de poder estar sempre
estado oculto quando terá sido o óbvio...."

Rubia A. Dantés

Agradecer é amar

Entre tantos predicados de uma pessoa, um deles se destaca: o senso da gratidão.
Saiba agradecer a Deus e às pessoas que lhe fizerem algum favor, alguma gentileza,
que ajudam você a superar dificuldades!
Como é elegante dizer obrigado pelos favores e atenções recebidas!
O gesto de agradecer deixa emocionado qualquer coração; mesmo os menos sensíveis.
Agradecer, porém, não é simplesmente dizer obrigado. Agradecer é viver de tal modo que esse obrigado transforme-se en gestos, atitudes que concretizem sua gratidão.
Agradecer é amar!
Se você gosta tanto que os outros lhe sejam gratos pelos favores que presta, alimente em você o sublime sentimento da gratidão.
A gratidão é sinal visível de uma realidade invisível: o lado divino do ser humano.

Vicente Carvalho

Olhe para trás

Olha para trás, para toda a jornada: os cumes, as montanhas, o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê a sua frente um oceano tão vasto que entrar nele nada mais é do que desaparecer para sempre.

Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar.
Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência.
Você pode apenas ir em frente.

O rio precisa se arriscar e entrar no oceano. E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece, porque apenas então o rio saberá que não se trata de
desaparecer no oceano. Mas tornar-se oceano.
Por um lado é desaparecimento e por outro lado é renascimento.
Assim somos nós. Voltar é impossível na existência.
Você pode ir em frente e se arriscar .
Coragem!
Torne-se OCEANO !!!

Osho

Postagens Recentes