Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Eternamente envolvidos pelo amor

Desde os raios do sol que cuidam e sustentam a vida no nosso precioso planeta, até o estender de uma mão amiga ao outro que está necessitado, nossa existência está fundada neste princípio unificador que nós conhecemos em nosso coração como amor. A própria vida é a expressão do amor incondicional e você está aqui exatamente agora só porque você é uma magnífica presença desse mesmo amor.

A beleza da nossa jornada é que nós representamos todo um espectro de tamanhos e formas, cores e gêneros, crenças e perspectivas, enquanto estamos sempre conectados em um laço comum de unidade através do nosso coração. Desde a menor partícula atômica até o esplendor de uma idéia construtiva que muda o mundo, é o amor que orienta a nossa grande expedição nesta experiência de vida.

Nós vivemos para amar tal qual nós amamos viver. Cada um de nós representa uma expressão maravilhosamente distinta e exclusiva de nosso potencial individual e coletivo para compartilhar o amor. Este amor anima e nos estimula para vivermos o amor em todos os aspectos e facetas da vida. Esse é o nosso mais profundo desejo, personificar este amor já que é isto que nós somos no âmago do nosso ser.

Mesmo quando nós escolhemos criar a ilusão de que de alguma forma nós estamos separados do amor, o potencial de amar permanece em todos os momentos. Se nós permitirmos que a percepção de separação dure por tempo suficiente para que comecemos a duvidar de nós mesmos e desta eterna conexão, ou até além, permitirmos que o pensamento de medo penetre, um simples reconhecimento do nosso batimento cardíaco já é suficiente para nos lembrar de que o amor está bem ali, dentro do nosso ser.

Você tem importância com cada inspiração que você faz e cada passo que você dá. Toda ação e interação, pensamento, palavra e sentimento faz diferença para todos.

Ninguém jamais poderá substituir você e o que você traz para esta incrível tapeçaria da vida é inestimável e apreciável.

O amor é assim.

Este é você... uma incrível presença de amor.

Harold Becker
Copyright © 2000 - 2009 The Love Foundation, Inc.

FONTE: http://spiritlibrary.com/
Tradução: SINTESE

Castelo de Areia

Num dia de verão, estava na praia, observando duas crianças brincando na areia.
Elas trabalhavam muito, construindo um castelo de areia,
com torres, passarelas e passagens internas.
Quando estavam quase acabando, veio uma onda e destruiu tudo,
reduzindo o castelo à um monte de areia e espuma.
Achei que as crianças cairiam no choro, depois de tanto esforço e cuidado,
mas tive uma surpresa.
Em vez de chorar, correram para a praia, fugindo da água, Sorrindo, de mãos dadas
e começaram a construir outro castelo...
Compreendi que havia recebido uma importante lição:
Gastamos muito tempo de nossas vidas construindo alguma coisa.
E mais cedo ou mais tarde, uma onda poderá vir e destruir o que levamos tanto tempo para construir.
Mas quando isso acontecer, somente aquele que tem as mãos de alguém para segurar, será capaz de dar uma reviravolta !!!.
Tudo é feito de areia;
Só o que permanece é o nosso relacionamento com as outras pessoas.

Autor desconhecido

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Saber cultivar

Você costuma cuidar do seu jardim, cultivar flores e plantas?

Nem todas as pessoas gostam de cultivar, e raras são as que se dedicam a algum tipo de cultura com conhecimento de causa.

Mas esse não é o caso de um fazendeiro que venceu o prêmio milho-crescido, pois ele entendia muito bem da arte de cultivar, no seu mais amplo sentido.

Todo ano ele entrava com seu milho na feira e ganhava uma fita azul.

Uma vez, um repórter de jornal o entrevistou e aprendeu algo interessante sobre como ele cultivava seu milho.

Descobriu que o fazendeiro compartilhava a semente do seu milho com os vizinhos.

Intrigado, o repórter lhe perguntou:

Como pode você se dispor a compartilhar sua melhor semente de milho com seus vizinhos, uma vez que eles estão competindo com você todo ano?

Por que? disse o fazendeiro, então, você não sabe?

É que o pólen do milho maduro é levado através do vento de campo para campo. Se meus vizinhos cultivam milho inferior, a polinização continuada degradará a qualidade do meu milho.

Assim, se eu desejo cultivar milho de boa qualidade, tenho que ajudar meus vizinhos a cultivar milho bom.

Aquele fazendeiro estava atento às conectividades e interdependências da vida.

O milho dele não seria de boa qualidade, a menos que o milho do vizinho também fosse.

Isso também acontece em outras situações da vida.

Aquele que escolhe estar em paz deve fazer com que seus vizinhos igualmente estejam em paz.

Aquele que quer viver bem deve ajudar os outros para que também vivam bem.

Aquele que quer ser feliz tem que ajudar os outros a achar a felicidade, pois o bem-estar de cada um está ligado ao bem-estar de todos.

Quando descobrirmos a arte de cultivar, saberemos que quanto mais as coisas boas se espalharem mais elas nos beneficiarão.

Se o nosso colega de trabalho estiver se sentindo bem, nós sentiremos as suas vibrações de paz, e a recíproca é verdadeira.

Se nosso amigo estiver satisfeito e feliz, sua felicidade acabará nos alcançando e compartilharemos da sua satisfação.

Se a sociedade em que vivemos gozar de perfeita harmonia, com certeza seremos contagiados por essa harmonia que a todos envolve.

Assim, se ainda não temos o hábito do cultivo compartilhado, façamos essa experiência e veremos que os resultados serão sempre favoráveis.

Se você gosta de semear flores, divida as boas sementes com os seus vizinhos, pois assim seu jardim ficará sempre exuberante.

Se você deseja colher frutos apetitosos, distribua sementes de boa qualidade com o maior número de pessoas possível, assim terá sempre a garantia de uma ótima safra.

Além disso, caso a sua colheita venha a sofrer algum tipo de prejuízo, você terá a garantia de que algum dos seus vizinhos o socorrerá na crise.

Pense nisso!

Redação do Momento Espírita com base em história do livro How to talk well, de James Bender, tradução de Sérgio Barros

A felicidade pode demorar

Às vezes as pessoas que amamos nos magoam, e nada podemos fazer senão continuar nossa jornada com nosso coração machucado.
Às vezes nos falta esperança. Às vezes o amor nos machuca profundamente,e vamos nos recuperando muito lentamente dessa ferida tão dolorosa.
Às vezes perdemos nossa fé, então descobrimos que precisamos acreditar,
tanto quanto precisamos respirar...é nossa razão de existir.
Às vezes estamos sem rumo, mas alguém entra em nossa vida, e se torna o nosso destino.
Às vezes estamos no meio de centenas de pessoas, e a solidão aperta nosso coração pela falta de uma única pessoa.
Às vezes a dor nos faz chorar, nos faz sofrer, nos faz querer parar de viver, até que algo toque nosso coração, algo simples como a beleza de um pôr do sol, a magnitude de uma noite estrelada, a simplicidade de uma brisa batendo em nosso rosto.
É a força da natureza nos chamando para a vida.
Você descobre que as pessoas que pareciam ser sinceras e receberam sua confiança, te traíram sem qualquer piedade.
Você entende que o que para você era amizade, para outros era apenas conveniência, oportunismo.
Você descobre que algumas pessoas nunca disseram eu te amo, e por isso nunca fizeram amor, apenas transaram...
Descobre também que outras disseram eu te amo uma única vez. E agora temem dizer novamente, e com razão, mas se o seu sentimento for sincero poderá ajudá-las a reconstruir um coração quebrado.
Assim ao conhecer alguém, preste atenção no caminho que essa pessoa percorreu, são fatores importantes: a relação com a família, as condições econômicas nas quais se desenvolveu. (dificuldades extremas ou facilidades excessivas formam um caráter), os relacionamentos anteriores e as razões do rompimento, seus sonhos, ideais e objetivos.
Não deixe de acreditar no amor. Mas certifique-se de estar entregando seu coração para alguém que dê valor aos mesmos sentimentos que você dá. Manifeste suas ideias e planos, para saber se vocês combinam. E certifique-se de que quando estão juntos, aquele abraço vale mais que qualquer palavra. Esteja aberto a algumas alterações, mas jamais abra mão de tudo, pois se essa pessoa te deixar, então nada irá lhe restar.
Tenha sempre em mente que às vezes tentar salvar um relacionamento, manter um grande amor, pode ter um preço muito alto se esse sentimento não for recíproco. Pois em algum outro momento essa pessoa irá te deixar e seu sofrimento será ainda mais intenso, do que teria sido no passado.
Pode ser difícil fazer algumas escolhas, mas muitas vezes isso é necessário.
Existe uma diferença muito grande entre conhecer o caminho e percorrê-lo.
A tristeza pode ser intensa, mas jamais será eterna.
A felicidade pode demorar a chegar, mas o importante é que ela venha para ficar e não esteja apenas de passagem...

François de Bitencourt

domingo, 28 de novembro de 2010

Diretrizes para o ser humano - Reflexão

Você receberá um corpo físico. Você pode amá-lo ou detestá-lo, mas ele será seu ao longo de toda a sua existência.

Você receberá lições. Você estará matriculado na escola da vida em período integral. Você terá oportunidades para aprender a cada dia que passa. Você poderá usar estas oportunidades ou deixá-las passar simplesmente. Não há erros, apenas lições.

O crescimento é resultado de um processo de tentativa e erro: uma experimentação. Os experimentos fracassados são tão parte do processo quanto os experimentos que funcionam. Uma lição se repetirá até que tenha sido aprendida. Esta lição será apresentada a você sob várias formas até que você a tenha aprendido. Quando conseguir isso, poderá então passar para a próxima lição.

Aprender lições é um processo interminável. Não há nenhum evento na vida que não contenha uma lição. Se você está vivo, sempre haverá uma lição para aprender.

Lá não é melhor que aqui. Quando o seu lá se transformar em aqui, você apenas estará obtendo outro lá que, mais uma vez, parecerá melhor que aqui. Os outros são apenas espelhos da sua própria imagem.

Você não pode amar ou detestar alguma coisa em outra pessoa sem que isso reflita alguma coisa que você ama ou detesta em si mesmo.

É você quem escolhe o que quer fazer da sua vida. Você tem todas as ferramentas e recursos de que precisa. O que faz com eles é problema seu. A escolha é sua. As respostas estão dentro de você. As respostas às questões da vida estão dentro de você.

Tudo que você tem a fazer é prestar atenção, ouvir e confiar

(recebí sem autoria)

Mestres do perdão

Eram duas crianças a brincar. Amigos. Vizinhos. Um desfrutava de privilegiada situação social. Toda novidade em matéria de brinquedos lhe chegava, de forma rápida, às mãos.

O outro era o amigo que, por conta justamente da amizade, desfrutava com alegria desses pequenos prazeres da infância.

Naquele dia, a novidade era um trem. Nada sofisticado. Mas um trem de cores vivas que, nas mãos dos garotos logo adquiriu vida.

O trem ia de uma cidade a outra. Com rapidez. Recebia pessoas aqui, deixava outras ali. Transpunha distâncias em segundos, na imaginação fértil dos petizes, dando quase a volta ao mundo.

A geografia não importava muito. Em um momento, estavam numa localidade. Em outro, tinham transposto o mar e se encontravam em outra.

Assim seguia a brincadeira, até o momento em que o amiguinho resolveu que o trem deveria ficar mais tempo em suas mãos.

Afinal, o dono do trem o detinha em demasia. Ele fazia as viagens mais longas, mais emocionantes.

À conta disso, começou uma discussão. O trem é meu, então fico com ele tanto tempo quanto quero!

Mas eu sou seu amigo e seu convidado! Você tem que me deixar dirigir o trem.

E uma pequena disputa se travou. Os dois meninos agarraram o trem, cada um puxando de um lado.

Puxa daqui, puxa dali. O dono do brinquedo puxou com mais vigor. Caiu e o brinquedo lhe bateu na fronte, ferindo-o de leve.

Mas a dor da batida e um pequeno filete de sangue, que logo apareceu, fez com que o choro começasse.

Acudiram mãe e pai. Ao ver o rosto do filho com um hematoma e o sangue, o pai se tomou de ira, gritou com o visitante, fez-lhe ameaças.

O garoto ficou parado, sem entender muito bem toda a questão, pela rapidez com que tudo acontecera.

O amigo chorava, machucado. O pai o colocou ao colo e ia se preparando para sair, rumo ao hospital.

Afinal, pensava, era preciso verificar se algo mais grave não acontecera.

Quando ia transpondo a porta, o ferido levantou o rosto que estava apoiado ao ombro do pai, enxugou as lágrimas e gritou para o amiguinho ainda atônito, sentado no chão:

Ei, não vá embora! Eu volto logo e vamos continuar a brincar.

Então, o pai se deu conta do estardalhaço que fizera por pouca coisa. Limpou o rosto do filho ele mesmo e o entregou de volta à brincadeira.

O fato é mais corriqueiro do que se imagina. Em verdade, pequenas rusgas surgem entre as crianças.

Rusgas que parecem prestes a explodir em agressão.

Entre os adultos, nos envolvemos em situações semelhantes, muitas vezes.

Mas, deveríamos aprender com as crianças, esquecendo logo a dificuldade e retornando ao convívio da amizade ou do trabalho.

Razão tinha mesmo Jesus ao nos dizer que deveríamos nos assemelhar às crianças para conquistarmos o Reino dos Céus.

O Reino dos Céus que se traduz em paz e começa na intimidade de cada um.

Redação do Momento Espírita, a partir de pequena história narrada por Divaldo Pereira Franco, no Encontro fraterno com Divaldo Pereira Franco, realizado em Guarajuba/BA, de 4 a 7 de setembro de 2010.

Não desista do bem.

Por vezes nos sentimos impotentes diante das próprias limitações.

Gostaríamos de fazer tanta coisa, de mudar as situações que nos infelicitam e fazem sofrer aqueles que nos rodeiam, mas não logramos sequer dar o primeiro passo.

Os problemas do mundo são tantos que temos a impressão de que não há nada que possamos fazer, considerando a nossa pequenez.

Talvez você também já tenha pensado em desistir do bem e deixar que as coisas sigam ao sabor dos ventos...

Talvez você desejasse ser tanta coisa e muito pouco consiga ser... Mas mesmo assim, nunca desista do bem.

Há dias em que você desejaria ser um grande e produtivo pomar...

Ante a dificuldade de consegui-lo, torne-se uma árvore frondosa e acolhedora, que produza flores e frutos.

Por vezes, você gostaria de ser uma fonte cristalina.

Não o logrando, transforme-se num vaso de água fresca e aplaque a sede de alguém.

Você desejaria ser uma montanha altaneira a apresentar horizontes infinitos ao homem que a conquistasse.

Diante da impossibilidade, seja um degrau humilde para a ascensão de quem ambiciona a glória estelar.

Você pretenderia ter um sol emboscado no coração, a fim de clarear os viajantes da noite.

Em face do impedimento, acenda uma lâmpada de esperança no caminho de um desalentado.

Você almejaria ser um jardim de bênçãos para o enriquecimento da paisagem dos homens.

Não o conseguindo, converta-se numa flor, abençoando com seu perfume, a estrada dos desesperados.

Você ambicionava as gemas preciosas do seio generoso da terra, a fim de diminuir a dor e a miséria dos caminhantes da aflição.

Não as possuindo, distenda a palavra de renovação como pérola de inigualável valor, soerguendo quem se recusa a levantar para prosseguir na luta.

Você pensava em escrever poemas de engrandecimento à vida, enriquecendo as mentes e os corações com painéis de luz e sabedoria.

Na impossibilidade de fazê-lo por lhe faltarem os requisitos essenciais, redija uma carta singela com expressões de amor, a quem se encontra na curva da queda e perdeu a confiança na afeição dos outros.

Você esperava a melhoria das criaturas e do mundo...

Decepcionado por não poder alcançar essa difícil meta, erija no altar dos sentimentos um santuário à fraternidade e ao dever superior.

Não desista do bem, não desfaleça no bem, não duvide da vitória do bem.

Agasalhe-o no imo da alma e seja uma expressão do bem em triunfo, mesmo convertido num grão de mostarda que, todavia, produzirá estímulos vigorosos para o bem de todos.

Seja qual for a situação, jamais desista de fazer o bem.

Jamais duvide da força do bem, porque o mal não tem vida própria, ele só se insinua quando o bem não está presente.

O mal, assim como a sombra, bate em retirada aos primeiros raios de luz.

Faze o bem em toda parte com as mãos e com o coração, orando e esclarecendo, a fim de que o trabalho da verdade fulgure em teus braços como estrelas luminescentes em forma de mãos.

Equipe de Redação do Momento Espírita, adaptação do cap. 8 do livro Momento de Decisão, Divaldo Franco, pelo Espírito Marco Prisco e no verbete “Bem”, do livro Repositório de Sabedoria, 1º volume.

Tenham um dia repleto de paz!

São Francisco de Assis!

Senhor fazei de mim um instrumento
de vossa paz.
Onde houver ódio que eu leve o amor
Onde houver ofensa que eu leve o perdão
Onde houver discórdia que eu leve a união
Onde houver dúvida que eu leve a fé
Onde houver erro que eu leve a verdade
Onde houver desespero que eu leve a esperança
Onde houver tristeza que eu leve a alegria
Onde houver trevas que eu leve a luz
Oh! Mestre fazei com que eu procure mais
consolar do que ser consolado, compreender
do que ser compreendido, amar do que ser
amado pois é dando que se recebe e é
perdoando que se é perdoado e é morrendo
que se nasce para a vida eterna

Amém.


A TODO O POVO DO RIO DE JANEIRO!

Postagens Recentes