Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A Graça do Perdão

A culpa é um dos mais cruéis e terríveis sentimentos que o ser humano pode carregar na consciência. Esse sentimento tem um peso abstrato milhares de vezes maior que o peso material. Se um ato errado na maioria das vezes impensado, que alguém cometeu, é grave, só existe uma solução, só existe uma porta pela qual se pode aliviar tal peso, cuja porta chama-se “confissão” e para que haja uma limpeza maior da consciência, do coração e do espírito, há que haver o perdão e este só é alcançado em toda plenitude, quando existe sinceridade no arrependimento e na concessão do perdão. Existe uma máxima popular que diz: errar é humano, persistir no erro é mais grave que o próprio erro. Diante da persistência do erro, a desculpa, tanto quanto o perdão, não tem mais o efeito e o valor que deveria ter, por que se tornam mais um vício do que uma necessidade.

Estar em paz e viver em paz, estar em harmonia e viver em harmonia com nós mesmos, são deveres primordiais e necessários, que inclui, principalmente, estar harmônico com a natureza, para que essa possa nos conceder o seu perdão, quando sinceramente o pedimos, por tantas agressões a ela cometidas.

Errar é condição própria do ser humano, mas, acertar também, e quando procuramos mais acertar do que errar a satisfação se acentua e nossa condição de ser humano fica mais elevada, torna-se mais nobre, porque nossa consciência se alegra em nós mesmos e ficamos em paz conosco, pela graça do perdão, quando alcançado.

Edilson Menezes

Nenhum comentário:

Postagens Recentes