Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

sábado, 3 de setembro de 2011

Auto-reflexão

Certa vez contei uma mentira a um homem. Ele respondeu dizendo me isto: - Todas as decisões que devo tomar serão baseadas nas suas palavras. Desde então, eu só disse a verdade.

Certa vez reclamei de um presente que recebi, porque não era o que eu queria. Aquele que me presenteou percebeu o desapontamento em meus olhos e disse-me isto: - Escolhi o presente mais valioso que poderia encontrar, porque achei que você deveria ter um deste. Desde então, fico muito alegre com cada presente que recebo.

Certa vez um homem contou-me um segredo, o qual eu sussurrei baixinho no ouvido de um outro amigo. O homem disse-me isto, depois de ouvir seu segredo repetido: - A razão pela qual contei-lhe o segredo foi porque confiei em você, não em seu amigo. Desde então, não confio assim tão facilmente.

Certa vez dei um presente a uma amiga e ela chorou. Me desculpei por ser um presente tão pequeno mas era o que eu tinha encontrado. E ela me respondeu: - Não há nada de errado com o presente, estou emocionada porque você lembrou-se de mim. Desde então, eu dou presentes freqüentemente.

Estava tentando apenas ser eu mesmo, passando despercebido sem chamar atenção. E me foi dito isto: - O fato de você não se adequar faz com que você fique fora de tudo. Desde então, eu penso sobre isto.

Eu sou o CENTRO de MEU UNIVERSO mas eu não vivo aqui sozinho.
Cada movimento que faço cria uma onda no oceano do outro.
Cada vez que respiro eu afeto todo o ar a minha volta.
Cada palavra que expresso bate no ouvido de alguém.
Aquilo que eu toco é sentido por outra pessoa.
Aquilo que faço, certamente afetará alguém.
O que não faço, também afetará pessoas.

Nós nunca sabemos a distancia realmente alcançada por algo que falamos ou fazemos até que nos retorne... Todas as coisas na vida formam um círculo e estamos no meio dele, quer o vejamos ou não...

E tudo que devo fazer é criar agradáveis ondas, aquelas que envolvem calorosamente tudo em torno de mim, e que voltam suaves, fazendo por sua vez que eu crie, cada vez mais, ondas agradáveis.


"Tradução e adaptação de Sergio Barros"

A borboleta e o cavalinho

Esta é a história de duas criaturas de Deus que viviam numa floresta distante há muitos anos atrás. Eram elas, um cavalinho e uma borboleta

Na verdade, não tinham praticamente nada em comum, mas em certo momento de suas vidas se
aproximaram e criaram um elo. A borboleta era livre, voava por todos os cantos da floresta enfeitando a paisagem. Já o cavalinho, tinha grandes limitações, não era bicho solto que pudesse viver entregue à natureza.

Nele, certa vez, foi colocado um cabresto por alguém que visitou a floresta e a partir daí sua liberdade foi cerceada. A borboleta, no entanto, embora tivesse a amizade de muitos outros animais e a liberdade de voar
por toda a floresta.

Gostava de fazer companhia ao cavalinho, agradava-lhe ficar ao seu lado e não era por pena, era por companheirismo, afeição, dedicação e carinho. Assim, todos os dias, ia visitá-lo e lá chegando levava sempre um coice, depois então um sorriso.

Entre um e outro ela optava por esquecer o coice e guardar dentro do seu coração o sorriso. Sempre o cavalinho insistia com a borboleta que lhe ajudasse a carregar o seu cabresto por causa do seu enorme peso.

Ela, muito carinhosamente, tentava de todas as formas ajudá-lo, mas isso nem sempre era possível por ser
ela uma criaturinha tão frágil. Os anos se passaram e numa manhã de verão a borboleta não apareceu para visitar o seu companheiro.

Ele nem percebeu, preocupado que ainda estava em se livrar do cabresto. E vieram outras manhãs e mais outras e milhares de outras, até que chegou o inverno e o cavalinho sentiu-se só e finalmente percebeu a
ausência da borboleta.

Resolveu então sair do seu canto e procurar por ela. Caminhou por toda a floresta a observar cada cantinho onde ela poderia ter se escondido e não a encontrou. Cansado se deitou embaixo de uma árvore.

Logo em seguida um elefante se aproximou e lhe perguntou quem era ele e o que fazia por ali. -Eu sou o cavalinho do cabresto e estou a procura de uma borboleta que sumiu. - Ah, é você então o famoso cavalinho? - Famoso, eu?

É que eu tive uma grande amiga que me disse que também era sua amiga e falava muito bem de você. Mas afinal, qual borboleta que você está procurando?

- É uma borboleta colorida, alegre, que sobrevoa a floresta todos os dias visitando todos os animais amigos. - Nossa, mas era justamente dela que eu estava falando.
Não ficou sabendo?
Ela morreu e já faz muito tempo.

- Morreu? Como foi isso? - Dizem que ela conhecia, aqui na floresta, um cavalinho, assim como você e todos os dias quando ela ia visitá-lo, ele dava-lhe um coice.

Ela sempre voltava com marcas horríveis e todos perguntavam a ela quem havia feito aquilo, mas ela jamais contou a ninguém.

Insistíamos muito para saber quem era o autor daquela malvadeza e ela respondia que só ia falar das visitas boas que tinha feito naquela manhã e era aí que ela falava com a maior alegria de você.

Nesse momento o cavalinho já estava derramando muitas lágrimas de tristeza e de arrependimento. - Não chore meu amigo, sei o quanto você deve estar sofrendo.

Ela sempre me disse que você era um grande amigo, mas entenda, foram tantos os coices que ela recebeu
desse outro cavalinho, que ela acabou perdendo as asinhas, depois ficou muito doente, triste e sucumbiu e morreu.

- E ela não mandou me chamar nos seus últimos dias? - Não, todos os animais da floresta quiseram lhe avisar, mas ela disse o seguinte:
"Não perturbem meu amigo com coisas pequenas, ele tem um grande problema que eu nunca
pude ajudá-lo a resolver.
Carrega no seu dorso um cabresto, então será cansativo demais pra ele vir até aqui."

Você pode até aceitar os coices que lhe derem quando eles vierem acompanhados de beijos, mas em algum momento da sua vida, as feridas que eles vão lhe causar, não serão mais possíveis de serem cicatrizadas.

Quanto ao cabresto que você tiver que carregar durante a sua existência, não culpe ninguém por isso, afinal muitas vezes, foi você mesmo que o colocou no seu dorso, OU PERMITIU QUE FOSSE COLOCADO.

D.A

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Energia do Amor

A energia do Amor “tão pouco conhecida e tão misteriosa em sua expressão mais profunda”, se manifestada com pureza por um ser, pode permitir que um outro se aproxime do próprio núcleo interior.


Principalmente nesta época, essa energia encaminha rapidamente os seres ao encontro desse núcleo, o que poderá se realizar por meio de situações agradáveis ou não para a consciência material. O trabalho da energia do Amor-Sabedoria não é dar alimento ao plano emocional, mas transfigurar efetivamente o que por ela é tocado. Assim, o que está limitado amplia-se, dissolvendo-se no que é superior e que se encontra em sua própria essência.


Sábios são os desígnios do cosmos, pois se a Terra não tivesse como Raio regente o Amor-Sabedoria, muito pouco do material que habita sua superfície poderia ser resgatado.


Essa energia impessoal trabalha ampliando e alargando aquilo que é restrito e limitado. Apesar de compassiva, não pressupõe complacência com o descompasso entre a vida manifestada e o arquétipo do Plano Evolutivo. Ela é como uma torrente poderosa que chega e inunda tudo, e a tudo mergulha em sua vastidão.


Até que o Amor seja compreendido e plenamente manifestado na vida planetária, há ainda um longo percurso que deve ser cumprido. É o Caminho que a Terra deve percorrer para, finalmente, vir a expressar uma imagem que seja a face do Cristo. Tal qual o Sol, que manifesta profundamente a energia crística e que desperta em cada um a gratidão e a reverência pela energia trazida em seus raios, também a Terra tem um padrão energético de Amor cósmico para expressar. Esse Amor, tão distante e oposto do que é a realidade externa deste planeta, vive latente em seu interior e no centro de cada partícula que o constitui.


A manifestação externa da energia crística por intermédio de um ser humano veio estabelecê-la definitivamente nos planos anímicos e materiais. O sangue desse Ser, derramado para redenção de todo o planeta, simboliza a penetração dessa energia nos planos concretos e a consolidação, na Terra, da luz e da chama do Amor cósmico, bem como da plena existência superior.

Estraido do O Povo online

José Trigueirinho Netto

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

XO!...XÔ!...XÔ!...

Tem dia que a gente levanta com vontade de ver tudo diferente,
corre para o terraço e ao olhar o nosso redor,
está tudo lá igualzinho...

Nossa!...Que sensação de frustração ter que continuar...
Convivendo com tudo aquilo que nossos olhos julgam errado.

Talvez eu esteja em um destes dias,
em que o peito cresce...a gente acha que pode gritar...

Sem pensar nas conseqüências
e o que as outras pessoas possam pensar...

Dia em que agente acorda com vontade
de se transformar em um grande guerreiro,
em um rebelde, em um destes que vem
para mudar conceitos e idéias que atormentam os homens.

Ah!...Como criança, entrei em um sonho fantástico
nele transformava-me num grande grito...

Capaz de atingir a todos, em todas as nações...

Abrir corações...Bater lá no fundo dos pensamentos,
dos pequenos, dos grandes, todos na minha visão iguais.

Assim, neste mundo de imaginação,
passei a incorporar um mago...

Que tinha poder de mudar tudo
Que minha alma há muito, não aceitava.
E, lá foi, entre sonhos, sobre uma montanha...

Com suas poções mágicas gritando a todos os povos!...

Xô inimizade!...
Xô inveja!...
Xô prepotência!...
Xô amargura!...
Xô falta de caráter!...
Xô incompetências!...
Xô corrupção!...
Xô cobranças!...
Xô diferenças sociais!...
Xô fome!...
Xô doença!...
Xô falsidade!...
Xô falta de fé!...
Xô drogas!...
Xô intrigas!...
Xô tentação!...
Xô traição!...
Xô indiferença!...
Xô mentiras!...
Xô injustiça!...
Xô insensibilidade!...
Xô poluição!...
Xô violência!...
Xô guerra!...
Xô estupros!...
Xô preconceito!...

Ah que mago sou!?...
Sonho, em um dia, simplesmente
fazer com que o mundo acorde e
dê um “Xô” bem grande a tudo que atormenta a humanidade,
a tudo que faz cada um de nós chorar,
a tudo que nos faz por vezes nos sentirmos infelizes.
Sendo um mago, ou não, eu vou continuar a gritar
quem sabe este mago atinja a um coração pelo menos
com isto vá se formando uma grande corrente
o mundo venha a se tornar um lugar agradável de se viver
todos possamos enfim conhecer com profundidade a palavra Paz!...

“Xô” A TUDO QUE FAZ ALGUÉM CHORAR!...

XO!...XÔ!...XÔ!...

Paulo Nunes Junior

Postagens Recentes