Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

segunda-feira, 23 de julho de 2007

A descoberta de Buda


A descoberta de Buda

Você nasceu com uma enorme possibilidade de inteligência.
Você nasceu com uma luz dentro de você.
Ouça a pequena e silenciosa voz dentro de você, ela irá guiá-lo.
Ninguém mais poderá guiá-lo, ninguém mais poderá ser um modelo para a sua vida,
porque você é único.
Nunca houve ninguém como você, e jamais voltará a existir outra pessoa exatamente como você.
Essa é a sua glória, sua grandeza:
o fato de ser absolutamente insubstituível, de ser apenas você mesmo e ninguém mais.
(Osho)

Nós falamos do Buda antes. É bom contar a história toda.
O nome dele era Sidarta Gautama. Vivia num fausto, em meio ao luxo quando jovem, porque seu pai e sua família eram os governantes de uma imensa região rural e tinham muito dinheiro.
Tentaram evitar que Sidarta chegasse ao conhecimento do mundo exterior por muitos anos. E o mantiveram dentro das muralhas, mas um dia Sidarta se aventurou para fora dos muros e aprendeu sobre a vida que existia nas ruas.
Aprendeu sobre a pobreza, a doença, a crueldade, a raiva e todas as chamadas experiências negativas que ninguém jamais lhe permitira vivenciar quando estava dentro dos portões da cidadela.
E ele se despojou de todas as suas riquezas e de todos os luxos, da família, largou a mulher, os filhos, todos da sua casa e desapareceu, embarcando em sua viagem rumo ao esclarecimento do espírito.

"O que posso fazer?", ele perguntava. "O que posso fazer?"

E então ele exercitou uma série de disciplinas físicas e mentais muito rigorosas, desde o jejum até meditações que duravam o dia inteiro, treinamentos físicos de todos os tipos imagináveis.
Isso durou bastante tempo, não uma ou duas semanas, mas um longo tempo. Em torno de seis anos.
Ele procurou outros mestres e lhes perguntou como tinham chegado ou se aproximado da experiência da iluminação do espírito, e fez o que eles disseram, pois queria homenagear os mestres que encontrava no seu caminho.
Nada, porém, criou aquela experiência de iluminação do espírito. Só resultou num corpo fraco e uma vida muito difícil, com disciplina e treinamento físico e mental.
E um dia Sidarta Gautama disse:

"Vou sentar-me sob esta árvore até que meu espírito se ilumine. Já experimentei tudo, segui todas as disciplinas físicas, todos os treinamentos, todos os exercícios, passei fome, fiz todas as dietas, todos os jejuns e todas as meditações. Vou simplesmente ficar aqui, sentado no chão, estou cansado de tudo isso, e não vou me levantar até estar iluminado."

E ficou lá sentado, sem fazer nada. Nenhum exercício, nenhuma meditação, nenhum jejum, absolutamente nada. Para muitos de nós, isso é muito difícil, porque achamos que existe alguma coisa que devemos fazer para conseguir iluminar nosso espírito. .

O Buda ficou lá sentado, até que abriu os olhos e descobriu que estava iluminado. E ele disse: "Estou iluminado."

E as pessoas se aproximaram dele e gritaram: "O que você fez? O que você fez? Ensine para nós, mestre! Você se tornou o Buda, o Iluminado. Qual é o segredo? O que você fez?"

E o Buda disse uma coisa extraordinária: "Vocês não precisam fazer nada."

Nossa, o pessoal lá não entendeu nada, não entendeu o que Buda disse, que não é necessario fazer nada, pois já somos o que queremos ser.... Buda apenas recordou-se. Apenas isso, depois de largar todas aquelas práticas esotéricas: ele apenas recordou-se.

Imagine só.
Depois de todo aquele tempo. Depois de toda aquela autoflagelação, usando apenas uma túnica, passando fome e com toda aquela disciplina física.
Depois de todo aquele tempo, ele descobriu que não era contar as contas de um terço, que não era acender incenso, nem sentar e meditar três horas por dia.
Não era nada disso!

Pode ser isso, se você quiser que seja. Pode ser, se é isso que combina com você. Pode ser, se for esse o seu caminho, mas não é necessário fazer nada.

O Buda disse, na verdade: "Estou iluminado porque compreendi que essa inspiração é saber que não é preciso fazer nada para ser iluminado."
Não é interessante ?

De certa forma, é triste, se pensarmos em todo o esforço que as pessoas estão dedicando a isso, em programas e treinamentos anuais, para finalmente descobrir que essa inspiração não exige absolutamente nada.
Cheguei até aqui e concluirei dizendo uma coisa ousada. Vou lhe dizer que um dia eu também posso ser iluminado.
Você pode pensar que estou brincando, mas não estou. Posso ser um mestre iluminado e qualquer um pode.
E sabe como vou saber que fiquei iluminado?
Quando eu encontrar paz, alegria e amor em cada momento.
Assim como Buda, Jesus Cristo, Paramahansa Yogananda, quero ir em busca dessa inspiração.

(Neale)

Não permitais que eu me preocupe demais com essa coisa
chamada "eu".
Dá-me senso de humor.
Dá-me a graça de saber discernir uma brincadeira,
de extrair alguma alegria da vida e de compartilhá-la com outras pessoas.

(São Tomas More)

Nenhum comentário:

Postagens Recentes