Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

O que dizia o córrego

Khalil Gibran, em um de seus belos e inspirados textos, fala-nos de um córrego, e do que ele lhe contou sobre os segredos da vida.

Caminhava eu no vale, quando irrompeu a alvorada, proclamando o mistério de um mundo imortal.

E um córrego que fluía em seu leito, começou a cantar e dizer:

A vida não está no bem-estar. Ela é objetivo e labor.

A morte não consiste em morrer. Morte é a desesperança e a enfermidade.

O sábio não é sábio pelas palavras, mas pelo que se oculta nas palavras.

Glorioso não é aquele que ocupa altas posições. A glória pertence àquele que renuncia ao poder.

E o nobre não o é pelos seus antepassados. Muitos nobres foram vítimas de seus antepassados.

O oprimido não é aquele que tem as mãos acorrentadas. Uma corrente pode ser um adorno mais lindo que um colar.

O paraíso não está nas recompensas recebidas. No coração sereno, encontra-se o paraíso.

O inferno não é o castigo infligido. Inferno é o coração vazio.

A riqueza não é o dinheiro acumulado. Muitos indigentes são mais ricos que os ricos.

Ser pobre não é motivo de humilhação. A fortuna deste mundo é um alimento e uma veste.

A beleza não é o que refletem os semblantes, mas, sim, a luz que ilumina os corações.

Foi isto o que disse aquele córrego, às rochas que guarnecem suas beiras.

*   *   *

A felicidade que nos é possível viver neste mundo está nessas descobertas que vamos fazendo ao longo do caminho.

Os poetas conseguem interpretar os córregos e, se ainda não podemos realizar tal mister, a vida faz-nos encontrar tais revelações de outras formas.

A vida está sempre nos ensinando algo: seja numa conversa com alguém mais experiente, seja numa palestra que ouvimos ou numa breve mensagem no rádio convidando-nos a refletir.

É por esta razão que precisamos estar atentos e receptivos ao que o universo está tentando nos mostrar com esse ou aquele acontecimento; com essa ou aquela lição; com um sofrimento ou com uma alegria.

Livros primorosos foram escritos para que encontrássemos ali as respostas que buscamos.

Espíritos elevados voltam à Terra para mostrar o caminho dos dias melhores que nos esperam.

Oradores e pensadores, intermediários entre os mundos superiores e o nosso, vêm, em livros, palavras e atos, revelar verdades que visam nos libertar de tantos atavismos, de tantos vícios.

Dessa forma, mesmo ainda não podendo ouvir os córregos, já podemos encontrar muitas maneiras de seguir por sendas mais seguras e certas.

E elas estão muito mais próximas do que imaginamos.

Prestemos atenção. Permitamo-nos as descobertas valiosas que somente nos engrandecerão o intelecto e a moral.

Estejamos atentos.

Redação do Momento Espírita, com base no capítulo
O que dizia o córrego, de Khalil Gibran, do livro  Curiosidades e belezas, ed. Agigi.

Nenhum comentário:

Postagens Recentes