Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

quinta-feira, 22 de março de 2012

Nascemos com um grande tesouro, tão vasto, tão grandioso que é inexaurível. Mas vivemos em tão grande pobreza porque nunca cavamos até o fundo de nosso ser. Procuramos em outros lugares.

Esse é o detalhe mais estranho no homem: ele procura em todos os lugares — está disposto a ir ao monte Everest, está disposto a ir à lua —, mas não está pronto para entrar em si mesmo.

No momento em que você diz: "Explore seu interior", as palavras não são ouvidas. Mas é lá dentro que está o tesouro. E vivemos carregando o tesouro, porém continuamos como mendigos.

Sua realidade está em seu interior, e você a procura fora.

A primeira exploração deve ser feita internamente. Se você não a encontrar lá, é claro que poderá explorar o mundo todo. Mas isso nunca acontece. Aqueles que procuram dentro sempre encontram.

Osho

terça-feira, 20 de março de 2012

Smorgado escreve "Sinto-me só, o que é bom, mas estou confuso. Não sei o que está a acontecer. As coisas estão a mudar por dentro de mim, então, às vezes, fico assustado, às vezes há um sentimento flutuante.

Isso é natural. Sempre que você se sentir assustado, apenas relaxe. Aceite o fato de que o medo está lá, mas não faça nada com ele. Ignore-o, não lhe dê atenção. Observe o corpo. Não devia haver nenhuma tensão. Se não houver nenhuma tensão no corpo, o medo desaparece automaticamente. O medo cria um certo estado de tensão no corpo, para se enraizar nele. Se o corpo estiver relaxado, medo está fadado a desaparecer. Uma pessoa relaxada não pode ser medrosa. Você não pode assustar uma pessoa relaxada. Mesmo que o medo surja, ele virá como uma onda... Não criará raízes.

O medo a chegar e a ir como ondas e você permanecendo intocado por ele... é belo. Quando ele cria raízes e começa a crescer em si, então torna-se um crescimento, um crescimento canceroso. Assim deforma o seu organismo interior.

Portanto, sempre que se sentir temeroso, uma coisa a observar é que o corpo não deve ficar tenso. Deite-se no chão e relaxe - o relaxamento é o antídoto para o medo - e ele irá chegar e passar. Você simplesmente observa.

Esse observar não deve ser de interesse - indiferente. A pessoa apenas aceita que está tudo bem. O dia está quente, o que pode você fazer? O corpo está a transpirar... É preciso passar por isso. A noite está próxima e uma brisa fresca soprará... Então apenas observe o facto e fique relaxado.

Assim que pegar o jeito, logo o conseguirá - se está relaxado, o medo não se pode colar em si, ele vem e passa e deixa-o tranquilo - assim você terá a chave. E ele virá. Ele virá porque quanto mais mudamos, mais medo virá.

Toda a mudança gera medo, porque toda mudança o leva ao desconhecido, a um mundo estranho. Se nada mudar e tudo permanecer estático, você nunca terá medo algum. Isto significa que se tudo estiver morto, você não terá medo.

Por exemplo, você está sentado e existe uma rocha ao seu lado. Não há nenhum problema: você olha para a rocha e está tudo bem. De repente, a rocha começa a se mover; você fica assustado. Vivo! Movimento gera medo; e se tudo estiver parado, não há nenhum medo. Eis porque pessoas, com medo de cair em situações temerosas, arranjam uma vida sem mudanças. Tudo permanece na mesma e a pessoa segue uma rotina morta, completamente esquecida de que a vida é um fluxo. Ela permanece numa ilha própria onde nada muda. A mesma sala, as mesmas fotografias, a mesma mobília, a mesma casa, os mesmos hábitos, as mesmas camas - tudo na mesma. O mesmo maço de cigarros; não gostará sequer mesmo de uma marca diferente. Entre isso, no meio dessa mesmice, a pessoa sente-se à vontade.

As pessoas vivem quase que em seus túmulos. O que chama de uma vida conveniente e confortável não é nada senão um túmulo disfarçado. Então, quando você começa a mudar, quando começa na jornada do espaço interior, quando se torna um astronauta do espaço interior, tudo está a mudar depressa, cada momento tremendo de medo. Desse modo, mais e mais medo precisa ser enfrentado.

Deixe o medo estar lá. Pouco a pouco começará a desfrutar tanto das mudanças que estará preparado a qualquer custo. Mudanças irão dar-lhe vitalidade... Mais vivacidade, alegria, energia. Então você não será como um poço - fechado por todos os lados, estático.
Você se tornará como um rio correndo em direcção ao desconhecido, em direcção ao oceano onde desaparece.

Osho

segunda-feira, 19 de março de 2012

Aceitação pode gerar mudanças

Pode parecer paradoxal, mas você já reparou como geralmente aquilo que mais reclamamos, é justamente o que costuma ficar se repetindo em nossas vidas? Pode ser o hábito irritante de alguém, um tipo de inconveniente que nos acontece com frequência ou mesmo a reação das pessoas a nós.
De fato, aquilo que prestamos mais atenção é o que se expande, assim como o que mais resistimos é o que persiste. É tal como na fábula antiga na qual o sol e o vento fizeram uma aposta: um viajante estava vestindo um casaco e andava normalmente pelo campo. O vento garantiu que o faria tirar o casaco com o poder de sua ventania. O que aconteceu é que, quanto mais ele soprava, mais o homem se agarrava ao seu casaco. Quando chegou a vez do sol, ele simplesmente, com toda sua bondade, abriu um sorriso e deixou o tempo esquentar suavemente. Logo o homem sentiu calor e tirou o casaco por vontade própria.
Esta história ilustra muito bem nossa própria atitude em relação à vida e às outras pessoas. Quantas vezes não ficamos de marcação cerrada sobre alguém para que ela mude e, apesar de todos os nossos esforços, a reação mais comum é ela se defender e se manter exatamente do mesmo jeito?
Por isso, se algo não estiver lhe agradando, ao invés de ficar reagindo contra, fugindo, negando, evitando, reclamando, simplesmente aceite que é assim e tome as decisões necessárias. Afinal, só conseguimos de fato mudar quando enxergamos com clareza nossa situação e tomamos atitudes corretas para resolvê-la, ao invés de ficar perdendo tempo com cogitações do que poderia ter sido ou culpabilizações e sentimento de vítima.
Confira abaixo alguns exemplos:
O relacionamento não vai bem? Não tente mudar a pessoa, simplesmente deixe claro o que está acontecendo e, se precisar, parta para outra.
Alguém fica o tempo todo lhe provocando? Não reaja. Simplesmente não dê força a esta ação e continue tranquilo.
O seu volume de trabalho aumentou? Aprenda a delegar ou peça ajuda, mas não fique se sufocando e tentando fugir do que precisa ser feito.
Tudo deu errado hoje? Não perca tempo reclamando. Lembre-se do que deu certo e seja otimista. Tudo pode melhorar!
Quando não resistimos, nos damos a oportunidade de encontrar saídas sem tantos desgastes emocionais. Além disso, resistir é emitir uma energia negativa, de raiva, de frustação. Você pode, sim, lutar pelo que deseja, aproveitando o próprio movimento da vida para se lançar em direção ao desconhecido e ser bem-sucedido. SEJA FELIZ!!! NÃO AO STRESS!!!

fonte: não encontrada.

Não rumine o passado!

Ruminar erros passados, cobrar-se excessivamente por resultados melhores e culpar-se - até pelo inevitável - torna a vida cinza e pesada. Siga oito passos para se libertar de vez da culpa e volte a ser feliz consigo mesma! As dicas são de Fred Luskin, do site Forgive for good:

1. Em vez de viver se culpando pelo que deu errado, coloque sua energia na busca por outro modo de realizar determinada tarefa ou acertar um mal-entendido.
2. Saiba exatamente como se sente em relação a determinada experiência dolorosa e, em seguida, compartilhe esse sentimento com alguém de confiança, um amigo ou seu terapeuta.
3. Faça um pacto consigo mesma de fazer o que for preciso para se sentir melhor. O perdão é algo que diz respeito tão-somente a você e a mais ninguém.
4. O autoperdão ajuda a cicatrizar velhas feridas, mas é preciso entender que seu sofrimento vem de pensamentos cultivados hoje, portanto, mude o foco.
5. No momento em que se sentir magoado(a) ou triste consigo mesmo(a), faça uma atividade positiva, que lhe traga prazer.
6. Pare de esperar que os outros mudem seu comportamento e o modo de tratá-la. Sua felicidade depende exclusivamente de suas ações e atitudes.
7. Lembre-se de que uma vida feliz e bem vivida é sua melhor vingança. O autoperdão aumenta seu poder pessoal.
8. Pare de se lembrar do que perdeu e de como sofreu, passe a se lembrar de como deu a volta por cima e como se sente mais forte hoje.

RELAXE E NÃO SE CULPE!!! SOMOS O QUE QUEREMOS E DEVEMOS SER!!

Postagens Recentes