Além do horizonte, existem outros mundos a serem descobertos.
Lá, folhas não caem, elas flutuam.
Lá, o meio de transporte são pássaros que vem até você e com o suspiro de seu amor, neste mundo todos andam de mãos dadas lá é aonde a harmonia toma conta da natureza de todas as espécies viventes.
Lá, não colhemos flores, mas as flores colhem a gente.
Chegou o tempo de despertar e acreditar que esta vida vale apena ser vivida.
-Rhenan Carvalho-

sábado, 27 de agosto de 2011

A Virtude

Para falarmos da virtude é preciso primeiro defini-la como sendo a boa qualidade moral, disposição habitual para a prática do bem, é a retidão, a austeridade, enfim, virtude é o conjunto sublime de todas as boas qualidades como: a humildade, a paciência, a resignação, o perdão, o amor ao próximo e principalmente a fé.

E sabendo nós que a soma dessas qualidades representa o nosso passaporte para mundos mais felizes, às vezes nos deparamos com uma pergunta a interrogar o nosso íntimo: quantas dessas qualidades, virtudes, nós já possuímos? Qual seria a maior das virtudes? Ser virtuoso não é fazer o bem porque isso nos eleva ser virtuoso é fazer o bem pelo bem, naturalmente.

Se procurarmos olhar essas virtudes e qualidades através do olhar racional veremos que as imperfeições são muitas, porque existe um interesse camuflado, mas se olharmos com o coração veremos que a maior das virtudes é reconhecida no esforço que se faz para se encontrar com Deus nosso Pai, e isso consiste no sacrifício do interesse pessoal para o bem do próximo.

E após encontrá-lo em nossos corações é procurar Nele as verdadeiras razões de amor, de moral e crescimento para seguirmos sempre adiante e, com humildade e consciência saber que fazemos parte da verdadeira criação, que nosso Pai nos fez semelhante a Ele e, portanto, somos todos iguais, independente da religião, da posição social que ocupamos, se somos ricos ou pobres, pois a Seus olhos somos todos irmãos.

Não importa se nos vestimos como príncipes ou como um mendigo. E isso nos traz à lembrança a história de um príncipe, orgulhoso de sua realeza, que certo dia foi caçar em lugar montanhoso e afastado de seu castelo. A certa altura de seu caminho, viu um velho eremita, sentado diante de sua gruta, e muito atento a considerar uma caveira que tinha nas mãos.

Indignado por não lhe ter o velho dado a menor atenção, nem sequer levantado os olhos para a luzida companhia de caçadores, o príncipe aproximou-se dele, e disse-lhe, entre rude e zombeteiro:

— Levanta-te quando por ti passa o teu senhor! Que podes ver de tão interessante nessa pobre caveira, que chegas a te abstrair da passagem de um príncipe e tantos poderosos fidalgos?

O eremita, erguendo para ele os olhos mansos, respondeu, em voz singularmente clara e sonora:

— Perdoa senhor. Eu estava procurando descobrir se esta caveira tinha pertencido a um mendigo ou a um príncipe, mas não consigo distinguir de quem seja. Nestes ossos nada há que me diga se a carne que os revestiu repousou em travesseiros de plumas ou nas pedras das estradas. Eu não saberia dizer se devia levantar-me ou conservar-me sentado diante daquele que em vida foi o dono deste crânio anônimo.

O príncipe, cabeça baixa, prosseguiu seu caminho, mas a caçada não teve, naquele dia, qualquer encanto para ele. A lição da caveira abatera-lhe o orgulho, que é o maior inimigo das virtudes, pois ele deslustra, encobre as virtudes que porventura possamos ter adquirido.

E Deus nos deixa a eternidade para refletirmos sobre isso, para fazermos de nossos vícios, nossas imperfeições, a cada dia, a cada instante, um instrumento que servirá para o nosso crescimento. E ao olharmos para o nosso íntimo e verificarmos que essas imperfeições são muitas, vamos lembrar nosso Mestre Jesus quando disse que seu jugo é suave e seu fardo é leve, e que Deus nosso Pai jamais dá um fardo superior as nossas forças, podemos lembrar, ainda uma frase de Emmanuel, psicografada por Francisco Cândido Xavier “ainda que não possas marchar livremente com teu fardo, avança com ele para frente, mesmo que seja um milímetro por dia”.

Quando perguntaram a Jesus qual é a maior das virtudes Ele respondeu que é a fé, a fé que transporta montanhas, Ele disse, ainda, que se sua fé for do tamanho de um grão de mostarda, menor grão que existe, poderá fazer tudo que Eu fiz e muito mais.

Sérgio Honório da Silva

Nenhum comentário:

Postagens Recentes